Caracterização e potencialidades do mercado consumidor do robalo-peva (Centropomus parallelus) na zona costeira do estado do Espírito Santo, Brasil

  • Cristiane Cerqueira Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo, UFES/CEUNES, Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas (DCAB). Rodovia BR 101 Norte, Km. 60, Bairro Litorâneo, CEP 29932-540, São Mateus – ES
  • Flavio Pessin Boechat Universidade Federal do Espírito Santo, (UFES) - Centro Universitário Norte do ES, (CEUNES) - Departamento de Engenharias e Tecnologia, (DETEC) - Laboratório de Gestão Costeira: aquacultura e pesca (LGCap.)
  • Rafael Lima Rodrigues Universidade Federal do Espírito Santo, (UFES) - Centro Universitário Norte do ES, (CEUNES) - Departamento de Engenharias e Tecnologia, (DETEC) - Laboratório de Gestão Costeira: aquacultura e pesca (LGCap.)
  • Nietzsche Gschwendtner Martins Universidade Federal do Espírito Santo, (UFES) - Centro Universitário Norte do ES, (CEUNES) - Departamento de Engenharias e Tecnologia, (DETEC) - Laboratório de Gestão Costeira: aquacultura e pesca (LGCap.)
  • Caroline Tedesco Santos Universidade Federal do Espírito Santo, (UFES) - Centro Universitário Norte do ES, (CEUNES) - Departamento de Engenharias e Tecnologia, (DETEC) - Laboratório de Gestão Costeira: aquacultura e pesca (LGCap.)
  • Rodrigo Randow Freitas Universidade Federal do Espírito Santo, (UFES) - Centro Universitário Norte do ES, (CEUNES) - Departamento de Engenharias e Tecnologia, (DETEC) - Laboratório de Gestão Costeira: aquacultura e pesca (LGCap.) http://orcid.org/0000-0003-0170-6892
Palavras-chave: comercialização, aquicultura, pescado, SWOT, cadeia produtiva

Resumo

O presente estudo visa caracterizar o mercado consumidor do robalo (Centropomus parallelus) na zona costeira do estado do Espírito Santo, Brasil, através de pesquisa bibliográfica e aplicação de questionários. Foi possível também identificar as potencialidades e entraves do processo através de uma Matriz SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities e Threats), isso com o intuito de se obter uma melhor visualização dos resultados. Obteve-se assim um melhor entendimento do perfil do consumidor de robalo, bem como sua relação com o mercado e sua cadeia de produção instalada. Observou-se que 58% dos consumidores de robalo tem média de idade acima de trinta anos e, dentre estes, 84% tem renda familiar acima de seis salários, o que pode estar relacionado ao valor da carne de robalo comercializada, uma das mais caras disponíveis no mercado. Quanto ao local de compra, o consumidor prefere grandes redes de supermercado que oferecem uma estrutura sólida, ou adquirem direto de pescadores de sua confiança, visto que 66% dos entrevistados afirmam que o conhecimento da origem é um dos principais fatores decisivos de compra do pescado. Nos supermercados, locais de maior procura para compra do robalo, os consumidores desconhecem a existência de cultivos do mesmo. Isso se explica pela baixa oferta do produto oriundo de cultivos, bem como da falta de divulgação. Dessa forma, analisar as particularidades e o potencial do consumo de robalo-peva torna-se crucial para superar entraves que trarão a consolidação de sua comercialização e dos demais elos da cadeia produtiva.

Biografia do Autor

Cristiane Cerqueira, Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo, UFES/CEUNES, Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas (DCAB). Rodovia BR 101 Norte, Km. 60, Bairro Litorâneo, CEP 29932-540, São Mateus – ES

 


 

Referências

Andrade, H. K. (2007). Impactos da Aquicultura sobre o turismo no Espírito Santo. Vitória/SEBRAE-ES. 76p.

Azevedo, M. C. & Costa, H. G. (2001). Métodos para avaliação da postura estratégica. São Paulo, SP, Brasil: Caderno de Pesquisas em Administração (USP) 8(2): 1-18.

Begossi, A. (2008). Local knowledge and training towards management. Environmental Development and Sustainability, 10(5):591-603.

