OS DIREITOS LINGUÍSTICOS E A SUA PERMEABILIDADE NA COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS

Resumo

Um estudo produtivo dos Direitos Linguísticos requer, necessariamente, um conhecimento sistêmico das políticas de proteção das minorias linguísticas que são desenvolvidas e implementadas pelos Estados nacionais na contemporaneidade. Requer, da mesma forma, uma apurada análise das violações dos direitos linguísticos às quais tais minorias estão submetidas e que se materializam, majoritariamente, pela ação e/ou omissão deliberada desses mesmos Estados, em desfavor, mormente, de comunidades indígenas, de imigração, de refugiados e demais grupos cujos idiomas às vezes sequer gozam de estatuto jurídico no ordenamento daqueles países nos quais se encontram. O Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos, por meio da Comissão Interamericana e da Corte Interamericana de Direitos Humanos representa uma instância supra estatal para a qual podem ser canalizadas denúncias de violações de direitos linguísticos, em desfavor dos países membros da OEA, quando esses direitos tiverem natureza jurídica de direito humano. Buscando conhecer a visão de Direito Linguístico Humano, Linguistic Human Right - nos termos da literatura estrangeira -, com a qual opera a Comissão Interamericana de Direitos Humanos - CIDH, esse texto apresentará algumas análises realizadas no conjunto de 54 (cinquenta e quatro) informes de admissibilidade que tratam de questões linguísticas, extraídos de um banco de dados com um total de 2891 (dois mil e oitocentos e noventa e um) casos submetidos à CIDH, no período compreendido entre os anos de 1969 a 2019. O presente estudo permitirá também apontar um conjunto significativo de aspectos vinculados à atuação da CIDH na defesa e proteção dos direitos linguísticos humanos, por meio da identificação precisa dos países mais denunciados, dos grupos linguísticos com maior quantitativo de violações denunciadas, da natureza das violações mais frequentes (culturais, processuais etc.) e quando essas violações representam o objeto principal ou incidental da demanda junto à CIDH.

Palavras-chave: Direito Linguístico. Direitos Humanos. Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos. Conflitos linguísticos. Minorias linguísticas.

Biografia do Autor

Lia Nara Figuerêdo da SILVA, Instituto Federal de Alagoas - IFAL

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe - UFS. São Cristóvão – SE. Professora de língua inglesa do Departamento de Ensino do Instituto Federal de Alagoas – IFAL, Campus Piranhas.

Ricardo Nascimento ABREU, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Doutor em Letras pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, docente do Programa de Pós-Graduação em Letras e do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão – SE.

Referências

ABREU, R. N. Direito linguístico: um olhar sobre as suas fontes. Revista A Cor das Letras. Revista digital dos Programas de Pós-Graduação em Letras e Artes da UEFS. v. 21, n. 1, 01 mai. 2020.

ABREU, R. N. Estatutos jurídicos e processos de nacionalização de línguas no Brasil. Revista da ABRALIN, v. 17, n. 2, 30 jun. 2018.

ABREU, R. N. Os Direitos Humanos Linguísticos no cenário do Direito Internacional. (Monografia de Graduação) – Curso de Direito da Universidade Tiradentes – UNIT, 2012.

ABREU, R. N. Os direitos linguísticos: possibilidades de tratamento da realidade plurilíngue nacional a partir da constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão: UFS, 2016.

ABREU, R. N. Prolegômenos para a compreensão dos direitos linguísticos: uma leitura a partir da Constituição da República Federativa do Brasil, p. 161 -188. In: FREITAG, R. M. K.; SEVERO, C. G.; GÖRSKI, E. M. Sociolinguística e Política Linguística: olhares Contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2016.

ABREU, R. N; JACINTHO, J. M. M. Caminhos constitucionais para uma efetiva proteção das minorias linguísticas no Brasil. In: GUERRA, G. R; ROBL FILHO, I. N.; MORAES FILHO, J. F. Teoria do Estado e da Constituição. Florianópolis: CONPEDI, 2014.

ARZOZ, X. Language Rights as Legal Norms. The Journal on Ethnopolitics and Minority Issues in Europe,6, n. 2, European Centre for Minority Issues, 2009.

ARZOZ, X. The nature of language rights. European Public Law 15, n. 4, Kluwer Law International BV, 2007.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. 2ª edição, São Paulo : Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

CIDH - Comisión Interamericana de Derechos Humanos. Disponível em: http://www.oas.org/es/cidh. Acesso em: 16 de abril de 2020.

COULMAS, F. The handbook of sociolinguistics. Oxford: Blackwell, 1996.

DAVES, W.D; DUBINSKY, S. Language conflict and language rights: Ethnolinguisti perspectives on human conflict. New York: Cambridge, 2018.

ELIAS, N; SCOTSON, J. L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

NELDE, P. H. Language conflict. In. COULMAS, F. The handbook of sociolinguístics. Oxford: Blackwell, 1996.

PIOVESAN, F. Direitos Humanos e Justiça Internacional: um estudo comparativo dos sistemas regionais Europeu, Interamericano e Africano. São Paulo: Saraiva, 2013.

RAMOS, A.C. Curso de direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2014.

SAPIR, E. Language. New York: Harcourt, 1921.

Publicado
2020-12-30
Seção
Direitos linguísticos: abordagens teóricas e estudos de caso