A INDÚSTRIA DE PRODUTOS DERIVADOS DA PESCA E AQUICULTURA

ANTONIO DIOGO LUSTOSA-NETO

Resumo


A produção de pescado mundial tem crescido constantemente nas últimas cinco décadas, de acordo com as informações levantadas no Estado Mundial da Pesca e Aquicultura, publicado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, 2016).

A produção mundial de pescado atingiu em 2014 uma marca de 167,2 milhões de toneladas, sendo que 20,9 milhões de toneladas não foram utilizados para fins alimentícios. A pesca extrativista contribuiu com 93,4 milhões de toneladas (Tabela 1). Apesar do ligeiro aumento, comparado aos dois anos anteriores, à atividade pesqueira extrativista segue praticamente estável desde o final da década de 1980, devido à sobre exploração.

A produção aquícola mundial para o mesmo ano de 2014 foi de 73,8 milhões de toneladas, considerando que em 1974 a aquicultura fornecia apenas 7% de pescado para consumo humano, e que essa participação aumentou para 26% em 1994, e 39% em 2004, o ano de 2014 tornou-se um marco, haja vista que pela primeira vez a aquicultura superou a pesca no abastecimento de pescado para consumo humano. Isso porque os 20,9 milhões de toneladas não utilizados com produtos alimentícios são oriundos principalmente da pesca extrativista, como por exemplo das capturas de anchovetas (Engraulis ringens), que em sua maioria é reduzida a farinha de peixe.

O pescado como fonte alimentar tem aumentado a uma taxa média anual de 3,2%, no período de 1961 a 2013, enquanto o crescimento populacional mundial está a 1,6%, sendo esse um dos fatores que contribuíram para o aumento do consumo per capita de 9,9 kg em 1960 para 19,7 kg em 2013, com estimativas preliminares para além de 20 kg no ano de 2014 (Tabela 1). Entretanto, outros elementos como a ascensão da renda familiar, a urbanização, e a forte expansão da produção de peixe e dos canais de distribuição mais eficientes, ajudaram a impulsionar este aumento do consumo. Prova disso é que em 1960, 67% de toda produção de pescado foi utilizado para o consumo humano, já em 2014 bateu os 87%, ou seja, mais de 146 milhões de toneladas; desses 67 milhões de toneladas, ou seja 46% eram vivos, frescos ou refrigerados. O resto da produção para fins comestíveis foi 12% (17 milhões de toneladas) na forma seca, salgados e defumados, 13% (19 milhões de toneladas) em conservas e 30% (44 milhões de toneladas) sob a forma congelada (FAO, 2016).


Palavras-chave


Indústria Pesqueira; Produtos derivados da Pesca e Aquicultura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCANTARA, F. & GUERRA, H. (1992). Cultivo de paiche, Arapaima gigas, utilizando bujurqui, Cichlasoma bimaculatum, como presa. Folia Amazônica, 4,129-139.

ARANTES, C. C.; L. CASTELLO, D. J.; STEWART, M.; CERTA & H. L. QUEIROZ. (2010). Population density, growth and reproduction of arapaima in an Amazonian river-floodplain. Ecology of Freshwater Fish, 19: 455–465.

AVNIMELECH, Y. (2007). Feeding with microbial flocs by tilapia in minimal discharge bio-flocs technology ponds. Aquaculture, v.264, n.1-4, p.140–147.

AZIM, M. E.; LITTLE, D. C. (2008). The biofloc technology (BFT) in indoor tanks: Water quality, biofloc composition, and growth and welfare of Nile tilapia (Oreochromis niloticus). Aquaculture, 283:29–35.

BARD J. & IMBIRIBA E.P. (1986). Piscicultura de pirarucu, Arapaima gigas. No.52. EMBRAPA-CPATU, Belém, Brazil, pp.52.

BHUJEL, R.C. (2011). How to produce billions of high quality tilapia fry. In: Liu, L.P., Fitzsimmons, K. (Eds.), Proceedings of the 9th International Symposium on Tilapia in Aquaculture. Shanghai: pp. 123–131.

BLANCO, M.; SOTELO C. G.; CHAPELA M. J.; PÉREZ-MARTÍN R. I. (2007). Towards sustainable and efficient use of fishery resources: present and future. Trends in Food Science and Technology, Oxford, v. 18, n. 1, p. 29-36.

