O pioneirismo do jornalismo em quadrinhos no Brasil

reconstituição do "crime da mala" por Horácio Hora

Palavras-chave: História em Quadrinhos, Reportagem Jornalística - HQ

Resumo

No Brasil, desde o séc. XIX, a prática da reconstituição gráfico-sequencial de fatos e crimes já era procedimento comum no jornalismo, utilizando-se experimentalmente de recursos narrativos ainda em desenvolvimento. Um de seus pioneiros brasileiros foi o artista plástico e colunista jornalístico sergipano Horácio Hora. Mediante o referencial ainda imaturo da época, Hora consegue produzir uma história em quadrinhos complexa e detalhada reconstituindo o chamado "Crime da Mala". O impacto social e comunicacional da publicação de sua reconstituição criminal influenciou todo o jornalismo e também a criminologia brasileira a partir da década de 1880. O elevado nível do trabalho de Horácio Hora elevou o status da ilustração jornalística à fonte de informação histórica e social no Brasil. Como efeito mais atual, a legislação brasileira instituiu o cargo de desenhista técnico pericial, assim como a grande maioria dos veículos de comunicação brasileiros conta com quadrinhistas em suas equipes, para garantir a informação fidedigna e inteligível aos seus leitores, em narrativas quadrinhísticas e infográficos.

Biografia do Autor

Glêyse Santos Santana, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestra em Sociologia pelo Núcleo de Pós-Graduação em Sociologia UFS (2011). Doutoranda em Letras pelo
Programa de Pós-Graduação em Letras UFS. Vice-Lider do Grupo PLENA. LATTES ID:
http://lattes.cnpq.br/1337213092549885. 

Valéria Aparecida Bari, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Doutora em Ciência da Informação (USP). Líder do Grupo PLENA, Membro da ASPAS.  LATTES ID: http://lattes.cnpq.br/0106962520738975. 

Referências

BARI, Valéria Aparecida. O potencial das histórias em quadrinhos na formação de leitores. 2008. 420 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Escola de Comunicações e Artes,
Universidade de São Paulo (ECA/USP), São Paulo, 2008. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-27042009-121512/publico/1937466.pdf. Acesso em 25 abr. 2020.
BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2008.
BRANCO, Vitorino Prata Castelo Branco. Criminologia: biológica, sociológica e mesológica. São Paulo: Sugestões Literárias, 1980.
BRASIL, Casa Civil. Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941. (Código de Processo Penal Brasileiro). Brasília: Presidência da República, 2007. Disponível em:
. Acesso em 01/05/2015.
BRASIL, Casa Civil. Lei no 12.030, de 17 de setembro de 2009. (Lei da Perícia Criminal). Brasília: Presidência da República, 2009. Disponível em:
. Acesso em 01/05/2015.
Criminalista. In: UOL Notícias. 26/08/2010. Disponível em: xoqueocasoisabelladizcriminalista.htm>, acesso em 01/05/2015.
DUTRA, Antônio Aristides Corrêa. Quadrinhos e jornal: uma correspondência biunívoca. 1º Encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho - Mídia Brasileira: dois séculos de história.
Anais... 1 a 3 de julho de 2003, p.2-23.
GOES, Balthazar. O Pintor Sergipano Horácio Hora. Aracaju: Tipografia Do Estado de Sergipe, 1901.
HORÁCIO PINTO DA HORA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2013. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Hor%C3%A1cio_Pinto_da_Hora&oldid=36564298. Acesso em: 24/05/2015.
JORNAL O NOVO. Editoria Região. Estão abertas as inscrições para desenhistas periciais no Estado de São Paulo. Itajobi: s.c.p., 04 de abril de 2014. Disponível em: . Acesso em 02/05/2015.
MENDONÇA, Márcia. Ciência em Quadrinhos: imagem e texto em cartilhas educativas. Recife: Bargaço, 2010. (Coleção Teses).
SANTOS, Neverton da Cruz. Memória em imagens: o caso Pontes Visgueiro em ilustração. 2012. 120 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia/Bacharelado) - Universidade Federal de Sergipe (UFS), Laranjeiras
Publicado
2020-11-11