Cardoso, E. S., Neu, V., Silva, F., Scherer, M. F. & Pereira, I. C. (2008). Os Circuitos Econômicos do Pescado em Santa Maria. Geografia, 15:81-94.

Castro, A. M. G. (2001). Prospecção de cadeias produtivas e gestão da informação. Transinformação, 13(2):55-72.

Chiavenato, I. (2004) - Introdução à teoria geral da administração. 7th ed. Elesevier, Rio de Janeiro, Brasil. 664p. ISBN: 8535213481.

Christopher, M. & Towill, D. R. (2002). Developing Market Specific Supply Chain Strategies. International Journal of Logistics Management, 13(1):14.

Corrêa, C. F. & Leonardo, A. F. G. (2011). O robalo no Vale do Ribeira, ocorrência natural e perspectivas para a criação comercial. Pesquisa & Tecnologia, 8(1).

Cotrim, D. S. (2002). Comércio Local do peixe cultivado na região Metropolitana de Porto Alegre. Rio de Janeiro: UFRRJ (Monografia de Especialização). Não publicado.

Freitas, R. R., Vinatea, L. & Netto, S. A. (2009). Analysis of the marine shrimp culture production chain in Southern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 81:287-295.

Gil. A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Guimarães, M. C. & Brisola, M. V. (2001). Teoria Motivacional de Maslow e sua Aplicação na Empresa Rural. Revista de Administração e Contabilidade, 1(1):37-45.

Guimarães, M. C. & Brisola, M. V. (2002). O ECR como ferramenta contemporânea de Marketing: da era da produção à era do valor ao cliente. Revista de Administração e Contabilidade, 3(3):22-26.

Harovitz, J. (1993). Qualidade de Serviços: a batalha pela conquista do cliente. São Paulo, Nobel.

Hoffmann, W. A. M., Gregolin, J. A. R. & Oprime, P. C. (2004). A contribuição da inteligência competitiva para o desenvolvimento de arranjos produtivos locais: caso Jaú-SP. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, (Especial): 1-20.

Miranda, M. B, (2012). A lei da oferta e da procura e os preços dos produtos e serviços. Revista Virtual Direito Brasil, 6(1): 1-2.

Naim, M. M., Childerhouse, P., Disney, S. M. & Towill, D. R. (2002). A Supply chain diagnostic methodology: determining the vector of change. Comput Ind Eng, 43:135-157.

Ostrensky, A., Borghetti, J.R.; Soto, D. (2007) - Estudo setorial para consolidação de uma aqüicultura sustentável no Brasil. 279p., Grupo Integrado de Aquicultura e estudos ambientais, Curitiba, Paraná, Brasil. Disponível em ftp://ftp.fao.org/fi/document/aquaculture/sect_study_brazil.pdf

Ostrensky, A., Borghetti, J. R. & Soto, S. (2008). Aquicultura no Brasil: O Desafio é crescer. Brasília.

Porter, M. E. (1999). Competição: Estratégias Competitivas Essenciais. 16. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Quinn, F. J. (2001). Team up for supply-chain success. Logistics Management, 36(10):39.

Razzolini, E. F. (2001). Supply Chain Management - SCM: Uma tentativa de conceituação. Tuiutí, Curitiba, PR, v.24, FCSA, p.79-97.

Santos, C. (2009). Aquicultura e pesca: a mudança do modelo exploratório. In: Tavares-Dias, M. (Org.). Manejo e sanidade de peixes em cultivo. Macapá: Embrapa Amapá, p.13-32.

Slack, N., Chambers, S. & Johnston, R. (2002). Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Viegas, M. C., Moniz, A. B. & Santos, P. T. (2014). Artisanal fishermen contribution for the integrated and sustainable coastal management - application of strategic SWOT analysis. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 120:257–267.

Vitule, J.R.S.; Freire, C.A.; Simberloff, D. (2009) - Introduction of non-native freshwater fish can certainly be bad. Fish and Fisheries, 10(1):98-108. doi: 10.1111/j.1467-2979.2008.00312.x

Publicado
2018-05-01