BOMBARDELLI, R. A.; SYPERRECK, M. A.; SANCHES E. A. (2005). Situação atual e perspectivas para o consumo, processamento e agregação de valor ao pescado. Ciências Veterinárias e Zoologia, Umuarama, v. 8, n. 2 p. 181-195.

BORDIGNON, A.C.; SOUZA, B.E.; BOHNENBERGER, L.; HILBIG, C.C.; FEIDEN, A.; BOSCOLO, W.R. (2010). Elaboração de croquete de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) a partir de CMS e aparas do corte em ‘V’ do filé e sua avaliação físico–química, microbiológica e sensorial. Acta Scientiarum. Animal Sciences, Maringá, v. 32, n. 1, p. 109-116.

BOSCOLO, W. R.; FRIDEN, A.; MALUF, M. L. F.; VIET, C. (2009). Peixe na merenda escolar: educar e formar novos consumidores. Toledo: GFM Gráfica e Editora, 130 p.

BRAGA, R.A. (1975). Ecologia e etologia de piranhas no nordeste do Brasil. Fortaleza-CE: DNOCS.

BRANDÃO, F.; GOMES, L.C. & CHAGAS, E.C. (2006). Respostas de estresse em pirarucu (Arapaima gigas) durante práticas de rotina em piscicultura. Acta Amazônica, Manaus, AM, 36: 349–356.

BRASIL. (2006). CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO. Gestão de Recursos Federais – Manual para Agentes Públicos. Acesso em: setembro de 2016. Disponível em: http//cgu.gov.br/cartilha_cgu.pdf.

BRASIL. (2006). MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Acesso em: setembro de 2016. Disponível em: http://www.portaldatransparencia.gov.br/aprenda Mais/documentos/curso_PNAE.pdf.

BRASIL. (2006). MINISTÉRI O DA EDUCAÇÃO. Acesso em: setembro de 2016.

Disponível em: < http://www.fnd e.gov.br/h o m e/>.

BRASIL, Presidência da República (2009). PR: Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca. LEI Nº 11.959, DE 29 DE JUNHO DE 2009. Brasília.

BRASIL, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (1984). RIISPOA: Regulamento da inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. Decreto n° 120.691. Brasília.

BROWDY, C.L., BRATVOLD, D., STOKES, A.D., MCINTOSH, R.P. (2001). Perspectives on the application of closed shrimp culture systems. In: BROWDY, C.L., JORY, D.E. (Editores), The New Wave, Proceedings of the Special Session on Sutainable Shrimp Culture, Aquaculture. The World Aquaculture Society, Baton Rouge, USA, pp. 20-34.

CAMPO, L.F.C. (2008) La tilapia roja: una evolucion de 26 años, de la incertidumbre al exito. México, 147p.

CAMPOS BACA, L. (2001). História Biológica del paiche o pirarucu Arapaima gigas (Cuvier) y bases para su cultivo em la Amazônia, Iquitos, Peru. Programa de Biodiversidad. Iquitos, Peru: Instituto de Investigaciones de la Amazonia Peruana.

CARREIRO, C. R. P., FURTADO-NETO, M. A. A., MESQUITA, P. E. C., BEZERRA, T. A. (2011). Sex determination in the Giant fish of Amazon Basin, Arapaima gigas (Osteoglossiformes, Arapaimatidae), using laparoscopy. Acta Amazonica, Manaus, AM. vol. 41(3) 415 – 420.

CASTAGNOLLI, N. (1992). Criação de peixes de água doce. Jaboticabal: FUNEP.189p.

CASTELLO, L. A (2004). method to count pirarucu: fishers, assessment and management. North American Journal of Fisheries Management, 24: 379–389.

CASTELLO, L. (2008). Lateral migration of Arapaima gigas in floodplains of the Amazon. Ecology of Freshwater Fish, 17, 38–46.

CAVERO, B.A.S.; PEREIRA-FILHO, M.; ROUBACH, R.; ITUASSÚ, D.R.; GANDRA, A.L. (2003). Efeito da densidade de estocagem na homogeneidade do crescimento de juvenis de pirarucu em ambiente confinado. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 38:103-107.

