TRAVESSIAS INTERATIVAS


Revista de Letras da Universidade Federal de Sergipe/São Cristóvão.
Departamento de Letras Vernáculas.

 Confira nosso volume atual.

 Os volumes anteriores se encontram disponíveis no site: http://travessiasinterativas.com.br. Eles serão transferidos aos poucos para esta plataforma.

Qualis B2

 Chamada para publicação

 

Bases indexadoras:

CiteFactor - Academic Scientific JournalsCZ3 - Elektronische Zeitschriftenbibliothek Plataforma Sucupira

Portal brasileiro de publicações científicas em acesso aberto Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras LIVRE - Revistas de livre acesso Google Acadêmico

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Notícias

 
Nenhuma notícia publicada.
 
Outras notícias...

v. 15, n. 1 (2018): Travessias Interativas Vol. 15


Capa da revista

      A revista Travessias Interativas, agora vinculada ao Departamento de Letras Vernáculas da UFS (Universidade Federal de Sergipe) – Campus de São Cristóvão, chega à edição de número 15. O eixo da Travessias continua sendo estudos centrados no domínio das Letras (Literatura e Linguística). Integram esse número trinta produções: vinte e sete artigos, sendo quatro de iniciação científica, e três resenhas. Os textos aqui elencados são diversificados, tendo em vista que se trata de um número atemático.

      Movendo-se por entre as questões linguísticas, os textos acolhem estudos provenientes de diversas subáreas, como Linguística Aplicada, Neurolinguística, estudos de Língua Estrangeira, entre outros. Um dos artigos propõe discussões em torno do conceito de “comunicabilidade”, desenvolvido pelo linguista Charles Briggs, e as possíveis implicações do conceito para a discussão e aprimoramento acerca da prática de entrevistas em pesquisas. Diferenças e semelhanças entre o português brasileiro e o europeu também são levantadas neste número, em um texto que investiga se a existência dessas variedades aponta para um afastamento total, ou representa apenas algumas áreas da língua afetadas pelos percursos históricos. Outro estudo, que trata da disartria sob a ótica da Linguística, visa contribuir para o aprimoramento da teoria Neurolinguística sobre esse distúrbio da linguagem. Na área dos estudos de Línguas Estrangeiras em Inglês, os textos contemplam assuntos como a análise de livro didático sob a perspectiva de multiletramentos, aspectos metodológicos e práticas pedagógicas no ensino médio e a utilização de tecnologias por meio de jogos digitais para a aprendizagem de línguas no contexto escolar. Aspectos associados à nasalidade, produção de sentido, oralidade e causos permeiam, ainda, os artigos aqui apresentados.

      O volume se completa com a seção sobre Literatura e, correspondendo à diversidade dos estudos literários atuais, a edição apresenta artigos sobre variados gêneros estudados e diferentes  abordagens teóricas.  Na poesia  brasileira, há  um estudo das  dimensões simbólica e histórica da representação do feminino na obra Toda a América, de Ronald de Carvalho, e na sequência um estudo do poema herói-cômico O desertor, de Silva Alvarenga; na poesia portuguesa, há uma análise de elementos formais e aspectos existenciais na obra Poemas sobre a morte, a aniquilação e o jogo, de António Manuel Bracinha Vieira. Dois artigos abordam o conto, um deles propondo a consideração do conceito de exotopia e sua relação com dois contos do escritor goiano José J. Veiga, e o outro versando sobre as marcas enunciativas da categoria da “melancolia” em Los inmigrantes, do uruguaio Horacio Quiroga. Entre os textos destinados à análise de romances, há trabalhos sobre A lua vem da Ásia, de Campos de Carvalho, e uma investigação do realismo presente no único romance de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas, com base nos princípios estéticos elaborados por György Lukács. Ainda no campo da narrativa aparece um artigo que discute a narrativa juvenil brasileira das últimas décadas e sua ligação com o romance policial. Outro ensaio oferece um panorama do naturalismo romanesco brasileiro na busca pela objetividade, neutralidade e totalidade, sob as influências das concepções científicas do fim do século XIX. No romance estrangeiro, as análises ficam por conta de obras dos autores norte-americanos William Faulkner e Craig Thompson, da chilena Isabel Allende e do francês Gustave Flaubert.

      Na sequência aparecem os artigos proveninetes de projetos de iniciação científica. Os dois primeiros se voltam para questões de ensino: o primeiro trata das motivações dos alunos de uma escola do estado de Sergipe para o ENEM, e o segundo trata de tecnologias no ensino de língua espanhola como língua estrangeira. Os outros dois artigos, ligados aos estudos literários, apresentam leituras críticas de narrativas: de um lado, a autoficcção na obra Traiciones de la memoria, do colombiano Héctor Abad Faciolince, e de outro, o riso infantil em Campo Geral, de Guimarães Rosa. As obras resenhadas na última seção são Perspectivas em avaliação no ensino e na aprendizagem de línguas: pesquisas e encaminhamentos na formação e na prática docente (de Douglas Altamiro Consolo, Sandra Regina Buttros Gattolin e Vera Lúcia Teixeira da Silva), Duas Janelas (de Marcos Siscar e Ana Martins Marques) e Porcelana Invisível (de Fernando Paixão).

      Agradecemos a todos os autores que submeteram seus textos, além dos pareceristas internos e externos ao nosso conselho. Seguimos avante, pois a jornada segue renovada!

 

Prof. Dr. Alexandre de Melo Andrade
Profa. Ma. Cláudia Parra