OS HERÓIS NA ILÍADA: ENTRE A GLORIFICAÇÃO E O LUTO

Palavras-chave: Ilíada, Filosofia, Lamentos Fúnebres

Resumo

Este trabalho se propõe a discutir como o poema épico Ilíada se comporta como um Kléa andrôn cuja marca é a glorificação dos heróis, que se estende de sua exaltação bélica para a valorização de sua importância como arquétipos de comportamentos relevantes para a construção ética dos cidadãos gregos e, depois, de todo um imaginário ocidental. Trata-se, portanto, de um estudo que discute o significado e a importância dos heróis épicos (SILVA; RAMALHO, 2007), segundo uma abordagem filosófica sobre os princípios da areté (ARISTÓTELES, 2009), da hybris (ARISTÓTELES, 2009) e do philo (ARISTÓTELES, 2009), descrevendo, ainda, a importância dos lamentos fúnebres (WERNER, 2008) para a consagração da superioridade épica e moral desses heróis. A intenção é que o leitor reflita sobre como a Ilíada se torna uma “enciclopédia grega” que atravessa gerações, firmando-se como um texto de forte caráter pedagógico, à medida que seus heróis se tornam inspirações éticas para indivíduos de todas as épocas da história da literatura universal.

Biografia do Autor

Clarissa Loureiro BARBOSA, Universidade de Pernambuco - UPE/Petrolina

Doutora em Letras pela UFPE; Professora do Departamento de Letras, Universidade de Pernambuco - UPE, Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Referências

ANDRADE, C. B. de.; DINIZ, M. (Orgs.). Juventudes e o mal estar na contemporaneidade. Belo Horizonte: PACO, 2015.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 4ª Ed. Tradução Edson Bini. Bauru: EDIPRO, 2009.

ARISTÓTELES. Arte poética. Editora Independente, 2019.

BITTENCOURT, Renato Nunes. A conduta dos heróis na épica de Homero. Revista Espaço Acadêmico, v. 9, n. 103, p. 114-123, 2009.

CARVALHO, Pinto de. Aspectos da moral homérica e hesiódica (kalokagathía – Areté – hýbris). Revista de História, São Paulo, n. 25, p. 49-57, 1956.

D’INCAO, Maria Ângela. Mulher e família burguesa. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007.

HOMERO. Ilíada. Tradução em versos de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 2003.

HUMPHREYS, Sarah; KING, Helen. Mortality and immortality: the anthropology and archaeology of death. London: Academic Press, 1981.

LIMA, Luiz Costa. História, ficção e literatura. São Paulo: Companhia de Letras, 2006.

MALTA, André. A selvagem perdição: Erro e ruína na Ilíada. São Paulo: Odysseus, 2006.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da; RAMALHO, Christina. História da epopéia brasileira: teoria, crítica e percurso. Vol-1. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

WERNER, Cristhian. Memórias da guerra de Tróia: a performance do passado épico na Odisseia de Homero. Coimbra: Imprensa de Coimbra, 2018.

Publicado
2021-07-27