ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO LOCAL NO ALTO VALE DO JEQUITINHONHA – ARTESANATO E TURISMO DE EXPERIÊNCIA

Resumo

Espaços como o Vale do Jequitinhonha carregam consigo ingredientes que combinam verti- calidades e horizontalidades, sociedade e ambiente, drama e esperança. Nesse sentido, bus- camos traduzir o Alto Vale do Jequitinhonha Mineiro enquanto espaço de combinações entre a pobreza no rural - explorada pelas verticalidades da atividade canavieira de São Paulo - e a riqueza do rural - aflorada pelas horizontalidades traduzidas pela arte das “viúvas de maridos vivos” da Comunidade de Coqueiro Campo, município de Turmalina. Para isso, utilizamos a perspectiva da formação sócio-espacial, como opção de método, para se pensar a espa- ciologia daquele lugar, ou seja, de que forma ocorrem as interações entre diferentes escalas e, de que forma afloram novos tipos de organizações sócio-produtivas enquanto estratégias de superação de um drama histórico, impulsionado pelo que intitulamos “externalidades hegemônicas”. Cabe destacar que, esse movimento têm contribuído para a manutenção de duas faces do desenvolvimento local, uma atrelada à transferência garantida e minguada de renda das atividades de colheita da cana, e outra, mais recente, que é resposta e grito, da transformação do barro em arte nas “Bonecas do Vale”, carregadas do mineral e do drama, particulares da região. Esse artesanato, entendido aqui como o terroir do Alto Vale, tem impulsionado o turismo a partir da hospedagem solidária e da vivência com as práticas de coleta e manipulação do barro. Peças e histórias que já conquistaram reconhecimento internacional e têm contribuído para o resgate da esperança e para a formação de importante fatia de renda às famílias camponesas-artesãs.

Biografia do Autor

Anderson Bertholi, unimontes

Professor de Geografia Agrária do Programa de Pós Graduação em Geografia do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes. Possui Doutorado em Geografia pela UFSC, área de Desenvolvimento Regional e Urbano, com pesquisa sobre a categoria do Desenvolvimento na perspectiva teórica e metodológica da Formação Sócio-Espacial. Desde 1996 atua como professor da grande área de Geografia, em diferentes níveis e modalidades de ensino.

Referências

CENSO ESCOLAR/INEP – 2015. In: http://academia.qedu.org.br/censo-escolar/notas-tecni- cas/ Consultado em 08/02/2017.

DUTRA, Italo Modesto. (org) Et al. Trajetórias criativas : jovens de 15 a 17 anos no ensino fundamental : uma proposta metodológica que promove autoria, criação, protagonismo e autonomia : caderno 7 : iniciação científica. Brasília : Ministério da Educação, 2014.

FETAESP – Federação dos trabalhadores da agricultura do estado de São Paulo – 2013.

GHIZZO, Márcio Roberto; ROCHA, Márcio Mendes. Contextualização dos estudos de mo- bilidade da população nas Ciências Humanas. Espaço Plural • Ano IX • Nº 18 • 1º Semestre 2008 (101-110)

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Território e Migração: discussão conceitual na Geografia. São Paulo: USP (mimeo), 1999.

OLIVEIRA, Ricardo Antunes Dantas de. Mobilidade Espacial dos Cortadores de Cana: Dimensões e Significados Recentes. In: O Mundo do Trabalho. Revista Pegada. Vol 16 – n.1. Unesp, 2015.

Órfãos da cana' repetem roteiro dos pais e partem para SP em busca de sustento (Reportagem) In: https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2018/04/15/internas_economia,951762/orfaos-da-cana-repetem-roteiro-dos-pais-e-partem-para-sp-em-busca-de.shtml acesso em outubro de 2019.

SANTOS, M. Por uma Geografia Nova. São Paulo: Hucitec, Edusp, 1978. https:// www2.ufmg.br/polojequitinhonha/O-Vale/Sobre-o-Vale - acessado em 08/02/2017

A Natureza do Espaço – Técnica e Tempo, Razão e Emoção. EDUSP, São Paulo, 2006.

Terroir: conceito de. https://dicionario.reverso.net/frances-definicao/terroir/forced acesso em outubro de 2019.

Publicado
2020-03-01