MOBILIDADE MBYÁ GUARANI: COSMOLOGIA E POLÍTICA COMO CATEGORIAS DE CONCEPÇÃO PARA A AUTODEMARCAÇÃO DA TERRA INDÍGENA TEKOÁ MIRIM

  • Fabio Martins UNESP/FCL Araraquara

Resumo

Pretende-se neste trabalho dar visibilidade às motivações sociocosmológicas que qualificam a dinâmica de deslocamento e ocupação espacial realizadas por um grupo Mbyá Guarani à Terra Indígena Tekoá Mirim. Além de também problematizar, de maneira complementar, alguns processos etnohistóricos que corroboram para a autenticidade desta autodemarcação territorial, posto, que os Guarani não só se encontram em permanente relação com a sociedade envolvente, como também concretizam a sua agência sobre ela, o que os torna atentos aos processos de mudanças que os afetam diretamente. Neste sentido, pretende-se evidenciar a luta dos Mbyá pela autodemarcação territorial e pelo direito de permanecer em sua terra, já que múltiplas instâncias do Estado passaram a considerá-los “invasores”, pretendendo deste modo, inviabilizar, política e institucionalmente, a manutenção indígena em sua própria territorialidade.

Referências

AZANHA, G.; LADEIRA, M. I. Os índios da serra do mar. São Paulo: Nova Stella, 1988.

BRASIL, Constituição Federal do Brasil. Disponível em: Acesso em: 25/02018.

C

LASTRES, H. A Terra sem mal. Trad: RIBEIRO, R. J. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1978.

CLASTRES, P. A Sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Trad: SANTIAGO, T. Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves, 1978.

_____. Crônica dos índios Guaiaky: o que sabem os Aché, caçadores

nômades do Paraguai. Trad: CAIAFA, J.;LIMA, T. S. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

IPHAN. Tava Miri São Miguel Arcanjo, sagrada aldeia de pedra: os Mbyá Guarani nas missões. Porto Alegre: Editora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2007.

LADEIRA, M. I. Mbya Tekoa: o nosso lugar. Revista São Paulo em Perspectiva, n 3, v. 4, Fundação SEADE, out-dez, 1989, pp. 53-61.

_____. Yvy Marãey: renovar o eterno. Revista Suplemento Antropologico, Universidad Catolica, Revista Del Centro de Estudios Antropologicos; homenaje a León Cadogan en el centenario de su nacimiento. nº1, v.2, pp. 94-111. Asunción, Paraguay, 1999.

_____. O Caminhar sob a Luz: território Mbyá à beira do oceano. São Paulo. Ed. UNESP/FAPESP. 2007.

MELIÀ, B. As Reduções Guaraníticas: uma Missão no Paraguai colonial. pp. 87-134. IN: SUESS, P. (Org.) Queimada e Semeadura: da conquista espiritual ao descobrimento de uma nova evangelização. Petrópolis: Ed. Vozes, 1988.

_____. A experiência religiosa Guarani. In: MARZAL, M. (Org.) O rosto índio de Deus. Trad: CLASEN, J. A. São Paulo: Ed. Vozes, 1989.

PISSOLATO, E. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani). São Paulo: Ed. UNESP, ISA; Rio de Janeiro: NuTI, 2007.

Publicado
2019-01-28
Seção
Artigos