O regime de informação inserido na Revolução Industrial 4.0

impactos sobre os trabalhadores e clientes do setor bancário

  • Thiago Vasconcellos Modenesi Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Juliana Gonçalves de Araújo Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Jão Paulo Lima e Silva
Palavras-chave: Revolução Industrial 4.0, Tecnologia da Informação, Regime de Informação

Resumo

A quarta fase da Revolução Industrial destaca-se pelo avanço da tecnologia e uso da inteligência artificial. Em relação ao reflexo dessas mudanças sobre os trabalhadores, destaca-se o setor bancário, que ao longo dos últimos anos promoveu volume considerável de demissões à medida que a tecnologia avançou. Assim, este estudo busca analisar a percepção de funcionários de bancos da Região Metropolitana do Recife e do Sindicato dos Bancários de Pernambuco. Para isso, foi realizada coleta em bases de dados, considerando o período de 2008 a 2018 e da realização de entrevistas semiestruturadas conduzidas aos funcionários do setor bancário da Região Metropolitana do Recife e do Sindicato dos Bancários. Foram constatados os reflexos negativos da Revolução 4.0 no setor do bancário, sendo os principais pontos destacados: o aumento do número de desemprego, a extinção de cargos e setores, aumento na pressão sobre os trabalhadores e da carga de trabalho. No que se refere aos aspectos positivos, a inclusão dos clientes nativos da era digital e aos que se adaptaram.

Biografia do Autor

Thiago Vasconcellos Modenesi, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutor em Educação pela UFPE (2015). LATTES ID: http://lattes.cnpq.br/4178512160955697. ORCID
ID: https://orcid.org/0000-0002-8628-0300.

Juliana Gonçalves de Araújo, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutora em Administração Finanças pela UFPE (2017). LATTES ID:
http://lattes.cnpq.br/7097215751391849. ORCID ID: https://orcid.org/0000-0003-2677-4357.

Jão Paulo Lima e Silva

Mestre em Inovação e Desenvolvimento pela UNIFG (2019). Currículo disponível em:
https://1drv.ms/b/s!Am_ecmkszuvMg8g6uGo648Gli1PetQ.

