POR QUÊ, AOS OLHOS DO OCIDENTE, CUBA VIVE SOB UMA “DITADURA QUE NÃO RESPEITA OS DIREITOS HUMANOS”?

  • Paulo Renato Vitória

Resumo

Este artigo busca problematizar, através de uma metodologia analítica e contextual, de caráter predominantemente bibliográfico, as razões pelas quais o sistema social, político e econômico cubano é classificado pelos principais discursos – acadêmicos, políticos e midiáticos – ocidentais como uma “ditadura que não respeita os direitos humanos”. O principal objetivo é desnudar os conceitos hegemônicos de democracia e direitos humanos, a partir de uma perspectiva decolonial, compreendendo-os como produtos culturais e contingentes da modernidade/colonialidade capitalista, para demonstrar algumas das suas inconsistências e contradições. Para isso, realiza uma análise das principais acusações dirigidas a Cuba, contrastando as práticas vigentes em Cuba e nos países capitalistas. Conclui afirmando que a principal razão para que Cuba seja assim identificada não diz respeito a efetiva proteção do ser humano e de sua soberania política, mas ao não reconhecimento da universalidade da cosmovisão individualista, mercantil e patrimonial predominante no Ocidente, sobretudo a versão individualista do direito de propriedade.

Publicado
2021-05-10
Seção
Dossiê: Crise e Novos Rumos da Democracia