A construção narrativa em abismo, em O lobo da estepe

  • Geyvson Cardoso Varjão Universidade Federal de Sergipe – UFS
  • Fernando de Mendonça Universidade Federal de Sergipe – UFS
Palavras-chave: Literatura e Filosofia, Hermann Hesse, Mise en Abyme, Especularidade

Resumo

Em O Lobo da Estepe (1927), o ato de narrar traduz ao mesmo tempo uma metamorfose particular de escrita e um ato reflexivo de consciência. Todo o romance de Hermann Hesse é marcado pelo redobramento do sujeito e da própria narrativa escritural, prefigurando uma estrutura mise en abyme. Por meio de leituras que nos revelem esse tipo de engrenagem narrativa (GIDE, 1951; DÄLLENBACH, 1979; ECO, 1989), propomos uma reflexão sobre a construção em abismo do romance O Lobo da Estepe, compreendendo a complexidade e a vertigem formal como um caminho para a tomada de consciência e o olhar filosófico sobre a existência (SARTRE, 2005).

Referências

ANKER, Valentina; DÄLLENBACH, Lucien. A reflexão especular na pintura e literatura recentes, in Art International, vol. XIX/2, fevereiro 1975. (Trad. do original em francês: Maria do Carmo Nino).

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CAMPOS, Regina Salgado. André Gide e o questionamento do romance. Lettres Françaises, n. 7, 2006. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/lettres/article/view/2012>. Acesso em: 11 jun. 2019.

DÄLLENBACH, Lucien. Intertexto e autotexto. Trad. Clara Crabbé Rocha. Coimbra: Livraria Almedina, 1979.

ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. Trad. Helena Domingos e João Furtado. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FORSTER, Gabrielle Silva. (2012). O lobo da estepe: uma escritura selvagem. Revista Criação & Crítica, (9), 111-127. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i9p111-127>. Acesso em: 8 jun. 2019.

GENETTE, Gérard. 1979. Discurso da narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: Arcádia.

GIDE, André. Os moedeiros falsos. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

HESSE, Hermann. O lobo da estepe. Trad. Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1955.

PAZ, Octavio. A outra voz. Trad. Wladir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1993.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 2005.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. Leya Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2006.

Publicado
2021-01-07
Seção
Artigos