DIVERGÊNCIAS CONVERGENTES

ANÁLISE DOS EMBATES HISTORIOGRÁFICOS ENTRE ANTON BLOK E ERIC HOBSBAWM ACERCA DO BANDITISMO SOCIAL

Resumo

Este artigo busca evidenciar o embate entre dois pesquisadores que durante sua carreira analisaram o fenômeno da revolta social em sociedades rurais. Eric Hobsbawm assumiu uma visão globalizante acerca dos fenômenos banditistas e buscou elaborar um conceito que unia os diferentes grupos bandidos ao redor do mundo. Anton Blok, por outro lado, os observou tanto como um mecanismo de manutenção da ordem existente quanto uma prática alinhada a ideologia dominante. O confronto travado pelos cientistas foi frutífero aos estudos das revoltas camponesas, estabelecendo limites teóricos e servindo como referências àqueles que buscam comparar sociedades distintas ou entender as representações acerca de grupos marginalizados. Nesse sentido, este trabalho apresentará ambas as visões acerca do Banditismo Social, expondo o debate traçado entre os autores e propondo um encontro entre suas teorias.

Biografia do Autor

Vitor Nunes da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Graduando em História pela Universidade Federal de Sergipe, bolsista de Iniciação Científica financiado pelo CNPq  entre os anos de 2020-2021  vinculado ao projeto de pesquisa Idade Média e Contemporaneidade: um estudo comparativo-historiográfico sobre o conceito de banditismo e dominação senhorial (PID9065-2020) e integrante do Dominium: Estudos sobre Sociedades Senhoriais (CNPq-UFS) Lattes: http://lattes.cnpq.br/8238234427135527

Bruno Gonçalves Alvaro, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Docente do Departamento de História, do Programa de Pós-Graduação em História e do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Sergipe. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1120760031001055

Publicado
2022-09-17