A inclassificação nas histórias em quadrinhos do Programa Nacional Biblioteca da Escola

problemas no acesso à leitura e práticas pedagógicas

  • Raul Felipe Silva Rodrigues Universidade Estadual Paulista - UNESP
Palavras-chave: Leitura, Histórias em Quadrinhos, Biblioteca Escolar, Quadrinhos escolares

Resumo

A inclassificação das histórias em quadrinhos escolares, ou seja, das obras adotadas pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), se configura como uma estratégia para lidar com a diversidade no ambiente escolar. Ao evitar tratar dos conteúdos e sua mediação, como proposto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e sob a metodologia proposta pela Classificação Indicativa do Ministério da Justiça (CI), a política pública torna complexa a prática pedagógica a partir dos quadrinhos, além de responsabilizar o professor pela interpretação, aplicação e debate, sem lhe fornecer informações especializadas. A questão da ausência das pessoas bibliotecárias nas equipes multidisciplinares, além da lacuna das Bibliotecas Escolares, que claramente não são apenas acervos, mas ambientes de ação cultural e prática leitora, as questões da prática pedagógica se complicam. O que demonstra, no caso dos artefatos culturais analisados, a participação da inclassificação como uma estratégia exercida através de relações de poder na constituição do sujeito escolar para a sociedade. Daí a urgência para que esses e outros artefatos culturais pedagógicos sejam observados por especialistas e mediadores de leitura, geridos, criticados, desconstruídos e problematizados.

Biografia do Autor

Raul Felipe Silva Rodrigues, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutorando em Arte Educação pela UNESP (2022). Mestre em Educação pela UFS (2021) LATTES ID:
http://lattes.cnpq.br/5647207398674275. ORCID ID: https://orcid.org/0000-0003-1471-1877.

Referências

AIZEN, Naumin. Adolfo Aizen: um pioneiro dos quadrinhos no Brasil. Catálogo da exposição, UERJ. Rio de Janeiro, 7 a 29 de novembro de 1991.
BRASIL, Ministério da Justiça e Segurança Pública. Portaria nº 1.189, de 3 de agosto de 2018: Regulamenta o processo de classificação indicativa. Available at: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/35518982/do1-2018-08-06-portaria-n-1-189-de-3-de-agosto-de-2018-35518938. Access in: set. 28, 2018.
BRASIL, Ministério da Justiça. Portaria no. 368, de 11 de fevereiro de 2014: Regulamenta as disposições da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, da Lei no 10.359, de 27 de dezembro de 2001, e da Lei no 12.485 de 12 de setembro de 2011, relativas ao processo de classificação indicativa. Brasília: Ministério da Justiça, 2014. Available at: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/classificacao/legislacao/portaria-mj-368-14.pdf/view. Accessin: set. 28, 2018.
BRASIL, Secretaria Nacional de Justiça. Classificação indicativa: guia prático. Ministério da Justiça, 3ªedição, Brasília, 2018. Available at: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/classificacao/guia-pratico/classind-guia-pratico-de-audiovisual-3o-ed.pdf . Access in: mar. 10, 2021.
BRASIL, Secretaria Nacional de Justiça. Guia Prático da Classificação Indicativa, 4ª. edição. Brasília: Ministério da Justiça, 2012. Available at: https://www.gov.br/mj/pt-br/assuntos/seus-
direitos/classificacao-1/paginas-classificacao-indicativa/guia-de-classificacao. Access in: mar. 10, 2022.
BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília:1996. Disponível em: Acesso em: fev. 2017.
BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, Estatuto da criança e do adolescente e legislação correlata [recurso eletrônico]. 12. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível em: Acesso em: nov. 2017.
BRASIL. Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: 2002. Disponível em: Acesso em: jan. 2017.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. 2017. Disponível em: Acesso em: jun. 2017.
CASALI, Jéssica Pereira; GONÇALVES, Josiane Peres. Pós-estruturalismo: algumas considerações sobre esse movimento do pensamento. REDD Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 10, n. 2, p. 84-92, 2018.
CEDRAS, Antonio Luiz Ramos. A Turma do Xaxado. Salvador: Ed. e Estúdio Cedraz, 2006.
DU GAY, Paul et al. Doing Cultural Studies: The story of the Sony Walkman. London, Sage. 1997
ELLSWORTH, E. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema, uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
FRANCO, Edgar Silveira et al. HQtronicas: do suporte papel a rede Internet. São Paulo: Annablume, 2001.
GONZALES, Fernando. Níquel Náusea: tédio no chiqueiro. São Paulo: Devir, 2006.
LUYTEN, Sonia Maria Bibe. O que é história em quadrinhos. Brasiliense, 1985.
NASCIMENTO, Vanessa Yamaguti do. A efetivação dos quadrinhos no PNBE (2006-2014): da caixa ao leitor. 2018. 213 p. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2018.
RIBEIRO, Estevão. Os passarinhos e outros bichos. São Paulo: Balão Editorial, 2011.
RODRIGUES, Raul Felipe Silva. Diversidades no jogo de inclassificação dos quadrinhos escolares. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2021. 105 f.
ZIRALDO. A turma do Pererê: coisas do coração. 2 ed. São Paulo: Globo, 2009
Publicado
2022-04-19