ENTREVISTA COM PAULO FRANCHETTI

  • Leonardo Vicente VIVALDO AFARP/UNIESP - Ribeirão Preto/SP

Resumo

Apresentação:

Paulo Elias Allane Franchetti (1954) é natural de Matão-SP (cidade em que aprendeu, além do gosto pela literatura, o milenar jogo de xadrez: Franchetti chegou a  ser campeão municipal da modalidade em 1974 e defendeu a equipe matonense de xadrez nos Jogos Regionais do Interior de São Paulo na década de 70 – a equipe se consagraria medalha de ouro em três oportunidades: 71, 74 e 75). Professor titular de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp (2004) e diretor chefe da Editora Unicamp (2002-2013), sua produção crítica possui, dentre outros títulos: Alguns aspectos da teoria da poesia concreta (1989); Haikai – antologia e história (1999) – que é, em língua portuguesa, uma das obras fundamentais sobre o clássico poema japonês; Nostalgia, exílio e  melancolia — Leituras de  Camilo Pessanha (2001)  e Estudos de Literatura Brasileira e Portuguesa (2007). Contudo, mais recentemente, tem se destacado, sobretudo, pela sua produção literária. Além da novela O sangue dos dias transparentes (2002), finalista do prêmio Portugal Telecom, os livros de poesia Memória Futura (2010), também finalista do Portugal Telecom; Oeste (2008), livro de haicais; Escarnho (2009) e Deste Lugar (2012), vem mostrando um poeta extremamente versátil: do lirismo mais sutil, fruto das esperanças e  desilusões do cotidiano e do tempo; passando pelos contemplativos haikais e pelos corrosivos poemas satíricos.

Publicado
2019-03-24