DA IDEALIZAÇÃO À MISOGINIA: O RETRATO DA MULHER SATIRIZADA EM CANTIGAS DE D. AFONSO X E NA PINTURA DO SÉCULO XVI

Palavras-chave: Idade média, renascimento, mulher, poesia, pintura

Resumo

A literatura não é um fenômeno estático, ela está sujeita a mutações e rupturas. Logo, o conceito de belo, na literatura medieval, que inspirou a ideia de “mulher ideal” sofreu modificações e, consequentemente, também, transformações ocorreram no que diz respeito às concepções platônicas do perfil feminino, quando comparamos os gêneros lírico e satírico. Na Idade Média, no ambiente palaciano, surgiram as cantigas satíricas, formas literárias que refletiram com veracidade problemas, preocupações e conceitos morais do tempo, por uma visão sardônica (sarcástica, maldosa), como fez D. Afonso X, em suas cantigas profanas. Esses conceitos não se restringiram às temáticas literárias, alcançaram também as telas dos artistas renascentistas. Neste estudo, portanto, tratou-se, justamente, do retrato da mulher satirizada nas cantigas de D. Afonso X e nas pinturas do século XVI, a partir da obra Velha, de Quentin Massys e Leonardo da Vince. Comprovou-se que, nas suas diferentes formas, poesia e pintura convergem para o mesmo ponto: a mulher satirizada, com a aparência ridicularizada e o caráter distorcido.

 

Biografia do Autor

Clarice Zamonaro Cortez, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Letras-Literatura Portuguesa, pela UNESP, campus de Assis, desde 1999. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras (Mestrado e Doutorado) da Universidade Estadual de Maringá, Paraná, Brasil.

Referências

ARAÚJO, Márcia Maria de Melo; FONCECA, Pedro Carlos Lousada. Christiane de Pizan e a defesa da mulher na literatura medieval. In: ARAÚJO, Márcia Maria de Melo; FONCECA, Pedro Carlos Lousada (org.). Mulher, medievo e configurações simbólicas. Goiânia: Kelps, 2017. p. 91-102.

BORGES, K. J.S. A mulher aos olhos do povo: a misoginia medieval presente em contos populares. IN: ARAÚJO, Márcia Maria de Melo; FONCECA, Pedro Carlos Lousada (orgs.). Mulher, medievo e configurações simbólicas. Goiânia: Kelps, 2017. p. 67-90.

CAMÕES, L. de. Rimas. Texto estabelecido e prefaciado por Álvaro Júlio da Costa Pimpão. Coimbra: Almedina, 1994.

COHEN, R. 500 cantigas d’amigo. Ed. Crítica. Coleção Obras Clássicas da literatura Portuguesa. Porto: Campo das Letras, 2003.

CORTEZ, Clarice Zamonaro. Literatura e Pintura. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (org.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2009.

CORTEZ, Clarice Zamonaro. O reflexo das relações familiares: a situação doméstica da filha sob o poder vigilante da mãe em cantigas de amigo. In: ARAÚJO, Márcia Maria de Melo; FONCECA, Pedro Carlos Lousada (org.). Mulher, medievo e configurações simbólicas. Goiânia: Kelps, 2017, p. 29-39.

DINIS, D. Cancioneiros. Organização, prefácio e notas de Nuno Júdice. Lisboa: Editorial Teorema, 1998.

DUBY, Georges. Damas do século XII. Tradução de Telma Costa, Lisboa: Teorema, 1995.

DUBY, Georges; PERROT, Michelle (org.) História das mulheres no Ocidente. A Idade Média. Tradução de Ana Rosa Ramalho e outros. Porto: Edições Afrontamento, 1990. v. 2.

FERREIRA, M. E. T. Poesia e prosas medievais. Lisboa: Ulisséia,1988.

LETTS, R. M. O Renascimento. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Círculo do Livro, 1981.

LOPES, Graça Videira. A sátira nos cancioneiros medievais galego-portugueses. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.

LOPES, Graça Videira. Cantigas de escárnio e maldizer – dos trovadores e jograis galego-portugueses. Lisboa: Editorial Estampa, 2002.

MACEDO, José Rivair. A mulher na Idade Média. São Paulo: Contexto, 2015.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: EDUNESP, 2003.

MONTOYA MARTÍNEZ, Jesús. Carácter lúdico de la literatura medieval (A propósito del ‘jugar de palabra’. Partida Segunda, tít. IX, Ley XXIX). In: CASTILLO, C. Argente del et al. Homenaje al profesor Antonio Gallego Morell. Granada: Universidad de Granada, 1989.

PAREDES, Juan. Alfonso X – Cantigas profanas. Madrid: Editorial Castália, 2010.

SCHNEIDER, Norbert. A arte do retrato. Tradução Teresa Curvelo. Colônia: Taschen, 1997.

SODRÉ, Paulo Roberto. O riso no jogo e o jogo no riso na sátira galego-portuguesa. Vitória: EDUFES, 2010.

SPINA, S. Era medieval: presença da literatura portuguesa. 4. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1971.

Publicado
2022-07-05
Seção
Dossiê: Estudos Literários