ANÁLISE DO NARRADOR DE AMOR DE PERDIÇÃO, DE CAMILO CASTELO BRANCO

  • João Pedro Wizniewsky Amaral Universidade Federal de Campna Grande
Palavras-chave: Literatura Portuguesa., Romanitsmo., Narrador., Amor de Perdição., Camilo Castelo Branco.

Resumo

Este artigo propõe uma análise sobre o narrador de Amor de Perdição, uma das obras mais importantes do escritor português Camilo Castelo Branco e do movimento do Romantismo em Portugal. Esta análise foi realizada por meio de uma leitura atenta do romance, considerando algumas características do Romantismo, apontadas por Carlos Reis (1999), Antonio Candido (2000), György Lukács (2000) e Theodor Adorno (2003), estudos sobre o narrador (BENJAMIN, 1983). A análise indica que o narrador de Amor de Perdição mostra-se complexo, autoconsciente dos problemas de seu tempo e irônico, além de tentar romper limites ficcionais. Ou seja, um narrador típico do Romantismo que ajuda a consolidar o romance enquanto gênero literário. Ainda, o narrador apresenta uma consciência de que a narrativa é apenas um recorte, valorizando a experiência e a subjetividade, indo, assim, contra as tendências clássicas.

Referências

ADORNO, T. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades, 2003.

BENJAMIN, W. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN et al. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, p. 197-221, 1983.

BRANCO, C. C. Amor de Perdição. Universidade da Amazônia, 2021. Disponível em <https://www.aedi.ufpa.br/parfor/letras/images/pdf/livros/amor%20de%20perdio%20-%20camilo%20castelo%20branco.pdf> Acesso em: 17 fev. 2021.

CANDIDO, A. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 6. Ed. Belo Horizonte: Editora Italiana Ltda, 2000.

LUKÁCS, G. A Teoria do Romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad.: José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Editora 34, 2000.

REIS, C. História crítica da Literatura Portuguesa: Volume V – O Romantismo. Lisboa: Verbo. 1999

SANTOS, E. Camilo Castelo Branco: uma concepção irônica de mundo. Cad. CESPUC de Pesq., Belo Horizonte, n. 7, maio, p. 50-63, 2001.

Publicado
2022-07-05
Seção
Dossiê: Estudos Literários