USO DE OZÔNIO EM SISTEMAS DE DEPURAÇÃO DE OSTRAS VISANDO A SEGURANÇA PARA O CONSUMIDOR

  • Lucas de Oliveira Soares Rebouças Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
  • Alex Augusto Gonçalves Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
Palavras-chave: ozonização, contaminação, moluscos, inativação microbiana.

Resumo

Por terem um eficiente mecanismo de filtração, os moluscos bivalves podem acumular em seu organismo uma grande quantidade de bactérias, vírus entéricos e protozoários, o que pode ser caracterizado como um problema de saúde pública. Diante dessa problemática é necessária a utilização de um sistema de depuração aliado a um agente sanificante, como cloro, luz ultravioleta (UV) ou ozônio. O ozônio é um gás incolor de odor pungente, instável e parcialmente solúvel em água, que se destaca por seu elevado poder oxidante. É um forte agente desinfetante com ação sobre uma grande variedade de microrganismos patogênicos, apresentando uma eficiência germicida que excede a do cloro e da luz UV. Nos últimos anos vários estudos vêm mostrando a eficácia do ozônio como sanificante, em diversas áreas, como na desinfecção de água pra consumo, de produtos de origem animal e vegetal e em sistemas de depuração de moluscos bivalves. Desta forma, este trabalho demonstra o potencial da tecnologia do ozônio em sistemas de depuração de ostras como forma de agregar segurança ao produto para o consumidor final.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Soares Rebouças, Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
Engenheiro de Pesca formado pela UFERSA. Atualmente mestrando em Produção Animal na UFERSA.
Alex Augusto Gonçalves, Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
Publicado
2014-02-13
Seção
Artigo