Sentenças proverbiais africanas: a um só tempo, literatura, filosofia e acontecimento

  • Tiganá Santana Universidade Federal da Bahia – UFBA
Palavras-chave: Sentenças em linguagem proverbial, Provérbio, Civilizações africanas

Resumo

Este artigo traz à tona o lugar específico e relevante do que nele se cunha como sentença em linguagem proverbial – diferentemente, de uma ideia euro-ocidental de provérbio – para civilizações africanas, a exemplo da Bantu-Kongo, Changana e Yoruba. A complexidade semiótica, filosófica e estético-inscricional de tal expressão (associada a corporalidades coletivas e singulares) está também na dimensão do acontecimento a mover-se entre temporalidades, o conhecido e o desconhecido. Linguagem, nesse caso, faz-se, antes de tudo, comunicação entre frequências.

Referências

BORNHEIM, Gerd A. (org.). Os filósofos pré-socráticos. São Paulo: Cultrix, 1999.

FONSECA, António. Contos de antologia: reflexões, contos e provérbios. Luanda: INALD, 2008.

FU-KIAU, Kimbwandende kia Bunseki. African cosmology of the bantu-kongo: principles of life and living. 2.ed. Nova Iorque: Athelia Henrietta Press, 2001.

HOUNTOUNDJI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimento de africanos: duas perspectivas sobre os estudos africanos. In: MENESES, Maria Paula; SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010, p.131-144.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 4.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

JESUS, Carolina Maria de. Provérbios. 1963.

JULLIEN, François. Entrer dans une pensée ou des possibles de l’esprit. Paris: Gallimard, 2012.

KUNZIKA, Emanuel. Dicionário de provérbios Kikongo. Luanda: Editorial Nzila, 2008.

MORA, Jose Ferrater. Diccionario de filosofía abreviado. 6.ed. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1977.

NDANJIWAMAZI, Mpaangi; NLUNDYANDEEMBO, Taata. Wa — Ouvir: pequena poética acolhimento de afeto. Salvador: 2016.

OLÚWOLÉ, Sophie Bósèdé. Socrates and Orunmila: two patron saints of classical philosophy. 3.ed. Lagos: Ark Publishers, 2017.

OXOSSI, Stella de. Òwe / Provérbios. Salvador: 2007.

PAXE, Abreu Castelo Vieira dos. A migração fractal do provérbio: práticas, sujeitos e narrativas entrelaçadas. 2016. 299 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) — Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

RIBAS, Óscar. Missosso I. Luanda: Ministério da Cultura, 1958.

RIBEIRO, Armando. 601 provérbios changanas. 2.ed. Lisboa: Silvas, 1989.

RISÉRIO, Antônio. Oriki Orixá. São Paulo: Editora Perspectiva, 1996.

SCHLEGEL, Friedrich. Conversa sobre poesia e outros fragmentos. Tradução de Victor-Pierre Stirnimann. São Paulo: Iluminuras, 1994.

_______. O dialeto dos fragmentos. Tradução de Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 1997.

SOUZA, Maria Cristina dos Santos de. O Fragmento ou Aforismo: a expressão do pensamento da natureza tanto para os poetas românticos alemães quanto para Nietzsche. In: Revista Trágica, v.1, nº 1, 2008, p.76-83. Disponível em: http://tragica.org/artigos/01/07-maria.pdf. Acesso em 29 de agosto 2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

STEINBERG, Martha. 1001 provérbios em contraste: ditados ingleses e norte-americanos e seus equivalentes em português. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

_______. Provérbios e tradução. In: TradTerm, São Paulo, v.2, p.59-65, 1995.

Publicado
2021-01-07
Seção
Artigos