A ÚLTIMA ONDA: Identidade Neopentecostal e seu caráter histórico.

  • Pedro André de Sousa Peixoto Universidade Federal de Sergipe.
  • Aurelina Fernanda de Andrade Morais Instituto Federal da Bahia.
Palavras-chave: Neopentecostalismo, Pentecostalismo clássico, Protestantismo, proximidades identitárias, distanciamentos identitários.

Resumo

A perspectiva do historiador compreende o Neopentecostalismo como fenômeno histórico, portanto imbricado de historicidade. Tal perspectiva concorda com as noções contemporâneas sobre identidade, de que esta não é estática, mas mutável de acordo com as relações vivenciadas em contextos sociais. Assim embasada, prossegue a análise do Neopentecostalismo por meio dos atributos identitários elencados por sociológicos e teológicos. Os atributos trazidos por sociólogos como o misticismo e o anti-intelectualismo, também são encontrados em movimentos anteriores do Pentecostalismo clássico, a isto chamamos de proximidades identitárias. As características trazidas por teólogos como a descrença na suficiência da bíblia e o foco na satisfação terrena, divergem do pensamento protestante, a isso chamamos de distanciamentos identitários. Os distanciamentos identitários se somam às proximidades para melhor identificar o fenômeno neopentecostal. Finalmente, esse é visto como ápice de um movimento histórico, enquanto atual última onda ou momento do Pentecostalismo e máximo antagonismo ao Protestantismo dentro do campo evangélico.

Biografia do Autor

Pedro André de Sousa Peixoto, Universidade Federal de Sergipe.
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em História (PROHIS) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduado em História pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Especialista em Metodologia de Ensino de História (UNIASSELVI). Especialista em Metodologia de Ensino de Filosofia e Sociologia (UNIASSELVI).
Aurelina Fernanda de Andrade Morais, Instituto Federal da Bahia.
Pedagoga do Instituto Federal da Bahia (IFBA). Especialista em Psicopedagogia Clínico Institucional pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI).

Referências

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o conceito de cultura. Tradução de Paulo Gabriel Hilo da Rocha Pinto. Antropolítica, Niterói, p. 15-30, 2005.

BÍBLIA. Tradução de João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada. Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

BERGER, Peter; ZIJDERVELD, Anton. Os muitos deuses da modernidade in: Em favor da dúvida: como ter convicções sem se tornar fanático. Tradução de Cristina Yamagami. Rio de Janeiro: Elvevier, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Gênese e Estrutura do Campo Religioso in: A Economia das Trocas Simbólicas. 1ª reimpr. da 6ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

DEYOUNG, Kevin. A santificação é Monergística ou Sinergista? Uma análise reformada. Tradução: Henderson Fonteneles. Disponível em: <https://www.thegospelcoalition.org/blogs/kevin-deyoung/is-sanctification-monergistic-or-synergistic-a-reformed-survey/>. Visualizado em 22/02/2018.

MATOS, Alderi Souza. O movimento pentecostal: reflexões a propósito do seu primeiro centenário. Fides Reformata XI, Nº 2, p. 23-50, 2006

MENDONÇA, Antonio Gouvêa. O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas. Revista USP, São Paulo, n.67, p. 48-67, setembro/novembro 2005

MORAES, Gerson Leite. Neopentecostalismo - um conceito obstáculo na compreensão do subcampo religioso pentecostal brasileiro. Revista de Estudos da Religião, São Paulo, p. 1-19, junho 2010.

PASSOS, João Décio. Teogonias Urbanas: os pentecostais na passagem do rural ao urbano. São Paulo em perspectiva. 2000.

PEIXOTO, Pedro. Quem eles pensam que são? Identidade calvinista no Brasil contemporâneo. 2019.

PEIXOTO, Pedro; SILVA, Sheyla. Ventos antigos sopram no Brasil recente: a expansão do Novo Calvinismo entre evangélicos brasileiros por meio da Internet (2008-2017). 2018.

VARGENS, Renato. Reforma Agora: O antídoto para a confusão evangélica no Brasil. 1ª ed. Editora Fiel, 2013.

WESTMINSTER. Confissão de fé de Westminster. 17ª ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2008.

Publicado
2021-02-02