CHU-KOO F. & ALCÂNTARA F. (2009). Paiche doméstico en la Amazonica: perspectivas de una crianza sostenible. Pesca Responsable, 57,32-33.

CHU-KOO F. & TELLO S. (2010). Produccio¤n de semilla de Paiche en Perú . Infopesca Internacional, 41,30-35.

CHU-KOO, F.; DUGUÉ, R.; AGUILAR, M.A.; DAZA, A.C.; BOCANEGRA, F.A.; VEINTEMILLA, C.C.; DUPONCHELLE, F.; RENNO, J.F.; TELLO, S.; NUÑEZ, J. (2010). Gender determination in the Paiche or pirarucu (Arapaima gigas) using plasma vitellogenin, 17b-estradiol, and 11-ketotestosterone levels. Fish Physiology and Biochemistry, 35: 125-136.

CONDEVASF. (2013). Manual de criação de peixes em tanque-rede. Brasília. 68p.

CORTESI, M.L.; PANEBIANCO, A.; GIUFFRIDA, A.; ANASTASIO, A. (2009). Innovation in seafood preservation and storage. Veterinary Research Communications, v. 33, n.1, p. 15-23.

CUELLAR, G. A. (2000). Cultivo de Tilapia en Estanques y Jaulas Flotantes. Menorías del Curso, abril. SEMARNAP, Tampico, Tamaulipas. 35 p.

DALLABONA, R. B. (2011). Desenvolvimento e estabilidade de linguiça de pescado elaborada a partir de resíduo de filetagem de tilápia do Nilo. 2011. Tese (Pós-graduação em Ciência animal) – Universidade católica do Paraná, São José dos Pinhais.

DIAS-OBERSTEIN, T. C. R. et al. (2007). Reversão sexual de larvas de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) por meio de banhos de imersão em diferentes dosagens hormonais. Revista acadêmica ciências agrarias e ambientais, Curitiba, v.5, n. 4, p. 391-395.

EMBRAPA (2013). Piscicultura de água doce: Multiplicando conhecimento. Brasília. 440p.

FAO (2016). El estado mundial de la pesca y la acuicultura. 2016. Contribución a la seguridad alimentaria y la nutrición para todos, Roma, Itália. 224 pp.

FAO (2014). El estado mundial de la pesca y la acuicultura. 2014. Oportunidades y desafios. Roma, Itália. 253 pp.

FARIAS, I. P.; LEÃO, A.; ALMEIDA, Y. S.; VERBA, J. T.; CROSSA M., M.; HONCZARYK, A.; HRBEK, T. (2015). Evidende of polygamy in the socially monogamous Amazonian fish Arapaima gigas (Schinz, 1822) (Osteoglossiforme, Arapaimidae). Neotropical Ichthyology, Maringá, v. 13, n. 1, p. 198-204.

FELTES, M.M.C.; CORREIA, J.F.G; BEIRÃO, L.H.; BLOCK, J.M; NINOW, J.L. & SPILLER, V.R. (2010). Alternativas para a agregação de valor aos resíduos da industrialização de peixe. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.14, n.6, p.669–677.

FILHO, P.R.C.O. (2009). Elaboração de embutido cozido tipo salsicha com carne mecanicamente separada de resíduos de filetagem de tilápias do Nilo. 2009. 115 f. Tese (Doutorado em Aquicultura) – Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal.

FIORI, M. G. S.; SCHOENHAL, S, M.; FOLLADOR, F. A. C. (2008). Análise da evolução tempo-eficiência de duas composições de resíduos agroindustriais no processo de compostagem aeróbia. Engenharia Ambiental, v.5, n. 3, p.178-191.

FITZSIMMONS, K. (2013). Latest trends in tilapia production and market worldwide. World Aquaculture Society. WAS, 2013. Acessado em: 22/08/2016. Disponível em: http://www.infopesca.org/sites/default/files/complemento/conferencias_eventos/documentos/919/Ocultos/1.1_Latest%20trends%20in%20tilapia%20production%20and%20market%20worldwide%20-%20%20Kevin%20Fitzsimmons.pdf.

FONTENELE, O. (1948). Contribuição para o conhecimento da biologia do pirarucu, Arapaima gigas (Cuvier) em cativeiro (Actinopterygii, Osteoglossidae). Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v.8, n. 4, p. 445-459.

