POLÍTICAS PÚBLICO-LINGUÍSTICAS EM PUBLICIDADE SOBRE VIH-SIDA PARA O CONTEXTO “RURAL” ANGOLANO

Resumo

A avaliação da utilização das línguas nacionais nas diversas esferas da sociedade angolana aponta para um grande afastamento, silenciamento, marginalização dos falantes dessas línguas promovendo a exclusão linguístico-social, o que influencia no alto índice de expansão do VIH-SIDA nas áreas rurais. O aumento de seropositivos no território nacional, principalmente em áreas em que os indivíduos falam a língua nacional e as propagandas publicitárias da doença são feitas na/em língua portuguesa, favorece uma franja da sociedade em detrimento da outra. O artigo objetiva analisar a relevância de políticas públicas e linguísticas voltadas à utilização das línguas nacionais nas propagandas publicitárias sobre a prevenção do VIH-SIDA em Angola. O estudo está ancorado em revisão bibliográfica, tendo foco em relatórios sobre a doença, políticas públicas e linguísticas embasado nas perspectivas teóricas de PENC-VIH-SIDA (2006), PENR/ITS-VIH/SIDA 2015 – 2018 (2014), Teixeira (2002); Gianezini, Barretto et al. (2017); Bernardo (2018), (2019), Severo, Sitoe et al. (2014), Severo, Makoni (2015), entre outros. Da análise evidenciou-se que a diversidade linguística angolana exige a adopção de propagandas publicitárias e educação sexual para as áreas fronteiriças e rurais em línguas nacionais, visto que a tradução de uma língua para a outra anula elementos linguístico-culturais e ideológicos que reverberam uma comuindade.

Palavras-chave: VIH-SIDA. Políticas Públicas. Políticas Linguísticas. Exclusão.

Biografia do Autor

Ezequiel Pedro José BERNARDO, Instituto Superior de Ciências da Educação - ISCED/Cabinda

Ezequiel Pedro José Bernardo, possui graduação em Língua e Literatura em Língua Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto (2013), mestrado em Sociolinguística e Dialectologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2018). Professor assistente do Instituto Superior de Ciências da Educação - Cabinda (ISCED), rege e lecciona as disciplinas de Sociolinguística; Psicolinguística; Seminário de Especialização e acompanha as Práticas Pedagógicas II. Chefe de Repartição do Departamento de Ensino e Investigação em Língua Portuguesa desde 2016. Tem desenvolvido pesquisas ligadas a políticas linguísticas-educativas em contextos multilíngues e pós-colonial; variação linguística e sistema de ensino; políticas públicas e linguística no sistema de saúde, de justiça; línguas como factor de inclusão e ou exclusão; língua e cultura na perspectiva da produção de enunciados proverbiais. Parecerista de artigos científicos e prémio. Membro do grupo de Políticas Linguísticas Críticas da Universidade Federal de Santa Catarina. Membro da Acção Linguagem em cena – Debatendo Pesquisa e Ensino da Universidade Federal de Catalão.

Referências

ANGOLA. Constituição da República. Luanda: Imprensa Nacional, 2010.

______. Lei sobre o Vírus da Imunodeficiência Humana – HIV e Síndroma de Imunodeficiência Adquirida – SIDA, Lei 8/04, de 1 de Novembro. Luanda: Assembleia Nacional, 2004.

______. Plano Estratégico Nacional para o Controlo das Infecções de Transmissão Sexual, VIH e SIDA 2007-2010. Instituto Nacional de Luta contra a SIDA. Luanda: MINSA, 2006.

______. V Plano Estratégico Nacional de Resposta às ITS/VIH-SIDA e Hepatites Virais - Angola 2015 – 2018. Instituto Nacional de Luta contra a SIDA. Luanda: MINSA, 2014.

______. Relatório Nacional Consolidado da Avaliação do Ambiente Jurídico em Angola. Luanda: MINSA, 2018.

______. Relatório de Progresso da Resposta Global à SIDA (GARPR, 2014). Luanda: MINSA, 2014.

______. Relatório Final da CPLP. Luanda: MINSA, 2017.

ALMEIDA, Lia de Azevedo, Ricardo Corrêa GOMES. Processo das políticas públicas: revisão de literatura, reflexões teóricas e apontamentos para futuras pesquisas. Rio de Janeiro: Caderno EBAPE.BR. p. 444-455, 2018.

BERNARDO, Ezequiel Pedro José. Política linguística para o ensino bilíngue em Angola. 2018. 177f. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis.

BRASIL. Manual de prevenção das DST/VIH/Aids em comunidades populares. Ministério da Saúde. Brasília: Série Manuais, 2008.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola, 2007.

CHEQUER, Pedro. (Org.). Epidemia de VIH nos países de língua oficial portuguesa. ONUSIDA. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP. UNAIDS, 2018.

FRANCISCO, Márcio Tadeu Ribeiro et al. Conhecimento sobre HIV/aids e a utilização do preservativo entre os participantes do carnaval. Revista Cubana de Enfermería. 2015. Disponível em: http://scielo.sld.cu. Acesso em 25 fev. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (INE). Resultados definitivos: Recenseamento Geral da População e Habitação. Luanda: INE, 2014.

GIANEZINI, Kelly, Letícia Manique BARRETTO. Políticas públicas: definições, processos e constructos no século XXI. Revista de políticas públicas. p. 1065-1084, 2017.

QUEIROZ, Artur Acelino Francisco Luz Numes et al. Conhecimento sobre VIH/aids e implicações no estabelecimento de parcerias entre usuários do Hornet. Revista Brasileira de Enfermagem REBEn, p. 2063-2070, 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

SEVERO, Cristine, Daniel SASSUCO, Ezequiel BERNARDO. Português e línguas bantu na educação angolana: da diversidade como “problema”. Revista Línguas e Instrumentos Linguísticos. Número 43. 2019. p. 290-307.

SEVERO, Cristine Gorski, MAKONI, Sinfree. Políticas linguísticas Brasil-África (Por uma Perspectiva Crítica). Santa Catarina: Isular, 2015.

SEVERO, Cristine. Língua e Estados nacionais: problematizações históricas e implicações. In: SERRA, Carlos. Estão as Línguas Nacionais em Perigo? Lisboa: Escolar Editora, 2014. p. 9-36.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Revista Sociologias. Porto Alegre, 2006. p. 368-375.

SOUZA, Marina Mello de Menezes Felix de, Telma Cristina de Almeida Silva PEREIRA. Política linguística e política pública: uma proposta de intersecção teórica. Rio de Janeiro: Matraga, 2016. p. 168-184.

TEIXEIRA, Elenaldo Celso. (2002). O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. AATR-BA.

Publicado
2020-12-30
Seção
Políticas linguísticas: visão panorâmica