Literatura infantil e hipertextualidade

aproximações possíveis a partir da sequenciação narrativa

Palavras-chave: Leitura, Literária Infantil, Narrativa Sequencial, Formação do Leitor Literário

Resumo

As narrativas destinadas ao público infantil valem-se de encadeamentos sequenciais de imagens para contar suas histórias, podendo ser compreendidas, portanto, como manifestação de arte sequencial. Nessa perspectiva, a proposta em questão traz uma breve análise sobre a linguagem sincrética que compõe a sequência narrativa dos textos literários destinados ao público infantil. Dessa forma, os componentes não verbais que constituem a sequência dos textos sincréticos da literatura infantil extrapolam o lugar comum do ornamento lúdico, tornando-se instrumentos de apropriação e socialização da leitura literária e, por conseguinte, do letramento literário. A fim de esclarecer essas questões, adotou-se um enfoque qualitativo, de caráter exploratório, perpassando por revisão teórica. A ludicidade conferida pela estrutura sincrética e hipertextual do texto infantil ajusta-se ao cunho social e cultural ao qual uma obra pertence, inserindo o leitor, desde a tenra idade, no diálogo com o texto literário, possibilitando-lhe a formação enquanto leitor de literatura.

Biografia do Autor

Penha Élida Ghiotto Tuão Ramos, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF

Doutoranda em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF.
Mestre em Cognição e Linguagem pela UENF (2015). LATTES ID: http://lattes.cnpq.br/6233081353479239.

 

Analice de Oliveira Martins, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Doutora em Estudos de Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Mestre em Letras
(Literatura Comparada) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. LATTES ID: http://lattes.cnpq.br/8966420075110672.

Referências

BARBOSA, Pedro. O Computador como Máquina Semiótica. Ciberscópio.net. Coimbra, Projeto Coimbra: uma cidade viva, maio 2003. Disponível em: https://poex.net/pdfs/clit_06.pdf. Acesso em 21 fev. 2020.
BELINKY, Tatiana. Dez sacizinhos. Ilustrações de Roberto Weigand. 6. ed. São Paulo: Paulinas, 2007.
CARARO, Aryane Beatryz. Livros digitais infantis: narrativa e leitura na era do tablet. 2014. 185 f. Dissertação (Mestrado em Estética e História da Arte). Programa de Pós-Graduação
Interunidades Estética e História da Arte, Universidade de São Paulo, SP. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/93/93131/tde-21122014-204710/publico/Livro_digital.pdf. Acesso em Acesso em 21 fev. 2020.
CARVALHO, Diógenes Aires de. Literatura infanto-juvenil: diálogos entre a cultura impressa e a cibercultura. Desenredo: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da
Universidade de Passo Fundo. v. 6 - n. 2 - p. 154-169 - jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2020.
COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Editora Ática, 1993.
COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria a prática. São Paulo: Contexto, 2006.
FÁVERO, Leonor Lopes; KOCH, Ingedore G. Villaça. Linguística textual: uma introdução. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2000.
FRANCO, Blandina; LOLLO, José Carlos. Quem soltou o PUM? [livro digital]. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2011.
FIDÉLIS, Ana Cláudia; COSSON, Rildo. Os (des) caminhos da literatura no Ensino Médio. In: MARTINI, Marcus de (org.); OLIVEIRA, Raquel Trentin (org.); FILIPPE, Renata Farias de (org.). Literatura na escola: teoria, prática e (in) disciplina. Santa Maria: UFSM/PPGLEditores, 2016. p. 53-71. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2020.
HAYLES, N. Katherine. Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. São Paulo: Global, 2009.
LAJOLO, Marisa. (2013). O livro digital infantil e juvenil. Revista Emília. 28 de agosto de 2013. Disponível em: https://revistaemilia.com.br/o-livro-digital-infantil-e-juvenil/. Acesso em: 21 fev. 2020.
LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: história & histórias. 6. ed. São Paulo: Ática, 1999.
MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos. Hipertexto e gêneros digitais. 2 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.
NIKOLAJEVA, Maria; SCOTT, Carole B. Livro Ilustrado: Palavras e Imagens. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
PERROT, Jean. (2002). Os livros-vivos franceses. Um novo paraíso cultural para nossos amiguinhos, os leitores infantis. In: KISHIMOTO, Tzuko Morchida (org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. p. 33-53.
ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
SANTAELLA, Lúcia. (2014). Gêneros discursivos híbridos na era da hipermídia. Bakhtiniana. Bakhtiniana, São Paulo, v. 9, n. 2, ago./dez. 2014. p. 206-216. Disponível em:
. Acesso em 21 fev. 2020.
TEIXEIRA, Lucia; FARIA, Karla; SOUSA, Silvia. Textos multimodais na aula de português: metodologia de leitura. Desenredo. jul./dez. 2014. p. 314-336. Disponível em:
. Acesso em: 03 Mar. 2017.
VILLAÇA, Nízia. Impresso ou eletrônico: um trajeto de leitura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.
WALTY, Ivete Lara Camargos; FONSECA, Maria Nazareth Soares; CURY, Maria Zilda Ferreira. Palavra e imagem: leituras cruzadas. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
WEIGAND, Roberto. Dez sacizinhos. Prêmio Jabuti. Roberto Weigand Ilustração, 2011. Disponível em: . Acesso
em: 21 fev. 2020.
Publicado
2020-11-11