FONTENELE, O. (1955). Contribution to the knowledge of pirarucu, Arapaima gigas (Cuvier) in captivity (Actinopiterygii, Osteoglossidae). Departamento Nacional de Obras Contra as Secas-DNOCS, Freshwater Fish, 19: 455-465,

FRYER, G.; ILES, T. D. (1972). The cichlid fishes of the Great Lakes of Africa, their biology and evolution. Oliver and Boyd, Edinburgh, Scotland, 641 pp.

FURLANETO, F. P. B.; AYROZA, D. M. M. R.; AYROZA, L. M. S. (2006). Custo e rentabilidade da produção de tilápia (Oreochromis spp.) em tanque-rede no médio Paranapanema, Estado de São Paulo, safra 2004/05. Informações Econômicas, SP, v.36, n.3, mar.

GANDRA, A. L. (2002). Estudo da frequência alimentar do pirarucu, Arapaima gigas (Cuvier, 1929). Manaus: Ed da UFAM, 65p.

GENNADIOS, A.; HANNA, M. A.; KURTH, L. B. (1997). Application of Edible Coatings on Meats, Poultry and Seafoods: A Review. Lebensmittel-Wissenschoft und- Technologie, v. 30, p. 337-350.

GJEDREM, T. (2012). Genetic improvement for the development of efficient global aquaculture: a personal opinion review. Aquaculture 344–349, 12–22.

GONÇALVES, A. A. (2004). Aproveitamento integral da tilápia no processamento. Aquaciência 2004: Tópicos Especiais em Biologia Aquática e Aqüicultura. Capítulo 18, p.237-259.

GONÇALVES, A. A. (Org.) et al. (2011). Tecnologia do pescado: ciência, tecnologia, inovação e legislação. São Paulo: Editora Atheneu, v. 1, 608p.

GONTIJO, V. P. M. et al. (2008). Cultivo de tilápias em tanques-rede. Belo Horizonte: EPAMIG, Boletim Técnico, 86.

GOULDING, M. (1980). The Fishes and the forest: Explorations in Amazonian Natural History. University of California Press. Berkeley, California. 280p.

GREENWOOD, P. H.; ROSEN, D. E.; WEITZMAN, S. H.; MYERS, G. S. (1966). Phyletic studies of teleostean fishes, with a provisional classification of living forms. Bulletin of the American Museum of Natural History, v. 131, n. 4.

GUERRA H., ALCÂNTARA F., PADILLA P., REBAZA, M., TELLO S., ISMINÕ R., REBAZA C., DEZA S., ASCON G., IBERICO J., MONTREUILV. & LIMACHI L. (2002). Producción y manejo de alevinos de paiche. Iquitos, Peru: IIAP.

GURGEL, J.J.S. & OLIVEIRA, A.G. (1987). Efeitos da introdução de peixes e crustáceos no semi-árido do nordeste brasileiro. Coleção Mossoroense, 453: 7-32.

HILDSORF, A.W.S. (1995). Genética e cultivo de tilápias vermelhas, uma revisão. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v.22, n.1, p. 73-78.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (1996). Portaria nº 08. Brasília.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2015). Produção da Pecuária Municipal. Brasília. v. 42.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira-INEP/MEC (2015). Censo escolar do Brasil em 2015. Acessado em 19/09/2016. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo.

IMBIRIBA E.P. (1991). Produção e manejo de alevinos de pirarucu, Arapaima gigas (Cuvier). Technical Report EMBRAPA-CPATU, 57,19pp.

IMBIRIBA, E.P.; LOURENJO, J.B.; BARTHEM, R. (1993). Bioecologia e manejo sustentado do pirarucu (Araipama gigas) na bacia Amazônica. Ministério da Agricultura do Abastecimento e da Reforma Agrária, 27p. (Série Documentos).

JAMAS, E. (2012). Valor agregado aos resíduos do processamento de tilápia: aspectos tecnológicos, químicos e microestruturais. 2012. 48 f. Dissertação (Mestrado em Aquicultura) - Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal.

JESUS, R.S. (1998). Estabilidade de “minced fish” de peixes amazônicos durante o congelamento. 1998. Tese (Doutorado em Bromatologia) – Faculdade de Ciências farmacêuticas-Universidade de São Paulo, São Paulo.

