<p><b>A TRAJETÓRIA POÉTICA EM GUIMARÃES ROSA</b></p><p><b>THE POETIC TRAJECTORY IN GUIMARÃES ROSA</b></p>

Resumo

RESUMO: A ficção de Guimarães Rosa (1908-1967) redimensiona o lugar da poesia ao afirmá-la como locus por excelência de realização do ser. Assim, a presença do lirismo emerge como uma constante, em maior ou menor grau, desde o aparecimento de Sagarana até as póstumas Estas estórias e Ave palavra. Pretende-se, com este estudo, rastrear, ainda que de forma preliminar, a lírica na prosa rosiana, apontando seu aparecimento ao longo da obra do autor mineiro. Para tanto, utilizaremos os seguintes teóricos: Friedrich (1978), Bernardinelli (2007), Heidegger (1995), Rosenfeld (2015), além dos estudiosos de G. Rosa tais como Leonel (2000), Coelho (2013) e Nunes (2000).

PALAVRAS-CHAVE: Lirismo. Prosa. Guimarães Rosa.

 

ABSTRACT: The fiction of Guimarães Rosa (1908-1967) reshapes the place of poetry by affirming it as the locus par excellence for the realization of being. Thus, the presence of lyricism emerges as a constant, to a greater or lesser extent, from the appearance of Sagarana to the posthumous Estas estórias and Ave palavra. It is intended, with this paper, to trace, albeit in a preliminary way, the lyric in rosy prose, pointing out its appearance throughout the work of the mining author. For this, we will use the following theorists: Friedrich (1978), Bernardinelli (2007), Heidegger (1995), Rosenfeld (2015), and G. Rosa scholars such as Leonel (2000), Coelho (2013), and Nunes (2000).

KEYWORDS: Lyricism. Prose. Guimarães Rosa.

Biografia do Autor

João Paulo Santos SILVA, Letras - PPGL/UFS
Doutorando em Letras Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (PPGL/UFS). E-mail: joo.pauloxxi@hotmail.com. ORCID https://orcid.org/0000-0002-2816-1274.

Referências

BERARDINELLI, Alfonso. Da poesia à prosa. Trad. Maurício Santana Dias. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

BOSI, Alfredo. João Guimarães Rosa. In: ______. História concisa da literatura brasileira. 44. ed. São Paulo: Cultrix, 2007. p. 428-434.

COELHO, Nelly Novaes. Guimarães Rosa e a tendência regionalista. In: O modernismo.

Affonso Ávila (org.). 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013. (Stylus; 1)

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. Trad. Marise M. Curioni. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

HEIDEGGER, Martin. Língua de tradição e língua técnica. Trad. Mário Botas. ed. 1. Lisboa: Vega, 1995.

LEONEL, Maria Célia. Guimarães Rosa: Magma e gênese da obra. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

NUNES, Benedito. Heidegger e a poesia. Natureza Humana, São Paulo, n. 1, v. 2, p. 103- 127, jun, 2000. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151724302000000100004. Acesso em: 22 de junho de 2019.

ROSA, João Guimarães. João Guimarães Rosa: ficção completa. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

______. Sagarana. 1. ed. São Paulo: Global, 2019.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: Texto/Contexto I. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015. (Debates; 7/dirigida por J. Guinsburg).

Publicado
2019-09-17