HERMES-FONTES E AS FILIAÇÕES POSSÍVEIS: UM ROMÂNTICO TARDIO?

Resumo

A produção poética do sergipano Hermes-Fontes (1888-1930) ficou marcada tanto pelo seu louvor inicial, quanto por certo esquecimento posterior. Sua filiação estética ao Simbolismo, e a íntima relação desse, em terras brasileiras, com o Parnasianismo, inimigo direto do incipiente Modernismo de então, parece ter composto um cenário propício para o gradativo julgamento negativo da poesia de Hermes-Fontes no início do século XX. Contudo, para além de tais hipóteses, sugerimos uma outra – em consonância com o espírito sincrético do Pré-Modernismo: os vestígios de certas prerrogativas (neo)românticas em sua poesia, ao mesmo tempo que terminaram por afastá-lo dos consagrados círculos literários de sua época, possibilitou o surgimento de uma poesia não apenas singular, mas profunda – e, sobretudo, que ainda precisa ser (re)descoberta pela academia.

PALAVRAS-CHAVE: Romantismo, Simbolismo, Parnasianismo, Pré-Modernismo, Hermes-Fontes.

Biografia do Autor

Leonardo Vicente VIVALDO, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutor pelo programa de Estudos Literários da Faculdade de Ciências e Letras – UNESP – Araraquara – SP.

Referências

ANDRADE, Fernando Santos. Sinais, a raiz de um problema: por uma história do suicídio de Hermes Fontes nas cartas à família (1903 – 1930). Disponível em <https://bit.ly/33ddtNb> e acessado em 01 de jul. de 2020.

ANDRADE, Mário. Carta aberta a Alberto de Oliveira. In: MARQUES, Ivan. Modernismo em revista. Estética e ideologia nos periódicos dos anos 1920. Rio de Janeiro, Casa da Palavra, 2013.

ALENCAR, José. Iracema – Lenda do Ceará. 1ªed. São Paulo: PanaPaná Editora, 2017.

BOSI, Alfredo. A Literatura Brasileira – O Pré-Modernismo. São Paulo: Editora Cultrix, 1966.

CANDIDO, Antonio; CASTELLO, José Aderaldo. Presença da literatura brasileira – do Romantismo ao Simbolismo. São Paulo: Difel, 1978.

CARPEAUX, Otto Maria. Pequena bibliografia crítica da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura e Saúde, 1953.

CAVALCANTI, Carlos Povina. Hermes Fontes: Vida e Poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1964.

COSTA, Renata Ferreira; SÁ, José Douglas Felix de. O espólio epistolar de Hermes Fontes: considerações e proposta de edição. Disponível em <https://bit.ly/310l9ja> e acessado em 01 de jul. de 2020.

FONTES, Hermes. Despertar!. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos, Editor, 1922.

______. Lâmpada Velada. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1922.

______. A Fonte da Mata. Rio de Janeiro: Papelaria Brasil, 1930.

FRANCHETTI, Paulo. As aves que aqui gorjeiam: a poesia brasileira do Romantismo ao Simbolismo. In ______. Estudos de Literatura Brasileira e Portuguesa. Cotia, São Paulo:

Ateliê Editorial, 2007.

GOÉS, Fernando. Panorama da Poesia Brasileira, vol. IV. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1959.

LEITE, Dante Moreira. Romantismo e Nacionalismo. In ______. O amor romântico e outros temas. 2ª Ed. ampl. São Paulo: Ed. Nacional: Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

MEDINA, Maria Fonseca. Cartas de Hermes Fontes: angústia e ternura. Aracaju: Gráfica Editora J. Andrade, 2006.

MURICY, Andrade. Panorama da Poesia Simbolista Brasileira. Rio de Janeiro, Departamento de Imprensa Nacional, 1987.

PAZ, Octávio. Os filhos do barro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

PEREIRA, José Carlos Seabra. Tempo neorromântico: contributo para o estudo das relações entre literatura e sociedade no primeiro quartel do século XX. Análise Social, Coimbra: vol. XIX, 1983. Disponível em: <https://bit.ly/30eAZrk> e acessado em 7 jul. 2020.

Publicado
2020-11-10