JIRI, S., KANEKO, H., KOBAYASHI, T., WANG, D.S., SAKAI, F., PAUL-PRASANTH, B., NAKAMURA, M., NAGAHAMA, Y. (2008). Sexual dimorphic expression of genes in gonads during early differentiation of a teleost fish, the Nile tilapia Oreochromis niloticus. Biol. Reprod. 78, 333–341.

KOTAKI, S. H. (2005). Utilização da carne mecanicamente separada (CMS) da carcaça de tilápia (Oreochromis niloticus) para a elaboração de linguiça de peixe. 2005. 95f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Pesca) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

KUBTIZA, F. (2011) Tilápia: tecnologia e planejamento na produção comercial. 2° Edição Revisada e Ampliada, 316p.

KUHN, C. R.; SOARES, G. J. D. (2002) Proteases e inibidores no processamento de surimi. Revista Brasileira de Agrociência, v. 8, p .5-11.

LINUS, U.; OPARA, L.U.; SAUD, M.; AL-JUFAIL, S.M. RAMAN, M.S. (2007). Postharvest Handling and Preservation of Fresh Fish and Seafood, Chap. 6. In: Rahman, M.S. (ed). Handbook of food preservation. p. 152-170.

LOPEZ-FANJUL, C.; TORO, M.A. (1990). Mejora genética de peces y moluscos. Madrid: Mundi, 107 p.

LOVSHIN, L.L. (1998). Red tilapia or Nile tilapia: which is the best culture fish? In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO E NUTRIÇÃO DE PEIXES, 2, Piracicaba, 1998. Anais... Piracicaba: CBNA, p.179-198.

MAINARDES-PINTO, C.S.R.; FENERICH-VERANI, N.; CAMPOS, B.E.S. & SILVA, A.L. (2000). Masculinização da Tilápia do Nilo, Oreochromis niloticus, Utilizando Diferentes Rações e Diferentes Doses de 17 α-Metiltestosterona. Revista brasileira de zootecnia, v. 29 n. 3 p. 654-659.

MIGDALSKI E.C. (1957). Contribution to the life history of the South American fish Araipamas gigas. Copeia, v. 1, n. 1, p. 54-56.

MINOZZO, M.G. (2010) Patê de pescado: alternativa para incremento da produção nas indústrias pesqueiras, 210f. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

MINOZZO, M. G.; WASZCZYNSKYJ, N.; BOSCOLO W. R.F. (2008). Utilização de carne mecanicamente separada de tilápia (oreochromis niloticus) para a produção de patês cremoso e pastoso. Alimentação e Nutrição, Araraguaia, v. 19, n. 3, p. 315-319, jul./set.

MIRANDA, A.S.; FRANCESCHINI, S.C.C.; PRIORE, S.E.; EUCLYDES, M.P.; ARAÚJO, R.M.A.; RIBEIRO, S.M.R.; NETO, M.P.; FONSECA, M.M.; ROCHA, D.S.; SILVA, D.G.; LIMA, N.M.M. & MAFFIA, U.C.C. (2003). Anemia ferropriva e estado nutricional de crianças com idade de 12 a 60 meses do município de Viçosa, MG. Revista de Nutrição, Campinas, v. 16, n. 2, p.163-169.

MPA, Ministério da Pesca e Aquicultura (2009). Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca. Lei 11.959.

NEIVA, C. R. P. (2003). Obtenção e caracterização de minced fish de sardinha e sua estabilidade durante a estocagem sob congelamento. 78 f. Dissertação (Mestrado em Alimentos e Nutrição) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, SP.

NÚÑEZ, J.; CHU-KOO, F.; BERLAND, M. et al. (2011). Reproductive success and fry production of the pauche or pirarucu,Arapaima gigas (Schinz), in the region of Iquitos, Perú. Aquaculture Res., v.42, p.815-822.

OETTERER DE ANDRADE, M. (1995). Produção de silagem a partir da biomassa de pescado: levantamento bibliográfico sobre os diferentes tipos de silagem que podem ser obtidos com pescado; silagem química, enzimática e microbiana. Piracicaba, Depto. Ciênc. Tecnol. Agroind. da ESALQ/USP, 25p.

