Publicação de conteúdos digitais por crianças em processo de letramento, utilizando os recursos do YouTube

uma reflexão necessária.

Palavras-chave: Mediação da Informação e do Conhecimento, Linguagens midiáticas digitais, Crianças YouTube, YouTube

Resumo

Analisa a publicação de conteúdos digitais no YouTube por crianças, sob a ótica da apropriação de informações, conhecimentos e técnicas, com criação, disseminação e fidelização de conteúdos. Sob essa perspectiva, é possível considerar que as crianças iniciam a construção de seus esquemas de conhecimento acerca da realidade fora da escola de forma autônoma e que a interação proporcionada pelo site YouTube ajuda nessa
construção. Torna-se necessária a reflexão sobre os benefícios e cuidados com a interação da criança nas redes sociais, que são espaços virtuais onde as vivências necessitam de acompanhamento nas faixas etárias mais tenras. Essas estratégias de produção e disseminação de conhecimentos pelas crianças são passíveis de aproveitamento em sua escolarização, principalmente no letramento, domínio da comunicação e expressão falada
e escrita. Por fim, a infância é momento de prazer e brincadeira, e a produção infantil não pode correr o risco de se converter em atividade laboral, perdendo seu potencial lúdico e formacional, por finalidades comerciais hegemônicas.

Biografia do Autor

Thiago Vasconcellos Modenesi, Universidade Guararapes (UNIFG)

Doutor em Educação Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente da Universidade Guararapes
(UNIFG). 

Fabiana Maria da Silva, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Mestra em Inovação e Desenvolvimento, pelo Centro Universitários dos Guararapes UNIFG. Especialista em Docência no Ensino Superior, pelo Centro Universitário Maurício de Nassau; e Pedagoga pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE.  

Referências

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 18 abr. 2020.
BRASIL, Ministério da Justiça. Manual da nova Classificação Indicativa. Brasília: Secretaria Nacional de Justiça, 2006. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seusdireitos/classificacao/manual-da-nova-classificacao-indicativa.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.
BURGESS, Jean. YouTube e a Revolução Digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.
CASTELLS. M; CARDOSO. G. A Sociedade em Rede: do conhecimento à acção política. Lisboa: Casa da Moeda, 2005.
COSTA, Rogério. 2005. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, Inteligência Coletiva. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.17, p.235-48, mar./ago. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v9n17/v9n17a03.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.
CRESTANI, Fulvia Zonaro. Entre o livro e o youtube há um filme: uma experiência transmidiática de consumo por alunos em sua formação leitora. 2016. 120 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) Programa de Pós-Graduação Mestrado em Comunicação, Universidade Anhembi-Morumbi. São Paulo, 2016. Disponível em: http://sitios.anhembi.br/tedesimplificado/handle/TEDE/1642. Acesso em: 18 abr. 2020.
FERNANDES, Elora Raad. A proteção de dados de crianças e adolescentes no Brasil: um estudo de caso do YouTube. 2019. 99 f. Dissertação (Mestrado em Direito) Faculdade de Direito, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019. Disponível em: http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/10246/6/eloraraadfernandes.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
GIBSON, W. Neuromancer. São Paulo: Aleph, 1984.
KARIM, Jawed. Me at the zoo. 2005. (18s). Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=jNQXAC9IVRw. Acesso em: 18 abr. 2020.
KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2012.
KÖHLE, Erika Christina. A aprendizagem da escrita no Ensino Fundamental II com o auxílio de suportes digitais. 2016. 207 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de PósGraduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Marília, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/148028/kohle_ec_me_mar.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 18 abr. 2020.
LEVY, P. Cibercultura. 3.ed. São Paulo: Editora 34, 2010.
MATTAR, J. Web 2.0 e Redes Sociais na Educação. São Paulo: Artesanato Educacional, 2013.
MENEGON, Erika Nogueira. Imagens e narrativas midiáticas: análise dos vídeos do YouTube. 2013. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista UNESP, Marília, 2013. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/91181/menegon_en_me_mar.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 18 abr. 2020.
MONTEIRO, Maria Claudia, Sidou. Apropriação por crianças da publicidade em canais de youtubers brasileiros: a promoção do consumo no YouTube através da publicidade de experiência. 2018. 333 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/189071/001087498.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 18 abr. 2020.
MOTA, Gersivalda Mendonça. Possibilidades de uso do site de rede social YouTube na educação básica em Itabaiana-SE. 2018. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS). São Cristóvão, 2018. Disponível em: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/9006/2/GERSIVALDA_MENDONCA_MOTA.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.
QUINTIAN, Kandice Van Gról. Youtubers mirins: crianças, práticas de consumo midiático e produção audiovisual no contexto digital. 2018. 143 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/178626/001064816.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 18 abr. 2020.
SANTAELLA, Lucia. Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp. Campinas, p.1-10, 2013. Disponível em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/...abril2013/NMES_1.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.
TV RECORD. As crianças YouTubers que pararam a Internet. Domingo Espetacular. São Paulo: TV Record, 6 de março de 2016. 1 vídeo (8:36 min.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=gdpHlpdjpgY. Acesso em: 18 abr. 2020.
VEEN, W.; VRAKKING, B. Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009. 141 p.
YOUTUBE. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2020. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=YouTube&oldid=58372466. Acesso em: 18 abr. 2020.
ZABALA, Antoni. A Prática Educativa: Como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2020-11-11