CONFINAR PARA SUBMETER: UM ESTUDO SOBRE AS CONDIÇÕES DE ENCARCERAMENTO DE MULHERES NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

  • Luís Antônio Francisco de Souza Unesp Marília
  • Larissa Delle Siquinelli Unesp Marília

Resumo

Estudos recentes sobre prisões têm observado o crescimento do encarceramento feminino e mudanças no perfil dos crimes e das mulheres encarceradas. A despeito do aumento do debate e mesmo das proteções legais à condição feminina, as mulheres têm se tornado, cada vez mais, alvo de políticas penais repressivas. Para agravar o quadro, mulheres confinadas são submetidas a múltiplas formas de punição: prisão provisória, condições prisionais precárias, violência física, ilegalidades, sofrimento, isolamento em relação à família e falta de acesso à justiça. Para o presente estudo, trata-se de identificar um dispositivo punitivo que multiplica os excessos da punição. O artigo pretende fazer uma breve síntese dos estudos sobre mulheres presas, sobre o perfil do encarceramento, assim como apresentar resultados de pesquisa realizada em duas penitenciárias femininas do estado de São Paulo. O artigo conclui mostrando que as inflexões de gênero no mundo do crime e no sistema prisional reforçam a posição subalterna das mulheres. Trata-se, portanto, da reprodução de um protagonismo subalterno, na medida em que, na lógica do crime e da punição, a mulher assume mais posições de destaque, mas ainda marcadas pela subalternidade.

Referências

ANDRADE, Bruna Soares Angotti Batista de. Entre as leis da ciência, do estado e de Deus. O surgimento dos presídios femininos no Brasil. 2011. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

ASSIS, Simone Gonçalves de; Patrícia Constantino. Filhas do mundo. Infração juvenil feminina no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

BASSANI, Fernanda. Amor bandido. Cartografia da mulher no universo prisional masculino. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social. v. 4, n. 2, p. 261-280, abr-mai-jun. 2011.

BERNARDI, Maria Luiza Lorenzoni. Cárcere, gênero e família. Estudo etnográfico sobre a experiência de mulheres do tráfico de drogas. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, 2013.

BOITEUX, Luciana. “A nova lei antidrogas e o aumento da pena no delito de tráfico de entorpecentes.” Boletim do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim). ano 14. n. 167, p. 8-9, out. 2006.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Grupo de Trabalho Interministerial Reorganização e reformulação do sistema prisional feminino. DF: 2008. Disponível em: http://docplayer.com.br/258987-Grupo-de-trabalho-interministerial-reorganizacao-e-reformulacao-do-sistema-prisional-feminino-relatorio-final.html. Acesso em: 11 de novembro de 2018.

BRASIL. Mulheres Encarceradas. Levantamento Nacional. Consolidação de Dados. Brasília. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. 2008b.

BRASIL. Departamento de pesquisas judiciárias. Pesquisa sobre a Justiça Infanto-Juvenil: Situação atual e critérios para aprimoramento (2010). Disponível em: http://www.ipea. gov.br/ portal/images/stories/PDFs/100623_resumo_executivo_cnj1.pd. Acesso em: 11 de novembro de 2018.

BRASIL. Levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo aos Adolescentes em Conflito com a lei. Divulgação junho de 2011. Disponível em: http://www.direitoshumanos. gov.br/2011/07/spdca/LEVANTAMENTO%20ANUAL%20OFICIAL_2010.pdf. Acesso em: 11 de novembro de 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Mutirão Carcerário. Raio-x do Sistema Penitenciário Brasileiro. Brasília, CNJ. 2012.

BRASIL. III Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. DF. 2013.

BRASIL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – Infopen Mulheres, Brasília, Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. 2. ed. 2018.

BRAUNSTEIN, Hélio Roberto. Mulher encarcerada. Trajetória entre a indignação e o sofrimento por atos de humilhação e violência. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CEJIL et all. Centro pela Justiça e pelo Direito Internacional. Relatório sobre mulheres encarceradas no Brasil. Brasil, fev. 2007.

CÉSAR, Maria Auxiliadora. Exílio da vida: o cotidiano de mulheres presidiárias. Brasília: Thesaurus, 1996.

CHIES, Luiz Antônio Bogo, et all. A prisão dentro da prisão: uma visão sobre o encarceramento feminino na 5.ª Região Penitenciária do Rio Grande do Sul. Pelotas, PUC, 2008. Relatório de Pesquisa.

