Não há nada fixo no cosmos: uma análise etnográfica de músicos de rua no centro do rio de janeiro

  • Vitor Rebello Ramos Mello Universidade Federal Fluminense

Resumo

A presente etnografia busca analisar a atuação de um grupo musical fluminense cuja principal fonte de renda são as apresentações em praças públicas, sobretudo, da região central da cidade. As reflexões aqui propostas são fruto de duas visitas a campo, nas quais foi possível entrevistar e observar o trabalho destes músicos, bem como de sua relação com o público. Consultou-se também vídeos e áudios dos mesmos na internet, no sentido de complementar o material recolhido previamente no campo. Além da descrição do grupo e de suas apresentações, as mesmas foram interpretadas sob a ótica gennepiana dos “ritos de passagem”, de modo a compreendê-las como eventos que transformam brevemente os espaços e o tempo onde ocorrem. Nesta transformação “ritualística”, a fruição musical ocorreria no ambíguo momento da “liminaridade”, no qual os músicos estabeleceriam uma conexão não habitual com o espaço público e, consequentemente, atrairiam pessoas em condições de liminaridade.

Biografia do Autor

Vitor Rebello Ramos Mello, Universidade Federal Fluminense
Licenciado em Letras (português-francês) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Mestre em Memória Social pelo Programa de Pós-Graduação em Memória Social. Atualmente cursa a Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Atua como professor de Língua Portuguesa na rede estadual de educação (RJ).

Referências

BRASIL. Política nacional para inclusão social da população em situação de rua. Brasília/ DF. 2008. Disponível em http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_civel/acoes_afirmativas/Pol.Nacional-Morad.Rua.pdf. Acesso em 25 de junho de 2017.

Brecht, Bertolt. “Vida de Galileu”. In: Teatro completo, em 12 volumes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

CARUSO, Haydée. “A ordem e a desordem de ontem e hoje: notas etnográficas sobre a polícia na Lapa carioca”. In: Civitas: Revista de Ciências Sociais. Porto Alegre, v.15, nº 1, p. 68-83, jan-mar. 2015.

COSMOS, uma odisseia no espaço tempo: Episódio 4: Um céu cheio de fantasmas. Produção: Cosmos Studios. Apresentação: TYSON, Neil deGrasse. 2014. Série audiovisual on line. Disponível em: https://www.netflix.com/watch/80004601?trackId=13589554. Acesso em 23 de junho de 2017.

DA MATTA, Roberto. “Apresentação”. In VAN GENNEP, Arnold: Os ritos de passagem: estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, ordenação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc. Petrópolis: Vozes, 2011.

______. “O ofício do etnólogo, ou como ter anthropological blues”. In: NUNES, Edson Oliveira. A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1978.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo: ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Lisboa: Edições 70. [s/d].

GONÇALVES, Luciana. “Os espetáculos de rua do Largo da Carioca como ritos de passagem”. In: TRAVASSOS, Elisabeth (org.): Revista do IPHAN. Rio de Janeiro, nº 28, 1999.

HERSCHMANN, Micael. “Apontamentos sobre o crescimento do Carnaval de rua do Rio de Janeiro no início do século 21”. In: Intercom – RBCC. São Paulo, v.36, n.2, p. 267-289, jul./dez. 2013.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. “O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever”. In: Revista de Antropologia. São Paulo, USP, v. 39, nº 1, 1996.

VELHO, Gilberto. “Observando o familiar”. In: Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro. Zahar, 1981.

Publicado
2020-06-15
Seção
Etnografia