OLIVEIRA, C. E. (1944). Piscicultura amazônica. A Voz do Mar, 23: 104-106.

ONO, E. A.; KUBITZA, F. (2003). Cultivo de peixes em tanques-rede. 3ªed. Jundiaí: Eduardo A. Ono, 112p.

PANDIAN, T.J., SHEELA, S.G. (1995). Hormonal induction of sex reversal in fish. Aquaculture 138, 1–22.

PEREIRA FILHO M. & ROUBACH R. (2005). Pirarucu, Arapaima gigas. In Espécies nativas para piscicultura no Brasil (ed. by H. Rosa Nascimento), pp. 37–62. UFSM, Santa Maria, Brasil.

PHELPS, R. P.; OKOKO, M. (2010). A non-paradoxical dose response to 17a-methyltestosterone by Nile tilapia Oreochromis niloticus (L.): effects on the sex ratio, growth and gonadal development. Aquaculture Research, p 1-10.

QUEIROZ, H.L e SARDINHA, A.D. (1999). A preservação e uso sustentado dos pirarucus (Arapaima gigas, Osteoglossidae) em Mamirauá. In: QUEIROZ, H.L. e CRAMPTON, W.G.R. Estratégias para manejo de recursos pesqueiros em Mamirauá. Sociedade Civil Mamirauá: MCTCNPq. p.108-145.

REBAZA M., REBAZA C. & DEZA S. (2010) Densidad de siembra para cultivos de Paiche en jaulas otantes. Aquavision, 6, 26-27.

REPINALDO, F. P.; TONINI, J. F. (2007). Aproveitamento integral do pescado em comunidades pesqueiras de Jacaraípe, Serra, es: abordagens sobre educação para um desenvolvimento sustentável. In: VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 2007, Caxambu-MG. Anais... Congresso de Ecologia do Brasil.

RUSTAD, T. (2003). Utilization of marine by-products. Eletronic Journal of Environmental, Agricultural and Food Chemistry, Ourense, v. 2, n. 4, p. 1-9,.

RUSTAD, T.; STORRØ, I.; SLIZYTE, R. (2011). Possibilities for the utilizations of marine by-products. International Journal of Food Science and Technology, Oxford, v. 46, n. 10, p. 2001-2014.

SAAVEDRA ROJAS E.A., QUINTERO PINTO L.G., LOPEZ HERNANDEZ N. & PEZZATO L.E. (2005). Nutrición y alimentación del pirarucú Arapaima gigas (Schinz,1882). In Biología y cultivo del pirarucú Arapaima gigas Schinz,1822. Pisces: Arapaimidae. Bases para un aprovechamiento sostenible - Aspectos Reproductivos (ed. by A.I. Sanabria, I.C. Beltran & P.V. Daza), Bogotá, Colombia: INCODER/UNC, pp. 41–58.

SAINT-PAUL, U. (1986). Potential for aquaculture of South American freshwater fishes: A review. Aquaculture, v. 54, n. 3, p. 205-240.

SANTOS, G.M.; SANTOS, A.C.M. (2005). Sustentabilidade da pesca na Amazônia. Estudos Avançados, v. 19; n.54, p.165-182. (Dossiê Amazônia brasileira II).

SCHLINDWEIN, M. M. (2002). A cadeia produtiva da Tilápia no Estado do Ceará: Uma pesquisa de marketing com enfoque para o consumidor. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Economia Rural) Departamento de Economia Agrícola, Universidade Federal do Ceará- UFC. Fortaleza.

SCHMIDT, L.; BIZZI, C.A.; DUARTE F.A.; MULLER, E.I.; KRUPP, E.; FELDMANN, J.; FLORES, E.M.M. (2015). Evaluation of Hg species after culinary treatments of fish, Food Control, 47, 413-419.

SCHIMITTOU, H. R. (1995). Produção de peixes em alta densidade em tanques-rede de pequeno volume. Campinas: Mogiana Alimentos e Associação Americana de Soja.

SILVA, J.W.B. (2009). Tilápias: biologia e cultivo. Fortaleza: UFC Editora. 326p.

SILVA, J.W.B. (2007). Tilápias: Técnicas de Cultivo - O caso de uma comunidade carente. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora. 77p.

