A CONSTRUÇÃO DE PRÁTICAS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO–SE

  • Eduardo da Silva Melo Universidade Federal de Sergipe

Resumo

O presente estudo expõe a experiência dos facilitadores de círculos restaurativos, e os dados referentes às ações do Núcleo de Práticas de Justiça Restaurativa implantado em 2015 no Fórum da Comarca de Canindé de São Francisco, estado de Sergipe. O referido núcleo promove encontros restaurativos com adolescentes em conflito com a lei, seus familiares e/ou apoiadores, a comunidade e a Rede de Serviços e Defesa dos Direitos (quando houver necessidade) das Crianças e Adolescentes. O trabalho dos facilitadores tem por objetivo irradiar o conceito e as práticas restaurativas na reestruturação da sociedade, baseando-se na comunicação não-violenta. O núcleo realiza os círculos restaurativos com intuito de promover o diálogo e o consenso para a resolução pacífica de um dado conflito. Há alguns anos os voluntários que atuam no núcleo da comarca de Canindé vêm acumulando experiências que os projetam e ratificam sua participação efetiva em qualquer um dos modelos restaurativos existentes no país.

Biografia do Autor

Eduardo da Silva Melo, Universidade Federal de Sergipe

Servidor Público Municipal.

 

Bacharel em Serviço Social pela Universidade Tiradentes - UNIT.

 

Graduando em História pela Universidade Federal de Sergipe - UFS.

 

Pós-graduando em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci -  UNIASSELVI.

 

Facilitador do Núcleo de Práticas de Justiça Restaurativa da Comarca de Canindé de São Francisco – SE.

 

E-mail: eduardomelo.ser@hotmail.com.

Referências

BALDISSERA, Deolino Pedro. Serviço de escuta: manual de procedimentos. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BRANCHER, Leoberto; SILVA, Susiâni (Orgs). Justiça para o século 21: instituindo práticas restaurativas – semeando justiça e pacificando violências. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. Porto Alegre: Nova Prova, 2008.

CARVALHO, Leydjane Nunes. Relatório de gestão do núcleo. Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe. Comarca de Canindé de São Francisco. Digitado. Canindé/SE, 2018.

DAMIANI, Suzana; HANSEL, Cláudia Maria; QUADRO, Maria Suelena Pereira de. Cultura de paz: processo em construção. Caxias do Sul, RS: Educs, 2017.

FONSECA, Joana. Penso, logo existo. 2014. Oficina de Psicologia. Disponível em: https://oficinadepsicologia.com/penso-logo-existo/. Acesso em 25 abr. 2018.

MARQUES, José Roberto. O Que é empowerment e como funciona? 2015. Disponível em: http://www.jrmcoaching.com.br/blog/o-que-e-empowerment-e-como-funciona/. Acesso em: 27 abr. 2018.

MEC. Ministério da Educação. Especialistas indicam formas de combate a atos de intimidação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/47721-especialistas-indicam-formas-de-combate-a-atos-de-intimidacao. Acesso em: 26 abr. 2018.

MELO, Eduardo da Silva. Obras sociais democráticas: um pacto pela valorização da vida. In: SANTANA, Tinho (org.). 3º Encontro de Escritores Canindeenses e convidados. Seleta. Aracaju: Infographic, 2016.

OLIVEIRA, Poliana Reis de. Psicologia geral. Aracaju: UNIT, 2010.

ROSSI, Marcelo. Ágape. 2. ed. São Paulo: Globo, 2010.

ZEHR, Howard. Justiça restaurativa. São Paulo: Palas Athena, 2012.

Publicado
2019-01-28
Seção
Artigos