POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO À ARTE E CULTURA EM LIBRAS: POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E POLÍTICAS DE TRADUÇÃO

Resumo

Este artigo explora a tradução e interpretação artística, mais especificamente a teatral para espectadores surdos, uma especialidade que tem despontado por conta de políticas públicas fomentadas por diretrizes internacionais, documentos nacionais e locais. Trata-se de pesquisa documental tomando a legislação que compreende uma política linguística como foco de análise com base em referenciais de pesquisadores da área dos estudos da tradução e interpretação das línguas de sinais. Caracteriza-se, portanto, por análise desses discursos, que permitem compreender como os surdos são indicados na política e como os tradutores intérpretes são introduzidos como serviço de acessibilidade, a fim de compreender os acontecimentos sociais. Constatamos que a comunidade surda é enquadrada como pessoa com deficiência e tem direito à cultura em condições de igualdade. A Libras é concebida como um recurso de acessibilidade.

Palavras-chave: Política Linguística. Planejamento linguístico. Línguas de sinais. Tradução Português-Libras.

Biografia do Autor

Neiva de Aquino ALBRES, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutora em Educação Especial (UFSCar); Departamento de Língua Brasileira de Sinai - DLSB, Centro de comunicação e expressão - CCE; Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

ALBRES, N. A. Os espaços da Libras em contextos artístico-culturais e literários e a formação de tradutores e intérpretes de Libras-português. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 23, n. 4, p. 1248-1273, out.-dez. 2020.

ALBRES, N. A. Política linguística e política educacional: duas faces de uma mesma moeda para surdos. In: BARROS, A. L. de E. C. de; CALIXTO, H. R. da S.; NEGREIROS, Karine Albuquerque de (Orgs.). Libras em Diálogo: Interfaces com a política. Livro Editora Pontes, 2020.

ALMEIDA, W. G. Surdez e Cidadania: Um olhar sobre a inclusão social e as políticas públicas no contexto turístico. Dissertação (Mestrado em Cultura e Turismo) – Universidade de Santa Cruz, Ilhéus, 2008.

BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_26.06.2019/art_215_.asp . Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Lei 10.048, de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10048.htm 2000a. Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Lei 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. 2000b.

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e dá outras providências.

BRASIL. Instrução Normativa IPHAN nº 1 de 25/11/2003. Dispõe sobre a acessibilidade aos bens culturais imóveis acautelados em nível federal, e outras categorias, conforme especifica. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=75637.

BRASIL. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

BRASIL. Decreto-Lei 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

BRASIL. Lei 8.313/1991. Restabelece princípios da Lei n° 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. (conhecida como Lei Rouanet). Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1991/lei-8313-23-dezembro-1991-363660-normaatualizada-pl.html.

BRASIL. Decreto nº 7.387, de 09 de dezembro de 2010. Institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7387.htm. Acesso em: 28 mai. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Planejando a Próxima Década. Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação/Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (MEC/Sase): Brasília, DF., 2014.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em 28 mai. 2018.

BRITO, F. B. de. O movimento social surdo e a campanha pela oficialização da língua brasileira de sinais. 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Acesso em: 14 fev. 2020.

CALVET, L-J. As Políticas Linguísticas. Florianópolis e São Paulo: Ipol/Parábola. 2007.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. DELTA, São Paulo, v. 15, n. spe, p. 385-417, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-4501999000300015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 Feb. 2020.

FENEIS. A importância dos intérpretes de linguagem de Sinais. Rio de janeiro: 1988.

FERNANDES, S. Apresentação. Educar em Revista. Curitiba: UFPR, n. 2 (Edição Especial – Educação Bilíngue para Surdos: políticas e práticas), p. 11-16, 2014.

FERREIRA, A. M. A.; SILVA-NETO, V. S. Tradução de teatro para língua de sinais: ensaio sobre corpo e (in)visibilidade. Cadernos de Tradução. Florianópolis. v. 40, n. 1. p. 72-90. jan./abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2020v40n1p72/42359.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. [S. l.]: Artmed; Bookman, 2009. p. 49.

FOMIN, C. F. R. O tradutor intérprete de Libras no teatro: a construção de sentidos a partir de enunciados cênicos. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2018. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21782.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de Pesquisa Social. 4.ed., São Paulo: Atlas, 1990.

GOHN, M. da G. Conselhos gestores e participação sociopolítica. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

LODI, A. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educação Pesquisa. São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, jan./mar. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a04.pdf.

