ROMANTISMOS NA PROVÍNCIA: A RECEPÇÃO DOS DISCURSOS ROMÂNTICOS NA IMPRENSA PIAUIENSE OITOCENTISTA

Palavras-chave: Romantismo, Imprensa, Regionalismo, Nacionalismo

Resumo

É possível dizer que poucos movimentos literários tiveram a consciência de sua importância histórica como o Romantismo e, em especial, o brasileiro que, na esteira da independência política, tomou a si a missão de constituir os símbolos da nacionalidade, um passado heroico e, mais importante, uma literatura que exprimisse a ainda incipiente brasilidade. Nesse sentido, o objetivo principal deste artigo é analisar imagens, encontradas em prosa ou poesia, publicadas em periódicos piauienses destacadamente literários, que circularam no século XIX, a fim de compreender como foi a recepção dos discursos românticos na região. Trata-se de pensar se as imagens literárias divulgadas no Piauí seguiam as que eram publicadas nos jornais da Corte e/ou se se relacionavam, de alguma forma, à própria província na qual foram divulgadas. Trabalhando com um corpus que se estende dos inícios da década de 1850 até fins dos anos 1880, a metodologia aqui adotada partiu da pesquisa de fontes primárias, alocadas em dois acervos específicos de acesso remoto: a Hemeroteca Digital, da Biblioteca Nacional e o Projeto Memória do Jornalismo Piauiense, da UFPI.

Biografia do Autor

Natália Gonçalves de Souza Santos, Universidade Federal de Viçosa - UFV
Doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP, professora do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Minas Gerais, Brasil.

Referências

ABREU, Márcia. A Ficção Como Elemento de Conexão Cultural. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2016.

_____. “A esmo”. A Opinião Conservadora. Teresina Piauí, 1884 nº 13, p.4.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: Momentos Decisivos, 1750-1880. 10ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

CIARLINI, Daniel Castello Branco. Imprensa e Literatura Piauiense na República Velha: Gênese de um Campo e Circuitos Literários. 2019. 336f. Tese (Doutorado em Estudos de Literatura) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

FERREIRA, Vinícius Ribeiro Cordão & RÊGO, Ana Regina Barros Leal. Do Jornalismo Político a Visibilidade Literária: O Panorama da Imprensa Piauiense no Século XIX. Temática, Ano X, n. 09, pp. 122-139, Setembro/2014.

FILHO, Pedro Pio Fontineles & PERREIRA, Wellington dos Santos. Nos domínios do Sexete: História, Sociedade e Cultura nos Folhetins em Teresina-PI, na segunda metade do século XIX. A História sob múltiplos ângulos, 2020.

GUINSBURG, Jacó & ROSENFELD, Anatol. Classicismo e Romantismo. In: O romantismo. 4ª ed., São Paulo: Perspectiva, 2002.

______. “Histórias Tristes”. O Abolicionista. Teresina Piauí. 1884 nº 03, p. 3.

_____. “Literatura comparada”. In:_____. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993, 211 a 215.

LUSTOSA, Isabel. O Macaco Brasileiro: um jornal popular na independência. In Cultura letrada no Brasil: objetos e práticas. Marcia Abreu & Nelson Schapochnik (orgs.). Campinas: Mercado das Letras, São Paulo: Fapesp, 2005.

MAGALHÃES, Maria do Socorro Rios. A Educação dos Leitores e a Formação do Sistema Literário Piauiense. Scientia et Spes: revista do Instituto Camilo Filho. Teresina, ano 1, n. 1, p. 113-132, 2002.

_____. O nascimento da imprensa brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

______. “O Piauí”. A Época: órgão conservador. Teresina Piauí, 1880 nº 135, p.4.

_____. O Romantismo no Brasil. 2 ª ed. Associação Editorial Humanitas, 2004.

SANTOS, Natália Gonçalves de Souza. Romantismo na Província: vestígios alvaresianos na imprensa piauiense (1853/1912). Travessias interativas, nº 23, vol. 11, 2021.

TÁVORA, Franklin. José Coriolano. A imprensa: periódico político. Teresina, 8 set.1883, v. 789, p. 4-5.

______. Terra à terra. O publicador. João Pessoa, 11 out. 1865, n. 930, p. 3-4.

Publicado
2022-07-05
Seção
Dossiê: Estudos Literários