<p><b>Entre a modernidade e algo por vir: Hermann Hesse leitor de Friedrich Nietzsche</b></p>

  • Jivago Araújo Holanda Ribeiro Gonçalves Universidade Estadual do Piauí – UESPI
Palavras-chave: Filosofia, Literatura, Interdisciplinaridade

Resumo

RESUMO: Sob o signo da interdisciplinaridade, este artigo intenciona desenvolver uma interpretação do romance Demian, escrito por Hermann Hesse em 1919, a partir de um exercício crítico que tem como fundamento as formulações de Friedrich Nietzsche em sua obra, de maneira geral, concernentes às ideias de cultura, indivíduo e modernidade, e detidamente n’O nascimento da tragédia, de 1872 relativas à arte. O objetivo geral figura em torno da observância de uma possível convergência crítica entre literato e filósofo relativa aos pressupostos do que aqui denominamos modernidade. São estes: a ideia de sujeito contraposto ao mundo externo, a ideia de verdade, e a crença exacerbada na razão com via de acesso à realidade na qual os sujeitos se inscrevem. Ao fim, buscou-se ressaltar a noção de autocriação – interpelando-a a partir da noção de Bildung – e apresentá-la enquanto contrapondo ao projeto inacabado da modernidade.

PALAVRAS-CHAVE: Demian. Hesse. Nietzsche. Modernidade.

      

ABSTRACT: Under the mark of interdisciplinarity, this article intends to interpret Demian, a novel written by Hermann Hesse in 1919, making use of the formulations of Friedrich Nietzsche present in his overall work concerning the ideal of modernity, individual and moral, and more specifically in The birth of tragedy, from 1872 relative to art. The major objective lies around the observation of a possible critical convergence between writer and philosopher concerning the assumptions of what it is hereby named modernity. These are: the idea of subject apart from ex ternal world, the idea of truth, and the exaggerated belief in reason as an access line to the reality the subjects are inscribed in. Towards the end, the article sought to highlight the notion of self-creation – opposing it to the concept of Bildung – and present it as a counterargument to the unfinished project of modernity.

KEYWORDS: Demian. Hesse. Nietzsche. Modernity.

Referências

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BURNETT, Henry. Para ler o nascimento da tragédia de Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000; Publifolha, 2000.

CANDIDO, Antonio A personagem do romance. In: A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2014.

CARPEAUX, Otto Maria. A história concisa da literatura alemã. 1ªed. São Paulo: Faro Editorial, 2013.

DIAS, Rosa. Nietzsche, a vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2011.

ENNE, Ana Lucia S. O “defensor do indivíduo”: Herman Hesse e o processo de massificação nas primeiras décadas do século XX. Alceu, v.5, n.10, p.94 a 115, jan./jun. 2005.

FLORA, Luiza: s.v. “Bildungsroman, E-Dicionário de Termos Literários (EDTL), coord. de Carlos Ceia, ISBN: 989-20-0088-9, <http://www.edtl.com.pt>, consultado em 16-11-2016.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. As formas literárias da filosofia. In: Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed.34, 2006.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HESSE, Hermann. Demian. Rio de Janeiro: Record, 1999.

MACHADO, Roberto. Nietzsche e a verdade. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

MENEZES, Frederico Lucena de. Hermann Hesse: o personagem que se fez autor. Brasília: LGE Editora, 2007.

MOURA, Carlos Alberto de. Nietzsche: civilização e cultura. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo – como alguém se torna o que é. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano – um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos ídolos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SERRANO, Miguel. C.G. Jung and Hermann Hesse: a record of two friendships. Daimon, 1997.

SOUZA, João Paulo Francisco de. Um lobo nos trópicos: a recepção crítica de Hermann Hesse no Brasil (1935-2005). 2007. 296 f.

Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2007.

Publicado
2020-01-20
Seção
Artigos