A EXCLUSÃO COMO DISPOSITIVO

DIÁLOGOS SOBRE A EXPULSÃO ESCOLAR DE MULHERES TRANS

Resumo

Esse artigo resulta de uma pesquisa de mestrado e objetivou desenlvover uma análise sobre as articulações que envolvem a exclusão social no processo de expulsão escolar de mulheres trans e travestis. Através de uma revisão bibliográfica sobre a temática foi possível realizar uma construção de entendimento entre os conceitos de “evasão” e “expulsão”  e compreender como a exclusão social funciona como um dispositivo chave da resultante em questão. A expulsão escolar apresentou-se como um problema que muitas vezes pode ser entendido como fator generalista de “desistência” do percurso escolar. É importanta destacar, também, que a formação desse processo de exclusão pode ser compreendida como multiplas e complementares. No entanto, observado as suas caracteríticas específicas como o recorte de gênero,  a exclusão social se mostra como mecanismo central para compreendermos a expulsão.  Desse modo, entendendo o curriculos escolar como base para compreender o que acontece nas jornadas escolares trans, foi possível  destrinchar as nuances que corroboram para que esse problema social perdure nas escolas brasileiras.

Biografia do Autor

Fábio Pinheiro Ramos de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor da rede privada de Niterói. Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).  Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e membro do grupo de pesquisa Gêneros, Sexualidades e Diversidades nos Vários EspaçosTempos Cotidianos (GESDI).

Denize Sepulveda, Universidade do Estado do Rio  de  Janeiro

Professora Adjunta IV da Faculdade de Formação de Professores na Universidade do Estado do Rio  de  Janeiro,  Departamento  de  Educação.  Pós-Doutora em Educação no PPG em Educação da UFF. Pós-Doutora  em  Educação  no  PROPED/UERJ. Doutora  em  Educação  no  PROPED/UERJ.  Vice-Líder  do  Grupo de  Pesquisa Diálogos Escolas-Universidade:   Processos   Formativos,   Currículos   e   Cotidianos   da   Faculdade   de Formação de   Professores   da   UERJ. Líder  do  Grupo  de  Pesquisa e Estudos Gênero, Sexualidades e Diversidades nos Vários EspaçosTempos da História e dos Cotidianos (GESDI) da FFP/UERJ. Vice-Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa Os Impactos do Conservadorismo e Educação Brasileira (GEPCEB) da UFF. Bacharel e Licenciada em História

Publicado
2022-02-15
Seção
Dossiê “Nossos Corpos de Todos os Dias" (Parte 02)