MULHERES PRODUTORAS DE HQS E RESISTÊNCIAS POSSÍVEIS

  • Ana Paula Oliveira Barros Universidade Federal Fluminense

Resumo

Atualmente, questões outrora tidas como privadas, como as relacionadas ao sexo e ao gênero, passam a assumir o centro do debate político na sociedade. Essas relações, entre o íntimo e o político, possibilitam atos de resistência aos modos de subjetividades considerados legítimos na contemporaneidade. Desta forma, levando em conta que as histórias em quadrinhos são uma rica referência de construção da imagem da mulher e que, muitas vezes, acabam reificando os corpos e a sexualidade feminina com o intuito de satisfazer o olhar do espectador masculino, o presente trabalho visou refletir sobre como as produtoras de HQs independentes constroem as suas personagens a partir das diferentes formas de combate aos discursos hegemônicos. Com o intuito de responder minha pergunta de trabalho, foram escolhidas para análise obras das principais quadrinistas independentes do Brasil que abordam corpos e sexualidades na atualidade. As bases metodológicas da pesquisa proposta foram fundamentadas na pesquisa qualitativa de caráter exploratório. Já o método utilizado para a verificação das HQs foi a Análise do Discurso de linha francesa. Após a pesquisa, foi possível concluir que parte das mulheres que tratam da temática do sexo em suas HQs o fazem de forma independente das grandes editoras, atrelada ao humor, e por meio de traços simples ou distorcidos, com o intuito de desconstruir certas verdades patriarcais acerca das sexualidades e dos corpos femininos.

Publicado
2020-08-13
Seção
Dossiê: Arte e Gênero