“MUITOS COMÉRCIOS [...] PEDEM QUE A ATENDENTE SAIBA FALAR ALEMÃO”: O CONTEXTO DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE EM POMERODE/SC

Resumo

O presente estudo discute acerca de um contexto bi/multilíngue de língua em situação minoritária, a língua brasileira de imigração alemã falada em Pomerode, Santa Catarina. Objetiva-se refletir sobre a educação bilíngue (português/alemão) na rede pública municipal de Pomerode, SC, e sua relação com políticas de educação linguística. Por meio de um estudo de caso, realizou-se uma entrevista semiestruturada com uma professora alfabetizadora da segunda escola bilíngue de Pomerode, que acompanhou a implementação do projeto Sala bilíngue – língua portuguesa/língua alemã desde 2009 até os dias atuais (2020). As reflexões sinalizam para o valor das línguas em um mercado linguístico unificado e, por conseguinte, para as diferentes formas que a educação bilíngue pode ser encarada na comunidade: ora como problema, ora como direito.

Palavras-chave: Educação Bilíngue. Língua Brasileira de Imigração. Política Linguística.

Biografia do Autor

Luana EWALD, Universidade Federal de Santa Catarina - UNIEDU/UFSC

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Acadêmica em nível de Doutorado, do Programa de Pós-Graduação em Linguística, da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Bolsista pelo Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina (UNIEDU).

Referências

ALTENHOFEN, Cléo Vislcon. Migrações e contatos linguísticos na perspectiva da geolinguística pluridimensional e contatual. Revista de Letras Norte@mentos: Revista eletrônica de Estudos Linguísticos e Literários do curso de Letras e do Núcleo Manuel Cavalcanti Proença / UNEMAT. Juara v. 6, n. 12, p. 31-52, jul./dez. 2013.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1998.

CAVALCANTI, Marilda do Couto. Estudos Sobre Educação Bilíngüe e Escolarização em Contextos de Minorias Lingüisticas no Brasil. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada / PUC-SP. São Paulo, vol.15, special issue, 1999.

DUFF, Patricia. Case study research. In: CHAPELLE, C. The Encyclopedia of Applied Linguistics. Hoboken: Wiley-Blackwell, 2012. p. 1-8.

FÁVERI, Marlene de. Memórias de uma (outra) guerra: cotidiano e medo durante a Segunda Guerra em Santa Catarina. Itajaí: Ed. Univali; Florianópolis: Ed. da UFSC, 2004.

GROSJEAN, François. The bilingual as a competent but specific speaker-hearer. In: CRUZ-FERREIRA, M. Multilingual Norms. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2010. p. 19-31.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10 ed. Rio de Janeiro: DP&CA, 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico: cidades e Estados – Pomerode, código: 4213203, 2019.

IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística. Lista de línguas cooficiais em municípios brasileiros. Florianópolis, 2017. Disponível em http://ipol.org.br/lista-de-linguas-cooficiais-em-municipios-brasileiros/. Acesso em: 01 jan. 2020.

LAGARES, Xoán Carlos. Qual política linguística? Desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

LÓPEZ, Luis Enrique. Desconexiones entre retórica y práctica en la educación intercultural bilingue indígena em latinoamérica. In: NICOLAIDES, Christine.; SILVA, Kleber Aparecido; TILIO, Rogério; ROCHA, Claudia Hilsdorf (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 135-180.

LUNA, José Marcelo Freitas de. O Português na Escola Alemã de Blumenau: da formação a extinção de uma prática. Itajaí: Ed. da Univalli e Ed. da Furb, 2000.

MAAS, Scheila. Rais Aus, Die Polatzai Komm!: Os sentidos da língua alemã no ensino em Pomerode-SC. 2010. 95f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau.

MAHER, Terezinha Machado. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngüe e intercultural. In: CAVALCANTI, Marilda do Couto; BORTONI-RICARDO, Stella Maris. (Orgs.) Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

MORELLO, Rosângela. Censos nacionais e perspectivas políticas para as línguas brasileiras. REBEP: Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 431-439, 2016.

OLIVEIRA, Gilvan Müller. Prefácio. In: CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. Tradução: Isabel de Oliveira Duarte; Jonas Tenfen; Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL, 2007.

SILVEIRA, Ana Paula Kuczmynda da. Escolas bilíngues em região de imigração: o caso de Pomerode/SC. RAbralin: Revista da Abralin, ligada à Associação Brasileira de Linguística. Curitiba, v. 9, n. 1, p. 41-71, jan./jun. 2010.

SPIESS, Viviane Beckert. Discursos sobre ensino bilíngue em contexto intercultural: as vozes das famílias. 2014. 139 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau.

VOVIO, Claudia Lemos; GRANDE, Paula Baracat de. O que dizem as educadoras sobre si: construções indenitárias e formação docente. In: VOVIO, Claudia; SITO, Luanda; GRANDE, Paula de (Orgs). Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisas em linguística aplicada. Campina, SP: Mercado de Letras, 2010. pp. 51-70.

Publicado
2020-12-30
Seção
Políticas linguísticas: visão panorâmica