CHIES, Luiz Antônio Bogo. Do campo ao campo: análise da questão penitenciária no Brasil contemporâneo. O Público e o Privado. v. 26, p. 69-91, jun-dez. 2015.

CLEMMER, Donald. The prison community. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1940.

COELHO, Edmundo Campos. A oficina do diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Record. 2005.

COLARES, Leni Beatriz Correia; CHIES, Luiz Antônio Bogo. Mulheres nas so(m)bras: invisibilidade, reciclagem e dominação viril em presídios masculinamente mistos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2. mai-ago. 2010.

COMFORT, Megan. “A casa do papai”: a prisão como satélite doméstico e social. Discursos sediciosos, ano 8, n. 13, p. 77-101. 2003.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. PCC: hegemonia nas prisões e monopólio da violência. São Paulo: Saraiva, 2013.

ESPINOZA, Olga. A mulher encarcerada em face do poder punitivo. São Paulo: IBCCrim, 2004.

FACHINETTO, Rochele Fellini. “Casa de bonecas”: um estudo de caso sobre a unidade de atendimento socioeducativo feminino no RS. 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Fronteiras de Tensão: um estudo sobre política e violência nas periferias de São Paulo. Campinas, 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estacudal de Campinas, Campinas, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 5. ed. Petrópolis: Vozes. 1987.

GARLAND, David. A cultura do controle. Crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 7. ed. São Paulo: Perspectiva. 2005.

GREGORI, M. F. Viração. A experiência de meninos nas ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

HEZER, S. M. A queda para o alto. São Paulo: Circulo do Livro, 1982.

ISHIY, Karla Tayumi. A desconstrução da criminalidade feminina. 2014. Dissertação (Mestrado em Direito Penal) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

JACOBS, James B. Stateville. The penitentiary in mass society. Chicago: University of Chicago Press, 1977.

JARDIM, Ana Caroline Montezano Gonsales. Famílias e prisões: (sobre)vivências de tratamento penal. 2010. Tese (Doutorado em Ciências Criminais) – Escola de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

JESUS, Maria gorete Marques de. O que está no mundo não está nos autos. A construção da verdade jurídica nos processos criminais por tráfico de drogas. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

KRUTTSCHNITT, Candace; GARTNER, Rosemary. Marking Time in the Golden State. Women’s Imprisonment in California. Cambridge University Press: New York, 2005.

LAGO, Natália Bouças do. Mulheres na prisão: entre famílias, batalhas e a vida normal. 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos vivos. Análise sociológica de uma prisão de mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1999.

LIMA, Jacqueline Stefanny Ferraz de. Mulher fiel: as famílias das mulhers dos presos relacionados ao PCC. 2013. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

LOURENÇO, Arlindo da Silva. O espaço de vida do agente de segurança no cárcere. Entre gaiolas, ratoeiras e aquários. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Pulo, 2010.

LOURENÇO, Luiz Claudio; CARVALHO, Jamile; RODRIGUEZ; Sheila Lima. Mulheres, crimes e prisão. Uma análise do perfil social, criminal e penal das internas do Conjunto Penal Feminino de Salvador - BA. 2012. In: Encontro Anual da Anpocs. 36. GT 38. Anais [...], Águas de Lindóia, São Paulo, 2012.

LOURENÇO, Luiz Cláudio. Contribuições pioneiras das Ciências Sociais no estudo sobre as prisões brasileiras do século XX. Vivência. Revista de Antropologia, v. 1, n. 46, p. 169-180, 2015.

MATSUDA, Fernanda Emy. Sob fogo cruzado. A gestão de mulheres e a justiça criminal paulista. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MELLO, Daniela Canazaro de. Quem são as mulheres encarceradas? 2008. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Escola de Ciências da Saúde, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

MELO, Felipe Athayde Lins de. As prisões em São Paulo. Estado e mundo do crime na gestão da “reintegração social”. São Paulo: Alameda, 2014.

MELO, Juliana; ALVES, Leonardo; CAVALCANTE, José. Do lado de dentro e do lado de fora: justiça e criminalidade a partir de perspectivas de mulheres em situação de prisão e na condição de visitantes. Vivência. Revista de Antropologia, v. 1, n.46, p. 113-130, 2015.

