<p><b>A Cidade como Espaço para a Liberdade: uma leitura psicanalítico-existencial do romance <em>Angústia </em>de Graciliano Ramos</b></p>

  • Lwdmila Constant Pacheco Universidade de Pernambuco - UPE
Palavras-chave: Filosofia, Literatura, Interdisciplinaridade

Resumo

RESUMO: O romance Angústia do escritor Graciliano Ramos traz várias possibilidades de leituras relacionando a cidade ao personagem Luís da Silva – sertanejo que se muda para capital de Alagoas, Maceió, e passa a refletir sobre a necessidade de sua adequação à vida urbana a partir de sua invisibilização, humilhação e corrupção. Apesar desses elementos de degradação do personagem estarem explícitos na obra, a leitura que fazemos aqui é a da cidade como espaço de libertação do personagem. A perspectiva de libertação de que nos valemos é, principalmente, a existencialista que entende a liberdade como fruto da angustiosa consciência de nossa solidão física e metafísica, a qual tende a nos impulsionar a agir em busca de nosso próprio destino ou, numa leitura psicanalítica freudiana e lacaniana, da realização de nossos desejos pelos quais somos responsáveis antes, durante e depois de sua concretização.

PALAVRAS-CHAVE: Espaço literário - Cidade. Angústia. Existencialismo. Graciliano Ramos. Literatura. Psicanálise.

      

ABSTRACT: The novel writer Angústia Graciliano Ramos brings a lot of reading possibilities linking the city to the Silva Luis character – frontiersman who moves to the capital of Alagoas, Maceió, and begins to reflect on the need for its adaptation to urban life from that of their invisibility, humiliation and corruption. Despite these character degradation elements are explicit in the work, the reading we do here is to the city as the character release space. The prospect of liberation that we use is mainly existentialist who understands freedom as a result of the anguished conscience of our loneliness physical and metaphysical which tends to drive us to act in pursuit of our own destiny, or a psychoanalytic reading Freud and Lacan, the realization of our desires which we are responsible before, during and after its concretization.

KEYWORDS: Literary space - City. Anguish. Existentialism. Graciliano Ramos. Literature. Psychoanalysis.

Referências

ARGULLOL, Rafael. A Cidade-Turbilhão. Revista do Patrimônio Artístico Nacional-IPHAN, Rio de Janeiro, Pp. 59-68, 1994.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Ed. Cultrix, 1980.

BRAYNER, Sônia. Graciliano Ramos. Brasília: Ed. Civilização. Col. Fortuna Crítica. Vol 2. INL., 1977.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo/Campinas: Edusp, 2015.

CANDIDO, Antonio. Ficção e Confissão. Ensaios sobre Graciliano Ramos. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CARVALHO, Helena Lúcia. A ponta do novelo – Uma interpretação de Angústia, de Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1983.

FERREIRA, Mariana Chinelatto. Cidade e Forma Literária: Representações urbanas na literatura brasileira. 2015. 97 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Arquitetura e do Urbanismo. USP, São Paulo. 2015.

FREUD, S. Além do Princípio do Prazer, Psicologia de Grupo e outros trabalhos. Edições Standard Brasileiras das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Volume XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1920-1922/2006.

______. O Futuro de uma Ilusão, O mal-estar na civilização e outros trabalhos. Edições Standard Brasileiras das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Volume XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1927-1931/2006.

______. Os instintos e suas vicissitudes. In: A história do movimento psicanalítico, Artigos sobre a Metapsicologia e outros trabalhos. Obras Completas de Sigmund Freud. Volume XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1914-1916/2006. Pp.123-146.

GIMENEZ, E. T. Graciliano Ramos, uma poética da insignificância. Revista Estudos Avançados, vol. 23, nº 67, São Paulo: 2009.

GOMES, Renato Cordeiro. Todas as Cidades, A Cidade. Literatura e experiência urbana. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

KIEKGAARD, S. O Conceito de Angústia. 2ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LACAN, J. O Seminário, Livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

LEÃO, Yara A. Souza. “Não ceder do desejo”: o mito de Antígona. Revista Antígona – Uma publicação do Toro de Psicanálise.

N. 8, Maceió, AL: EDUFAL, 2011. Pp. 85-92.

LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades: Conversações com Jean Lebrun. São Paulo: UNESP, 1998.

MARTINS, Ana Claudia Aymoré. A angústia de viver na cidade. Bakhtiniana, São Paulo, Vol. 10, n. 1, pp. 156-175, Jan./Abril 2015.

MOURA, Gabriela C. O Pai na Psicanálise – Algumas considerações sobre a psicose. Revista Antígona – Uma publicação do Toro de Psicanálise. N. 8, Maceió, AL: EDUFAL, 2011. Pp. 93-104.

OLIVEIRA, Marcelo França de. O Campo e a Urbe: Literatura e História em “A cidade e as Serras” de Eça de Queiroz. Historiae, Vol, 6, n. 1, Rio Grande do Sul, 2015. Pp. 215-227.

RAMOS, Graciliano. Angústia. Rio de Janeiro: O Globo, 2003.

SALGADO, Marcus Rogério Tavares Sampaio. A Metrópole como Lugar do Exílio: Dispersão e trauma na experiência urbana. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 65, pp. 135-146, jul-dez 2013.

SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um Humanismo. 3ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

PISETTA, Maria Angélica Augusto de Mello. Considerações sobre a Teoria da Angústia em Freud. Psicologia: Ciência e Profissão. V. 28, n. 2. Brasília, jun. 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1414-98932008000200014&script=s-ci_arttext>. Acessado em 07 de dezembro de 2015.

Publicado
2020-01-20
Seção
Artigos