O TERRITÓRIO NA PERSPECTIVA DAS DIMENSÕES SIMBÓLICAS, CULTURAIS E IDENTITÁRIAS

José Antônio Sousa

Resumo


Este artigo é fruto de uma pesquisa cuja base metodológica ancora-se em revisões bibliográficas acerca do território, como sendo o objeto principal de análise. O objetivo foi analisar o território na perspectiva de suas dimensões simbólicas no universo da cultura, o qual se encontra também entrelaçado perfeitamente como a questão da identidade. Assim se faz necessário inserir nessas discussões o conceito de território como instrumento categórico que nos auxilia na compreensão da localização, dinâmica e aspectos da cultura dentro de uma espacialidade e suas inter-relações. Sua justificativa fundamenta-se no movimento acadêmico que há em novas reformulações do conceito de território e sua importância para o conhecimento enquanto estratégia no gerenciamento de políticas, a exemplo das políticas culturais. Assim torna-se necessário nesse jogo de aspirações, trabalhar com os conceitos de território, cultura e identidade e as dimensões que estes campos nos apresentam, e que são alvos de intensos debates por diferentes ciências para além das tônicas da ciência geográfica, ganhando assim novos contornos e trazendo em seu bojo uma complexidade e diversidade em suas múltiplas interfaces o que representa a impossibilidade de fixar uma definição, constituindo um amplo leque de diálogos e reflexões sobre o papel do território e os seus campos de investigação, como as manifestações culturais e sua significação. Como resultado, esta pesquisa buscou a compreensão do território enquanto conceito, dimensões simbólicas e suas correspondências a partir das referências analisadas, entre elas os postulados de Milton Santos e Claude Raffestin, na lógica de interpretação dos aspectos e efeitos do processo de globalização, de Hall com a questão das identidades, em Laraia as visões antropológicas, em Geertz a interpretação da cultura pelos seus significados e que nos auxilia a fugir de visões eurocêntricas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21665/2318-3888.v1n2p156-177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.