MORAES, Pedro Rodolfo Bodê de. Punição, encarceramento e construção de identidade profissional entre agentes penitenciários. São Paulo: IBCCrim, 2005

MORRIS, Norval; ROTHMAN, David. The Oxford history of the prison. The practice of punishment in Western Society. Oxford: University Press, 1995.

PADOVANI, Natália Corazza. Perpétuas espirais. Falas do poder e do prazer sexual em trinta anos (1977-2009) na Penitenciária Feminina da Capital. 2010. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

RAMALHO, José Ricardo. Mundo do crime: a ordem pelo avesso. Rio de Janeiro, Graal, 1979.

RHODES, Lorna A. A psicopatia e a cara do controle na supermax. Discursos sediciosos, ano 8, n. 13, p. 57. 2003.

ROTHMAN, David. The discovery of the asylum. Social order and disorder in the new republic. Boston: Little Brown, 1971.

SALIBA, M. G. O olho do poder. Análise crítica da proposta educativa do Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo (1822-1940). São Paulo: Annablume, 1999.

SALLA, Fernando. De Montoro a Lembo: As políticas penitenciárias em São Paulo. Revista Brasileira de Segurança Pública, São Paulo, ano 1, n. 1, p. 72-90, 2007.

SALLA, Fernando. Os impasses da democracia brasileira: O balanço de uma década de políticas para as prisões no Brasil. Lusotopie, 2003, p. 419-35.

SANTA RITA, Rosangela Peixoto. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana. Brasília: Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, 2007.

SANTOS, Daiane Lima. A atuação da Defensoria Pública do Pará e a mulher encarcerada. 2013. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

SERRA, Carlos Henrique Aguiar. Estado penal e encarceramento em massa no Brasil. In: LOURENÇO, Luiz Cláudio; GOMES, Geder Luiz Rocha (Org). Prisões e punição no Brasil contemporâneo. Salvador: EDUFBA, 2013.

SILVESTRE, Giane. Dias de visita. Uma sociologia da punição e das prisões. São Paulo: Alameda, 2012.

SIQUINELLI, Larissa Delle. A construção sócio-jurídica do não acesso à justiça: as demandas por direitos das mulheres encarceradas no estado de São Paulo. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2018.

SOARES, Barbara Musumeci e Iara Ilgenfritz. Prisioneiras. Vida e violência atrás das grades. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SPAGNOL, A. S. Jovens Perdidos. Um estudo sobre jovens delinquentes na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablue. FAPESP, 2008.

SOUZA, Luís Antônio Francisco. As contradições do confinamento no Brasil. Uma breve revisão da bibliografia sobre encarceramento de mulheres. Sociedade em Debate, v. 22, p. 104-156, 2016.

SYKES, Gresham M. The society of captives. A study of a maximum security prison. Princeton: Princeton University Press, 1971 (ed. Original, 1958).

TAETS, Adriana Rezende Faria. Abrindo e fechando celas: narrativas, experiências e identidades de agentes de segurança penitenciária femininas. 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

TEIXEIRA, Alessandra. Prisões da exceção. Política penal e penitenciária no Brasil contemporâneo. Curitiba: Juruá, 2009.

TEIXEIRA, Alessandra. Construir a delinquência, articular a criminalidade: um estudo sobre a gestão dos ilegalismos na cidade de São Paulo. 2012. Tese (Doutorado) – USP. São Paulo, 2012.

TEIXEIRA, Joana D’Arc. O sistema sócio-educativo de internação para jovens autores de ato infracional do estado de São Paulo. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009a.

TONCHE, Juliana. Ativismo entre defensores públicos do estado de São Paulo: uma análise e perfil da carreira. In: Congresso Brasileiro de Sociologia, 18., Brasília, 2017. Anais [...] Brasília, DF, 2017.

UHLEIN, Márcia Regina Claudino. Um paralelo entre a internação provisória e a prisão preventiva: a falácia da proteção integral. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Escola de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

WACQUANT, Loic. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

WOLFF, Maria Palma (Coord.). Mulheres e prisão: a experiência do Observatório de Direitos Humanos da Penitenciária Feminina Madre Pelletier. Dom Quixote: Porto Alegre, 2007.

ZEDNER, Lucia. Wayward sisters. The prison for women. In: MORRIS, Norval; ROTHMAN; David. The Oxford history of the prison. The practice of punishment in Western Society. Oxford University Press, 1995.

Publicado
2019-01-28
Seção
Dossiê: Enquadramentos de Estado e violações de direitos