SIVERTSVIK, M.; ROSNES, J.T.; BERGSLIEN, H. (2002). Effect of modified atmosphere packaging (Chap.4). In: Minimal processing in the food industry. 1a ed. Cambridge (England), p. 288.

SKLAN, D.; PRAG, T.; LUPATSCH, I. (2004). Structure and function of the small intestine of the tilapia Oreochromis niloticus x Oreochromis aureus (Teleostei, Cichlidae). Aquaculture Research, v.35, p.350-357.

SOARES, M.C.F.; NORONHA, E.A.P. (2015). Pirarucu, Arapaima gigas: uma revisão bibliográfica visando a Aquicultura sustentável. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO DE PEIXES NATIVOS DE ÁGUA DOCE, 1., 2007, Dourados. Anais… Dourados, Acesso em: 8 jun. 2007. Disponível em: .

STEVANATO, F. B. (2006). Aproveitamento de cabeças de tilápias de cativeiro na forma de farinha como alimento para merenda escolar. 2006. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

SUSSEL, F. R. (2013). Tilapicultura no Brasil e entraves na produção. Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Pirassununga. São Paulo.

TACHIBANA, L.; CASTAGNOLLI, N.; PEZZATO, L. E.; BARROS, M. M.; VALLE, J. B.; SIQUEIRA, M. R. (2004). Desempenho de diferentes linhagens de tilápia do Nilo(Oreochromis niloticus) na fase de reversão sexual. Acta Scientiarum Animal Sciences, Maringá, v. 26, n. 3, p. 305-311.

TACON, A.G.J. e METIAN, M. (2013). Fish matters: importance of aquatic foods in human nutrition and global food supply. Reviews in Fisheries Science, 21(1): 22-38.

TAVARES-DIAS, M.; ARAÚJO, C.S.O.; GOMES, A.L.S.; ANDRADE, S.M.S. (2010). Relação peso comprimento e fator de condição relativo (Kn) do pirarucu Arapaima gigas Schinz, 1822 (Arapaimidae) em cultivo semi-intensivo no estado do Amazonas, Brasil. Revista Brasileira de Zoociências, Juiz de Fora, v. 12, n. 1, p. 59-65.

TEIXEIRA, E.A.; CREPALDI, D.V.; FARIA, P.M.C., et al. (2008). Composição corporal e exigências nutricionais de aminoácidos para alevinos de tilápia (Oreochromis sp.). Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 9, p. 239-246.

VERÍSSIMO, J. (1895). A pesca na Amazônia. Livraria Clássica Francisco Alves. Rio de Janeiro, 206 p.

YARNPAKDEE, S.; BENJAKUL, S.; PENJAMRAS, P.; KRISTINSSON, G. H.; YASUI, G. S.; SANTOS, L. C.; FILHO, O. P. R.; SHIMODA, E.; ARIAS¬RODRIGUEZ, L. (2006). CultivoMonossexual de tilápias: importância e obtenção por sexagem e inversão sexual. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, n. 51, p. 37¬61.

YARNPAKDEE S.; BENJAKUL S.; PENJAMRAS P. & KRISTINSSON H.G. (2014). Chemical compositions and muddy flavour/odour of protein hydrolysate from Nile tilapia and broadhead catfish mince and protein isolate. Food Chem., 1;142:210-6.

ZIMMERMANN, S. (1999). Incubação artificial: técnica permite a produção de tilápias-do-nilo geneticamente superiores. Panorama da Aquicultura, v. 9, n. 54, p. 15-21.

ZIMMERMANN, S.; FITZSIMMONS, K. (2004). Tilapicultura intensive. In: José Eurico Posseibon Cyrino, Elisabeth Criscuolo Urbinati, Débora Machado Fracalosi, Newton Castagnolli (Editores), Tópicos especiais em piscicultura de água doce tropical intensiva, Cap.9, São Paulo: TecArt, p. 239-266.




DOI: https://doi.org/10.2312/Actafish.2018.6.2.28-48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A ActaFish - Acta Fisheries and Aquatice Resources está indexada as seguintes bases:
Indexadores: Sumários (www.sumarios.org) - Diretórios: Diadorim (Diadorim.ibict.br) - Latindex (www.latindex.org)