AS PISTAS DE CONTRACULTURA NA POESIA DE MÁRIO JORGE

  • Katherine de Albuquerque Mendonça Universidade federal de sergipe
Palavras-chave: Literatura sergipana, Contracultura., Mário Jorge

Resumo

O presente trabalho busca identificar marcas deixadas pelo poeta sergipano Mário Jorge, em suas poesias, que caracterizaram seu fazer poético com traços do movimento de contracultura, uma vez que é possível, por meio da interpretação aberta, detectar pistas nos versos das poesias que trazem características do movimento, direta ou indiretamente. Para isso, serão tomados como base para esse trabalho os estudos de Humberto Eco (2005) acerca dos limites da interpretação e da superinterpretação, considerando a necessidade de desvendar os sentidos do texto a partir das informações deixadas pelo próprio texto, e a teoria da desconstrução elaborada por Jacques Derrida (2002), uma vez que o deslocamento do centro abre espaço para que se estudem novas formas de fazer poesia. Ademais, os estudos elaborados por Maciel (1973) no tocante às questões da contracultura contribuirão com o trabalho, ao considerarmos a relevância de entender o movimento contracultural para que seja possível identificar esses traços na poesia de Mário Jorge.

Referências

ADELMAN, Miriam. O reencantamento do político: interpretações da contracultura. Revista de Sociologia e Política, Paraná, s/v, n. 16, jun, 2001.

DERRIDA, JACQUES. A Escritura e a Diferença. São Paulo: Perspectiva, 2002.

ECO, Humberto. Interpretação e superinterpretação. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

MACIEL, Luis Carlos. Nova Consciência: Jornalismo Contracultural 1970 – 1972. Rio de Janeiro: Eldorado, 1973.

PRADO, Thiago Martins Caldas. Linguagem e temporalidade na poesia de Mário Jorge. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia. Salvador, p. 152. 2005.

PRADO, Thiago Martins. Mário Jorge: do tempo da revolução ao da regressão. REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SERGIPE. v. 36, p. 193-214, 2007

PRADO, Thiago Martins. Utopia política, vanguarda e ritual: linguagem e temporalidade na poesia de Mário Jorge. Aracaju: Editora UFS, 2008.

VIEIRA, Mário Jorge. A noite que nos habita. Aracaju: Funcaju, 2013.

Publicado
2022-07-05
Seção
Dossiê: Estudos Literários