ABUSOS DA MEMÓRIA EM K. - RELATO DE UMA BUSCA

ABUSES OF MEMORY IN K. - RELATO DE UMA BUSCA

  • Rosalia Rita Evaldt PIROLLI CAPES/UFPR - Curitiba/PR

Resumo

RESUMO: Cinquenta anos após o Golpe Militar, esse período anti-democrático de nossa história nacional ainda apresenta numerosas lacunas, sobretudo em relação ao destino dos desaparecidos políticos. As marcas herdadas desse período são ainda profundas e incômodas e é desse material que Bernardo Kucinski se vale para escrever K. - Relato de uma Busca (2011). Nesse artigo, iremos propor uma análise desse romance com base no quadro teórico sobre o novo romance histórico e na fenomenologia da memória de Ricœur (2010). Dessa forma, procuraremos compreender como se articulam o plano da vida individual e o plano histórico e os abusos de memória (memória impedida, manipulada e obrigada) decorrentes dessa articulação.

PALAVRAS-CHAVE: Memória. Ficção histórica. Ditadura Militar.

      

ABSTRACT: Fifth years after the Military Coup, this antidemocratic period still has several gaps, especially regarding the disappeared political activists. The taint of this historic moment has been until now deep and uncomfortable and this is the Bernardo Kucinski's source for writing K. (2011). In this paper, we propose an analysis of this novel based on the theoretical model on the New Historical Novel and Ricœur's phenomenology of memory (2010). We'll seek to understand not only how the historical and the individual level are connected but also the abuses of memory (the constraint memory, the manipulated memory and the obliged memory) resulting from this relation.

KEYWORDS: Memory. Historical fiction. Military dictatorship.

Referências

ANDERSON, P. Trajetos de uma forma literária. Novos Estudos. São Paulo, n. 77, 2007, p. 205-220.

CARNEIRO, F. No país do presente: Ficção brasileira no início do século XXI. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 2005, 338 p.

ESTEVES, A. O romance histórico brasileiro no final do século XX: quatro leituras. Letras de hoje. Porto Alegre, v. 42, n. 4. dez. 2007, p.114-136.

GENETTE, J. Epigraphs. In: ______. Paratexts: thresholds of interpretation. Cambridge University Press: Cambridge, 1997, 427 p.

HUTCHEON, L. Poética do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Imago, 1991, 330 p.

JAMESON, F. O romance histórico ainda é possível? Novos Estudos. São Paulo, n. 77, 2007, p. 185-203.

KUCINSKI, B. K. Relato de uma busca. São Paulo: Cosac Naify, 2014, 192 p.

LE GOFF, J. Memória. In: ______. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

MENTON, S. La nueva novela histórica de la América Latina 1979-1992. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1993.

RESENDE, B. A Literatura brasileira na era da multiplicidade. In: ______. Contemporâneos: Expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavra / Biblioteca Nacional, 2008.

RICŒUR, P. O bom uso das feridas da memória. In: Les résistances sur le Plateau Vivarais-Lignon (1938-1945): Témoins, témoignages et lieux de mémoires. Les oubliés de l'histoire parle. Edition du Roure, 2005. Tradução [anônima] disponível em: <http://www.uc.pt/fluc/lif/publicacoes/textos_disponiveis_online/pdf/o_bom_uso_das_feridas_da_memoria>. Acesso em: 23 de julho de 2014.

______. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2010, 536 p.

WEINHARDT, M. O romance histórico na ficção brasileira recente. In: CORREA, R. (Org.) Nem fruta, nem flor. Londrina: Humanidades, 2006, p. 131-172.

______. Outros palimpsestos: ficção e história - 2001-2010. Literatura: crítica comparada. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária PREC – UFPel, 2011a, p. 205–220.

______. Romance histórico: das origens escocesas ao Brasil finissecular. In: ______. (Org.) Ficção histórica: teoria e crítica. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2011b, p. 13-55.

______. A memória ficcionalizada em Heranças e Leite Derramado: rastros, apagamentos e negociações, Matraga, Rio de Janeiro, v. 19, n.31, jul./dez, 2012, p. 245-264.

Publicado
2019-03-21