ENTRE O QUERER E O DEBER NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA DO PAPA FRANCISCO QUERIDA AMAZONIA

Palavras-chave: Língua Espanhola, Modalidade, Verbo Deber, Verbo Querer

Resumo

O presente trabalho descreve e analisa os verbos modais querer e deber em língua espanhola na Exortação Apostólica do Papa Francisco, Querida Amazonia. Para isso, tomamos por base a tipologia das modalidades de Hengeveld (2004), buscando demonstrar, por meio do engendramento dos verbos querer e deber, a instauração das modalidades deôntica e volitiva no tocante ao domínio semântico e à orientação modal. Após a análise da referida Exortação Apostólica, constatamos que há uma maior frequência de uso do verbo deber, em que o tempo gramatical utilizado pelo falante pode influenciar na interpretação de uma força deôntica asseverada ou mitigada, enquanto o verbo querer, ao ser empregado em diferentes tempos gramaticais, pode conduzir a uma maior ou menor probabilidade de concretização do evento volicionado. Em relação à orientação modal, averiguamos que, além da orientação para o Participante e o Evento, as modalidades deôntica e volitiva podem também estar orientadas para o Episódio, em que os verbos querer e deber podem funcionar como partículas de apreciação pessoal acerca da possibilidade de concretização de um evento formado por dois ou mais estados-de-coisas a partir do que o falante avalia como obrigatório ou desejável.

Biografia do Autor

André Silva OLIVEIRA, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Prof. Assistente de Língua Espanhola, Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Currais Novos - RN.

Referências

CARBOLOVÁ, K. Categoría verbal de modo en el español moderno. 2007. 70f. Graduação (Monografia em Línguas Românicas) – Faculdade de Artes, Departamento de Línguas e Literaturas Românicas da Universidade de Masaryk, Tchecoslováquia, 2007.

CRUZ, N. M. La expresión del deseo, ruego y mandato en español: punto de vista onomasiológico. Revista Centro Virtual Cervantes, 1996. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=892999>. Acesso em: 11 fev. 2017.

CASORRÁN AMILBURU, C. La lógica como tertium comparationis. 2010. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/304182355_La_logica_como_tertium_comparationis>. Acesso em: 21 fev. 2020.

GUILLERMO CÓRTEZ, J. El secreto de cómo enseñar a hablar español: guía de cortesía. Chicago: Cortez Method, 2015.

HERDEGENOVÁ, M. Traducción al checo de las oraciones que expresan deseo. 2018. 68f. Graduação (Monografia em Pedagogia) – Faculdade de Pedagogia e Ciências Humanas, Departamento de Pedagogia, Universidade Técnica, República Tcheca, 2018.

HENGEVELD, K. Illocution, mood, and modality. In: BOOIJ, G.; LEHMANN, C.; MUGDAN, J. Morphology: a handbook on inflection and word formation. v. 2. Berlin: Mouton de Gruyter, 2004, p. 1190-1201.

HENGEVELD, K. The grammaticalization of tense and aspect. In: HEINE, B.; NARROG, H. (Orgs.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011, p. 580-594.

OLBERTZ, H.; GASPARINI-BASTOS, S. D. Objective and subjective deontic modal necessity in FDG – evidence from Spanish auxiliary expressions. In: MACKENZIE, J. L.; OLBERTZ, H. (Orgs.). Casebook in Functional Grammar. Amsterdam: John Benjamins, 2013, p. 277-300.

PALMER, F. R. Mood and Modality. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SEDANO, L. H. Un acercamiento a la gramática de los verbos volitivos, de influencia y psicológicos. 2006. Universidad de León, Actas del XXXV Simposio Internacional de la Sociedad Española de Lingüística, Filología Hispánica y Clásica, 2006. Disponível em: <http://fhyc.unileon.es/SEL/actas/Heras.pdf> Acesso em: 16 de março de 2016.

THEGEL, M. ¿Opiniones, normas o pura necesidad? La modalidad deóntica y la modalidad dinámica a través de deber y tener que. 2017. 228f. Mestrado (Dissertação em Filologia) – Programa de Pós-Graduação em Filologia. Universidade Uppsala, Suécia, 2017.

Publicado
2021-07-27