A CONVULSÃO POLÍTICA EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: QUAL O LUGAR DE UMA PERSPECTIVA AFRICANA?

  • Augusto Nascimento Investigador com agregação do Centro de História da Universidade de Lisboa, colaborador do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL e do Instituto de História Contemporânea da UNL.

Resumo

Neste texto1, intento pôr em diálogo a atual situação política em São Tomé e Príncipe e as possíveis abordagens analíticas e políticas dessa situação. Para isso, em primeiro lugar, exporei uma síntese da evolução política no arquipélago, desde há anos passível de ser adivinhada por quem interpretasse as mutações sociais e culturais entre os são-tomenses como indícios da espiral da perda da capacidade de determinação do seu futuro. Diga-se, finalizo este texto nos dias em que se edifica uma situação autoritária, iniludivelmente contra elementares princípios democráticos e, lamentam alguns são-tomenses, ao jeito de uma governação conforme à (quiçá, impropriamente apodada) tradição africana. Em segundo lugar, sopesando a pertinência política e social de um saber particular – para alguns, desejável ou esperançosamente africano ou sãotomense –, perguntarei se e como tal saber pode contribuir para a equação e resolução dos cruciantes problemas do arquipélago.
Publicado
2018-11-12