LUCENA, M. I. P.; TORRES, A. C. da G. Ideologia monolíngue, mercantilização e instrumentalização da língua inglesa na alteração da LDB em 2017 e em anúncios publicitários de cursos livres. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v.19, n.3, p. 635-654, Sept. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982019000300635&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 Fev. 2020.

MINAYO, M. C. de S. Teoria método e criatividade. 21. ed. São Paulo: Vozes, 2001. 80 p.

MOITA LOPES, L. P. Afinal, o que é Linguística Aplicada? In: MOITA LOPES, L. P. Oficina de Linguística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996. p. 17-25.

MORAIS, S. O.; SANTANA, J. B. A performance de intérpretes de Português-Libras em espetáculos teatrais: experiências e contextos interpretativos. In: RIGO, N. S. Textos e Contextos Artísticos e Culturais: tradução e interpretação em Libras. Volume I. Petrópolis: Arara Azul, 2019. Disponível em: https://editora-arara-azul.com.br/site/ebook/detalhes/19.

NAPIER, J.; MCKEE, R.; GOSWELL, D. Sign Language Interpreting: theory & practice in Australia and New Zealand. Sydney: The Federation Press, 2006.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019.

QUADROS, R. M. De. O bi do bilinguismo na educação de surdos. In: FERNANDES, E. (org.). Surdez e bilinguismo. Editora Mediação: Porto Alegre. 2005.

RESENDE, L. S. Tradução Teatral: produzindo em Libras no Teatro Surdo. 2019. 94f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução). Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução. Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/36719.

RIGO, N. S. Tradução de canções de LP para LSB: identificando e comparando recursos tradutórios empregados por sinalizantes surdos e ouvintes. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/122839?show=full. Acesso em 14 set. 2019.

RODRIGUES, C. H. Da interpretação comunitária à interpretação de conferência: Desafios para formação de intérpretes de língua de sinais. In: Congresso nacional de pesquisa em tradução e interpretação de língua de sinais brasileira, 2., 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2010. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/anais2010/Carlos%20Henrique%20Rodrigues.pdf. Acesso em 14 jul. 2019.

ROSS, P. R. Conhecimento e aprendizado cooperativo na inclusão. Educ. rev., Curitiba, n. 23, p. 203-224, jun. 2004. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/2160. Acesso em: 27 mar. 2017.

SANTA CATARINA. Lei nº 17.685, de 11 de janeiro de 2019. Estabelece normas e critérios básicos de acessibilidade por deficiência auditiva e visual em políticas públicas no Estado de Santa Catarina. Disponível em: http://leis.alesc.sc.gov.br/html/2019/17685_2019_lei.html.

SANTANA, J. B. M. Tradução, interpretação e mediação em LIBRAS nos espaços de artes e de cultura na cidade de Vitória. In: Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa, 4., 2014, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2014. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais/2014/3088.pdf . Acesso em: 14 set. 2019.

SANTOS, S. A. dos; FRANCISCO, C. Políticas de tradução: um tema de políticas linguísticas? Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 2939-2949, abr. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2018v15n1p2939. Acesso em: 24 mai. 2019.

SANTOS, S. A.; POLTRONIERI-GESSNER, dos A. V. O papel da tradução e da interpretação para grupos vulneráveis no acesso à justiça. Revista da Defensoria Pública do Distrito Federal, Brasília, v. 1, n. 1, 2019, p. 69/84. Disponível em: http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/15/12. Acesso em: 24 mai. 2019.

SOBRAL, A.; GIACOMELLI, K. Observações didáticas sobre a análise dialógica do discurso - ADD. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 3, p. 1076-1094, 26 ago. 2016.

SUTTON-SPENCE, R.; MACHADO, F. de A.. Considerações sobre a criação de antologias de poemas em línguas de sinais. In: STUMPF, M. R.; QUADROS, R. M. de (orgs.). Estudos da língua brasileira de sinais IV. Florianópolis: Insular: Florianópolis: UFSC, 2018. pp. 187- 210.

TATAGIBA, L. Conselhos gestores de políticas públicas e democracia participativa: aprofundando o debate. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, n. 25, p. 209-213, nov. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782005000200017. Acesso em: 10 mai. 2017.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. DHNET. Barcelona. 1996. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/a_pdf/dec_universal_direitos_linguisticos.pdf.

Publicado
2020-12-30
Seção
Políticas linguísticas das línguas de sinais