Referências

ACCORSI, André. O banco do futuro: perspectivas e desafios. Revista de Administração, São Paulo, v.49, n.1, p.205-216, jan. 2014.
ALLEN, Robert C. The British Industrial Revolution in global perspective: How commerce created the Industrial Revolution and modern economic growth. Working paper Nuffield College. University of Oxford, 2006.
AMORIM FILHO, Reginaldo Freitas de, et al. Avalia o da qualidade em servi os banc rios: um estudo de caso em bancos comerciais. In: XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODU O, 2015, Fortaleza. Perspectivas Globais para a
Engenharia de Produ o. Avaliable at: http://cev.org.br/eventos/xxxv-encontro- nacional-de-engenharia-de-producao/. Access in: set. 20 2019.
BARDIN, L. An lise de Conte do. Editora: Presses Universitaires de France, 1977. Lisboa, Portugal; Edi es 70, 2011.
BASTOS, S. Daniel. O Direito Subsistância em Xeque: A Formação do Pensamento. Liberal Britânico e sua Relação com a Lei dos Pobres. Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica. Niterói i. 2017. Avaliable at:
http://www.abphe.org.br/uploads/ABPHE%202017/24%20O%20Direito%20%C3%A0%20Subsist%C3%AAncia%20em%20Xeque%20A%20Forma%C3%A7%C3%A3o%20do%20Pensamento%20Liberal%20Brit%C3%A2nico%20e%20sua%20Rela%C3%A7%C3%A3o%20com%20a%20Lei%20dos%20Pobres.pdf. Access in: set. 20 2019.
BATALHA, Claudio. A historiografia da classe operária no Brasil: Trajetórias e tendências.In: FREITAS, MARCOS CEZAR (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998.
BAYGIN, M. et al. An Effect Analysis of Industry 4.0 to Higher Education. 2016 15th International Conference on Information Technology Based Higher Education and Training (ITHET), p. 1-4, 2016. Avaliable at: https://www.semanticscholar.org/paper/An-effect-analysis-of-industry-4.0-to-higher-BayginYetis/31e4e28e1c5b1f56ae84ad8962854821f77720eb. Access in: set. 20 2019.
BEZERRA, Emy Porto; SILVA, Zayr Cláudio Gomes da; GUIMARÃES, Ítalo José Bastos;
SOUZA, Edivânio Duarte de. Regime de Informação: abordagens conceituais e aplicações práticas. Em Questão, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 60-86, maio/ago. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.19132/1808-5245222.60-86.
BRYNJOLFSSON, Erik e MCAFEE, Andrew. A Segunda Era das M quinas, Alta Books. Edição. 2015.
BRYNJOLFSSON, ERIK; MCAFEE, ANDREW. MIT Race against the machine: how the digital revolution is accelerating innovation, driving productivity, and irreversibly transforming employment and the economy, Library of Congress, 2011. Avaliable at:
http://b1ca250e5ed661ccf2f1-da4c182123f5956a3d22aa43eb816232.r10.cf1.rackcdn.com/contentItem-5422867-40675649-ew37tmdujwhnj-or.pdf. Access in: set. 20 2019.
CAMARGO, Patricia Olga. A evolução recente do setor bancário no Brasil, São Paulo: UNESP, 2009, p. 322.
CÂNDIDO FILHO, J. O Movimento Operário: O Sindicato e o Partido, 1 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1982.
CANÊDO, Letícia Bicalho. A Revolução Industrial, 3a ed. Editora Atual, 1987.
CARVALHO, Joaquim Francisco de. A gênese da bomba. Estudos Avançados, v. l.29 n. 84, 2015. p.197-208.
CEOLIN, George Francisco. Crise do capital, precariza o do trabalho e impactos no Serviço Social. Servi o Social e Sociedade, S o Paulo, n. 118, p. 239-264, abr./jun. 2014.
CIMOLI, Maria, Dosi, Giovanni e Stiglitz, Joseph. E. Industrial policy and development. The political economy of capabilities accumulation. Journal of Economics, n. 105, v.3, p. 285-287, 2011.
COGGIOLA, Osvaldo. Os In cios das Organizações dos Trabalhadores. Marília. Revista Aurora, v. 3, n. 2, 2010. Avaliable at: http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/Aurora/2%20COGGIOLA.pdf. Access in: set. 20 2019.
COSTA, Carlos Roberto Marinho da; Costa, Silvana do Ros rio Menino da. Proteção Social Estatal: das leis Elizabetanas ao Welfare State. VIII Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2017. Avaliable at: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2017/pdfs/eixo3/aprotecaosocialestataldasleiselizabetanasaowelfarestate.pdf. Access in: set. 20 2019
DIEESE. Saldo de Empregos no Setor Bancário janeiro a maio de 2017. Análise do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho. Avaliable at: https://www.bancariosdf.com.br/site/images/stories/pdf/peb-janeiro-a-setembro-de-2017.pdf. Access in: set. 20 2019.
D'OLIVEIRA, Rafael. Inovações vão transformar o mercado de trabalho até 2020, Edição do Brasil, 26 de novembro de 2016. Avaliable at: http://edicaodobrasil.com.br/2016/11/26/7-milhoes-de-empregos-devem-ser-substituidos-por-tecnologias/. Access in: set. 20 2019.
ERNST & YOUNG. Building a better working world. 2018. Avaliable at: https://www.ey.com/br/pt/SearchResults?SRT_F=&SRT_O=&ACT=&Page=&CF=&LF=&FILTER=&DF=&IF=&SF=&FF=&query=intelig%C3%AAncia+artificial&search_options=country_nam Access in: set. 20 2019.
FARIA JÚNIOR, João Adelino. D' Paula F. Eficiência no Setor Bancário Brasileiro: A Experiência Recente das Fusões e Aquisições (Anpec), 2006, Salvador. Anais. 2006, p.20.
FEBRABAN - Federa o Brasileira de Bancos. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2014. Capital Intelectual Strategy & Transformação Digital em Bancos. Avaliable at: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Pesquisa%20FEBRABAN%20de%20Tecnologia%20Bancaria%202014.pdf. Access in: set. 20 2019.
FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2017. Capital Intelectual Strategy & Transforma o Digital em Bancos. Avaliableat: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Pesquisa%20FEBRABAN%20de%20Tecnologia%20Banc%C3%A1ria%202017_final.pdf. Access in: set. 20. 2019.
