VIDA E PROEZAS DE ALÉXIS ZORBÁS: O CAOSMO DE NIKOS KAZANTZÁKIS?

  • João Victor Rodrigues Santos
Palavras-chave: Aléxis Zorbás., Assim falava Zaratustra., Literatura e Filosofia., Literatura grega., Nikos Kazantzákis.

Resumo

Entre 1941 e 1943, Nikos Kazantzákis escreveu Vida e proezas de Aléxis Zorbás, romance publicado em 1946. O livro trata de um narrador em busca da plena experimentação da vida e chegou ao Brasil em 1951. Ao comprar uma mina de carvão na ilha de Creta, o narrador conhece Aléxis Zorbás, personagem vivido e pitoresco, e busca entregar-se à apreciação e à vivência da vida. Com o decorrer da narrativa, podemos concluir que Zorbás representa a figura daquele que ultrapassou as barreiras morais e os juízos éticos dos homens, mas não se desvinculou de certo primitivismo. Os princípios apolíneo e dionisíaco se interpenetram tanto no pensamento de Nietzsche quanto na prosa kazantzakiana, levando-nos à ideia do “caosmos”, expressão que, consoante Roberto Machado, adviria de Joyce e concentraria os polos de medida e de desmedida. Pretendemos nos dedicar a uma análise do romance, objetivando investigar as relações entre Literatura e Filosofia, de modo mais detido nos reflexos presentes na escrita de Kazantzákis do pensamento de Nietzsche em Assim falava Zaratustra. Para tanto, valer-nos-emos das contribuições de estudiosos como Cícero (2004, 2012), Machado (2004), Nunes (2010) e outros.

Referências

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. In: ______. et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2014. p. 51-80.

CICERO, Antonio. Poesia e filosofia. In: NASCIMENTO, Evando; OLIVEIRA, Maria Clara Castellões. (Org.). Literatura e filosofia: diálogos. Juiz de Fora: UFJF; São Paulo: Impressa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. p. 11-28.

______. Poesia e filosofia. Organização Evando Nascimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

FREIRE, Antônio. O pensamento de Deus em Nikos Kazantzákis. Revista Portuguesa de Filosofia. T. 26, Fasc. 1/2, Aspectos do problema de Deus na filosofia actual: I (Jan. – Jun., 1970), p. 92-109.

KAZANTZÁKIS, Nikos. Vida e proezas de Aléxis Zorbás. 3. ed. Trad. Marisa Ribeiro Donatiello e Silvia Ricardino. São Paulo: Grua, 2011.

MACHADO, Roberto. Nietzsche, Hölderlin e o trágico moderno. In: NASCIMENTO, Evando; OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de. (Org.). Literatura e filosofia: diálogos. Juiz de fora: UFJF, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. p. 201-208.

MOISÉS, Massaud. A criação literária: poesia e prosa. ed. rev. e atual. São Paulo: Cultrix 2012.

NASCIMENTO, Evando. Literatura e Filosofia: ensaio de reflexão. In: ______; OLIVEIRA, Maria Clara Castellões. (Org.). Literatura e filosofia: diálogos. Juiz de Fora: UFJF; São Paulo: Impressa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. p. 43-66.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falava Zaratustra. Trad. Eduardo Nunes Fonseca. São Paulo: Hemus, 1985.

NUNES, Benedito. Ensaios filosóficos. Organização e apresentação Victor Sales Pinheiro. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e Personagem. In: CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2014. p. 9-49.

SHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Trad. Pedro Süssekind. Porto Alegre: L&PM, 2019.

Publicado
2022-07-05
Seção
Dossiê: Estudos Literários