O ESPAÇO-TEMPO REPRESENTADO EM A MISTERIOSA CHAMA DA RAINHA LOANA, DE UMBERTO ECO

THE SPACE-TIME REPRESENTED IN A MYSTERIOUS FLAME OF THE QUEEN LOANA, OF UMBERTO ECO

  • Déborah Garson CABRAL PPGEL/FCLAr/UNESP - Araraquara/SP

Resumo

RESUMO: O presente artigo visa tratar dos aspectos da memória e sua relação com o espaço em A misteriosa chama da rainha Loana, romance de Umberto Eco escrito em 2004. A partir dos estudos sobre o cronotopo, termo cunhado por Bakhtin, e suas relações com o espaço da memória criado pelo autor do romance citado, buscaremos fazer uma análise, nos pautando pelos escritos de Freud e Halbwachs, acerca da perda da memória e os espaços pelos quais o protagonista caminhará em busca de resgatar essa memória perdida, percorrendo os “palácios da memória” na tentativa de reconstruir sua própria identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Memória. Identidade. Cronotopo.

      

ABSTRACT: The present article analyzes the aspects of memory and its relation with space in A misteriosa chama da rainha Lorna (The Mysterious Flame of Queen Lorna), a novel written by Umberto Eco in 2004. From the studies of cronotopo, term coined by Bakhtin, and its relations to the space of memory created by the author of the cited novel, we seek to analyze it guided by the writings of Freud and Halbwachs on the loss of memory and the spaces whereby the protagonist will walk in the search of this lost memory, covering the “memory palaces” in the attempt of resbuild his own identity.

KEYWORDS: Memory. Identity. Chronotope.

Referências

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1955.

BAKHTIN, M. Formas de tempo e de cronotopo no romance – ensaios de poética histórica. In: ______. Questões de literatura e estética – a teoria do romance. São Paulo: Unesp, 1998.

BARTH, John. The literature of exhaustion. The Atlantic, August 1967, v. 220, n. 2, p. 29-34.

BASTIAENSEN, Michel. La cascina della memoria: a proposito de La misteriosa fiamma della regina Loana di Umberto Eco. In: Tempo e memoria nella lingua e nella letteratura italiana: atti del XVII Congresso A.I.P.I., Ascoli Piceno, 22-26 agosto 2006 – Cività italiana. Bruxelles: Associazione Internazionale Professori d’Italiano, 2009.

BRAIT, B. (Org.). Bakhtin. Conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução de Claudia Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

ECO, Umberto. A memória vegetal e outros escritos sobre bibliofilia. Rio de Janeiro: Record, 2010.

______. A misteriosa chama da Rainha Loana. Rio de Janeiro: Record, 2005.

FOSTER, H. O retorno do real. In: ______. Concinnitas. Rio de Janeiro, ano 6, vol 1, n. 8, julho 2005.

FREUD, Sigmund. O estranho, 1919. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XVII. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 233-270.

______. Uma nota sobre o bloco mágico. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

GIORDANO, Emilio. Una memoria di carta: alla ricerca della regina Loana. In: Tempo e memoria nella lingua e nella letteratura italiana: atti del XVII Congresso A.I.P.I., Ascoli Piceno, 22-26 agosto 2006 – Cività italiana. Bruxelles: Associazione Internazionale Professori d’Italiano, 2009.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice, 1990.

OSTERWOLD, T. Pop art. Colônia: Taschen, 2013.

SANTOS, Lilian Braga dos. Sobre a memória em Freud: uma introdução. In: Língua, literatura e ensino. Campinas, v. 3, maio/2008, p.491-497.

SQUAROTTI, Giorgio Bárberi (Org.). Literatura italiana: linhas, problemas, autores. São Paulo: EDUSP, 1989.

YATES, Frances. A arte da memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

Publicado
2019-03-17