DISPUTAS IDENTITÁRIAS: PÓS-MODERNIDADE E TEORIA QUEER

Resumo

Neste artigo discorreremos sobre identidades de gênero, partindo da premissa que toda identidade é uma construção social e relacional e todo indivíduo é fragmentado e múltiplo.  Tomando como referência @s transgêneros como sujeit@s da pós-modernidade, iniciaremos com uma revisão bibliográfica para compreender como a mulher lidou historicamente com o patriarcalismo. Fazendo uma relação entre a construção do Ser mulher em uma relação de alteridade com o seu Outro, o homem, perceberemos como os discursos das instituições sociais as categorizavam com um grau de inferioridade, uma vez que por muito tempo foi nomeada e construída pelos discursos masculinos. Esse percurso de primeiro pensar a construção da mulher foi necessário para compreendermos como a população trans feminina lidou com a construção de suas identidades perante as relações de poder, em um debate a partir da teoria queer, refletindo como el@s tornaram-se sujeit@s “fora da norma” (abjetos) em uma sociedade constituída pelo viés da heteronormatividade.

 

 

Biografia do Autor

Cleber Souza Meneses, UFS

Mestre em Cultura e Sociedade (UFBA); Doutorando em Sociologia (UFS); Membro do GEPPIP.

Publicado
2017-09-12
Seção
Artigos