A PROMOÇÃO DAS LÍNGUAS, A IDEOLOGIA DA PADRONIZAÇÃO E SEUS EFEITOS SOBRE O TALIAN

Resumo

Neste artigo, procuramos discutir as ações de promoção do talian e da identidade linguística e cultural que se busca atrelar a ele, com o intuito de perceber em que medida essas ações representam de fato os sujeitos envolvidos com essa língua. O talian é falado por descendentes de imigrantes italianos, foi reconhecido pelo IPHAN como Referência Cultural Brasileira e foi cooficializado em diversos municípios do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Nossa base teórica se fundamenta em ideais sobre o multiculturalismo (KUBOTA, 2004), a ideologia da língua padrão (MILROY, 2011), a língua como hipóstase (BAGNO, 2011) e a invenção das tradições (HOBSBAWM, 1997). Nosso corpus é composto por leis de patrimonialização e cooficialização de línguas. Buscamos compreender quais os conceitos de língua que estão presentes nessa esfera jurídica e que fundamentam certas políticas de promoção de uma dada língua e cultura “italianas”. Acreditamos que as políticas linguísticas em torno do talian, que em princípio têm como objetivo a preservação da uma cultura e de uma identidade, acabam por vezes caindo no paradigma da normatização e transformando a língua em artefato.

Palavras-chave: Talian. Políticas Linguísticas. Normatização. Cooficialização. Patrimonialização.

Biografia do Autor

Renata SANTOS, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC / Escola Sarapiquá

Mestra em Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Docente de Língua Portuguesa da Escola Sarapiquá.

Ana Cláudia Fabre ELTERMANN, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Mestra em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior–Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001.

Referências

AZEVEDO, Liliam. Entre babel e babilônia: formas de discursivização e políticas linguística. Working Papers em Linguística, v. 16, n. 2, 2015.

BAGNO, Marcos. O que é uma língua? Imaginário, ciência & hipótese. In: LAGARES, Xoán; BAGNO, Marcos. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

CAMPOS, Cynthia M. A política da língua na era Vargas: proibições do falar alemão e resistências no Sul do Brasil. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2006.

GONÇALVES, Patrícia A. De Babel a Pandora: crise, cultura e identidade no multilinguismo italiano. In: LAGARES, Xoán; BAGNO, Marcos. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. 7ª ed. Trad. Maria Celia Paoli e Anna Maria Quirino. São Paulo: Paz e terra, 2016.

IPHAN (Brasil). Comissão Técnica do Inventário Nacional da Diversidade Linguística. Certidão do Talian. Brasília, 10 de novembro de 2014. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Certidao_%20Talian.pdf. Acesso em: 30 de abril de 2020.

KUBOTA, Ryuko. Critical multiculturalism and second language education. In: NORTON, Bonny; TOOHEY, Kelleen. Critical pedagogies and language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

MAKONI, Busi; MAKONI, Sinfree; MASHIRI, Pedzisai. Naming practices and language planning in Zimbabwe. Current Issues in Language Planning, v. 8, n. 3, p. 437-467.

MAKONI, Sinfree; MEINHOF, Ulrike. Linguística aplicada na África: desconstruindo a noção de “língua”. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. (Lingua[gem]; v. 19).

MILROY, James. Ideologias linguísticas e as consequências da padronização. In: LAGARES, Xoán; BAGNO, Marcos. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

MOMBELLI, Raquel. Mi soi talian gracia a dio: identidade étnica e separatismo no oeste catarinense. 1996. 158 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.

OTTO, Claricia. Avanti, cari connaionali! Tentativas de construção da italianidade em Santa Catarina. In: Esboços. Florianópolis, v.10, n. 10, pp. 119-134, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/391/9857. Acesso em: 30 abr. 2020.

PEREIRA, Giovana Ribeiro. Quando língua é patrimônio? Políticas de patrimônio e de promoção da diversidade linguística no contexto do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). Dissertação (Mestrado Profissional) Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, p. 122, 2017.

POSSAMAI, Paulo César. Voando com o leão alado de São Marcos: a invenção do talian no Rio Grande do Sul. In: História em Revista, Pelotas, 115-134, v. 16, dez./2010.

RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 13.178, de 10 de junho de 2009. Declara integrante do patrimônio histórico e cultural do Estado o dialeto Talian, originado dos italianos e descendentes radicados no Rio Grande do Sul. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/13.178.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

SANTA CATARINA. Lei nº 14.951, de 11 de novembro de 2009. Declara integrante do patrimônio histórico e cultural do estado o dialeto “talian”, originado dos italianos e descendentes radicados em Santa Catarina. Disponível em: https://leisestaduais.com.br/sc/lei-ordinaria-n-14951-2009-santa-catarina-consolida-as-leis-que-dispoem-sobre-o-patrimonio-cultural-do-estado-de-santa-catarina. Acesso em: 30 abr. 2020.

SERAFINA CORRÊA. Lei nº 2615, de 13 de novembro de 2009. Dispõe sobre a co-oficialização da língua do talian - vêneto brasileiro, à língua portuguesa, no município de Serafina Corrêa. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/rs/s/serafina-correa/lei-ordinaria/2009/262/2615/lei-ordinaria-n-2615-2009-dispoe-sobre-a-co-oficializacao-da-lingua-do-talian-veneto-brasileiro-a-lingua-portuguesa-no-municipio-de-serafina-correa-rs. Acesso em: 30 abr. 2020.

TRENTO, Angelo. Do outro lado do atlântico. Um século de imigração italiana no sul do Brasil. Trad. Maria Rosário Fabris (capítulos 2 a 5), Eduardo Brandão (capítulos 1, 6, 7). São Paulo: Nobel; Instituto Italiano di Cultura di San Paolo; Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1989.

Publicado
2020-12-30
Seção
Políticas linguísticas: visão panorâmica