FONSECA, Cléuzio. Filho. História da Computação: o caminho do pensamento e da tecnologia. Porto Alegre: Edipucrs, 2007.
FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL. The Future of Jobs - Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution. 2016. Avaliable at: https://ec.europa.eu/epale/en/resource-centre/content/future-jobs-employment-skills-and-
workforce-strategy-fourth-industrial. Access in: set. 20 2019.
FURTADO, CELSO. Formação Econômica do Brasil. - 32. ed. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional. 2005. Avaliable at: ttp://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/autores/Furtado,%20Celso/Celso%20Furtado%20-
%20Forma%C3%A7%C3%A3o%20Econ%C3%B4mica%20do%20Brasil.pdf. Access in: set. 2019.
GARBEE, Elizabeth; MAYNARD, Andrew. The future of personal satellite technology is here are we ready for it? 2016. Avaliable at: https://www.apnews.com/4d9f862b750c4efd8bd61a4177838fc7. Access in: set. 20 2019.
GORKI, Máximo. Mãe. Rio de Janeiro. 3 ed., Editora: Americana, 1975.
HOBSBAWN, Erick J. A Era das Revoluções, 23 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1981.
IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e quest o social. S o Paulo: Cortez, 2007.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estat stica. Senso 2017. Avaliable at: https://www.ibge.gov.br/ Access in: set. 20 2019.
JORGENSON, D. W.; VU, K. Information Technology and the World Growth Resurgence. German Economic Review, v. 8, n. 2, p. 125-145, 2007.
KUHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo, Ateliê Editorial: Fapesp: Secretaria da Cultura, 1998. Avaliable at: https://books.google.com.br/books?
id=dXBcjKgVWPwC&pg=PA225&dq=revolu%C3%A7%C3%A3o+industrial+inglaterra&hl=ptBR&sa=X&ved=0ahUKEwjOpovZ9JLaAhUITZAKHTL9CRkQ6AEIJzAA#v=onepage&q=revolu%C3%A7%C3%A3o%20industrial%20inglaterra&f=false. Access in: set. 20 2019.
LANDES, David S. Prometeu desacorrentado: Transformações tecnológicas e desenvolvimento industrial na Europa ocidental, de 1750 at os dias de hoje. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
LICKING, Ellen; EVANS, James; Bean Aaron. When the human body is the biggest data platform, who will capture value? Progressions Life Sciences 4.0: Securing value through data-driven platforms, 2017.
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2017.
MARX, KARL. Elementos fundamentales para la crítica de la economia política; grundrisse - Vol. 2. 11. ed. México: Siglo Veintiuno, 1987.
MELO, Raimundo Simões de, 2008. Qual o papel dos Sindicatos na 4a Revoluçao Industrial? Disponível em: http://www.afbnb.com.br/qual-o-papel-dos-sindicatos-na-4a-revolucao-industrial. Access in: set. 20 2019.
MATTOS, Antônio Carlos. Empregos e empresas que mudarão com a internet. RAE - Revista de Administra o de Empresas. v.39, n.3, setembro, 1999.
MINAYO, Meireles Cecília; SANCHES, Odécio. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Caderno de Sáude de Pública. n.9, v. 3, p. 239-262, 1993.
NEGRI, Barjas. A indústria brasileira de equipamentos para o setor produtor de açúcar e álcool: Um estudo de oligopólio. Revista de Economia Política, v.1, n.3, 1981.
NEGRI, Barjas. Um estudo de caso da indústria nacional de equipamentos: Análise do grupo Dedini (1920-1975). Piracicaba, SP. Equilíbrio: Instituto Histórico e Geográfico. 2010, 212p. Avaliable at: http://www.ihgp.org.br/wp-content/uploads/2014/09/Estudos-de-Caso- da-Industria-Nacional-de-Equipamentos-2010.pdf. Access in: set. 20 2019.
PERASSO, Valéria. O que a 4a revolução industrial - e como ela deve afetar nossas vidas? 2016. Avaliable at: http://www.bbc.com/portuguese/geral-37658309. Access in: set. 20 set. 2019.
PEREIRA, JOSÉ PACHECO. A origem do movimento operário no Porto: as associações mutualistas, 1850-1870. Análise Social, n. 17. v.65, p.135-151, 1981.
PÉREZ, Carlota. Revoluciones tecnológicas y capital financiero: la dinâmica de las grandes burbujas financieras y las pocas de bonanza. México: Siglo XXI, 2004.
PÉREZ, Carlota. Technological revolution and fi nancial capital: the dynamics of bubbles and golden ages. Cheltenham: Edward Elgar, 2002.
POLANY, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro, Campos, 2000.
RECUERO, Raquel. C. A internet e a nova revolução na comunicação mundial. 2000. Dissertação (Mestrado em Comunica o Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Pelotas, 2000.
RODRIGUES, Vivian Machado. Tecnologias 4.0 nos bancos e os impactos no emprego bancário. Revista ciências do trabalho, n.09, p.65-80, 2017.
SCHAFF, Adam. A Sociedade informática. São Paulo: Editora da UNESP e Brasiliense, 1990.
SCHAFF, Adam. A Sociedade Informática: as consequências sociais na segunda revolução industrial. Tradução de Carlos Eduardo Jordão Machado e Luiz Arturo Obojes. 4a ed., São Paulo: Editora da UNESP: Brasiliense, 1995.
SCHWAB, Klaus. A quarta Revolução Industrial. São Paulo: EDIPRO, 2016.
SILVA, Juliana Lemos; NAVARRO, Vera Lucia. Organização do trabalho e saúde de trabalhadores bancários. Revista Latino-Americana. Enfermagem v.20, n.2, Ribeirão Preto, 2012.
VARELLA, Janine Maranhão de Campiello. A motivação e o significado do trabalho de bancários: estudo comparativo entre dois momentos do processo de reestruturação produtiva. 2006. 171 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.
VELOSO, Raphael de Mello; SHIMODA, Eduardo; SHIMOYA, Aldo; COSTA, Helder Gomes. Qualidade em serviços bancários: um estudo bibliométrico. Revista Científica Likania, v.5, n.1, p.52-69, 2015
Publicado
2022-04-18