Ritmos e pensamentos em Fantasia para dois coronéis e uma piscina, de Mário de Carvalho

  • Rosana Baptista dos Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri/UFVJM
Palavras-chave: Poética, Fantasia, Paródia

Resumo

Este artigo analisa os pensamentos e os ritmos, elementos essenciais para a composição de um texto literário, do romance Fantasia para dois coronéis e uma piscina, do escritor português Mário de Carvalho. Essa ‘fantasia literária’, designada como ‘cronovelema’ pelo autor, retoma os filósofos Aristóteles e Thomas More, para propiciar ao narrador, personagens e leitores, a partir da paródia da Poética e da Utopia, uma viagem por Portugal e pelo universo semântico do texto. Parte-se do conceito de intertextualidade para o estudo dos diálogos estabelecidos com temas e textos literários portugueses, da tradição literária grega e latina, centrando atenção nas discussões metaficcionais e filosóficas reelaboradas por um autor-narrador e por personagens. O objetivo foi demonstrar como Mário de Carvalho recupera os temas clássicos para associá-los, de forma paródica e irônica, aos problemas da sociedade e do homem contemporâneo.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Souza. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 1986.

BRANDÃO, J. L. A adivinhação no mundo helenizado do segundo século. Clássica, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 103-121, 1991.

BRANDÃO, J. L. Primórdios do épico: a Ilíada. In: APPEL, M. B; GOETTEMS, M. B. (org.) As formas do épico: da epopéia sânscrita à telenovela. Rio Grande do Sul: Editora Movimento / SBEC, 1992, p. 40-55.

BRANDÃO, L. A.; Oliveira, S. P. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: Introdução à Teoria da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CAMÕES, L. Os Lusíadas. Prefácio de Hernâni Cidade. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

CARVALHO, M. Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto. 5 ed. Lisboa: Caminho, 2003.

CARVALHO, M. Fantasia para dois coronéis e uma piscina. 3 ed. Lisboa: Caminho, 2003.

FERREIRA, J. R. Mitos das origens. 2 ed. Coimbra: Coleção Fluir Perene, 2008.

FERREIRA, J. R.; SOUSA E SILVA, M. F. Heródoto. Histórias. Livro I. Lisboa: Edições 70, 2002.

GOTLIB, N. B. Viagens e Viagens: o sentido contraditória das navegações em Os Lusíadas. Boletim, Centro de Estudos Portugueses da FALE-UFMG, Belo Horizonte, n. 12, p. 128-143, 1979.

HOMERO. Ilíada. Tradução de F. Lourenço. Lisboa: Livros Cotovia, 2005.

HOMERO. Odisseia. Tradução de F. Lourenço. Lisboa: Livros Cotovia, 2003.

HORÁCIO. Epitres. Tradução de F. Villeneuve. Paris: Belles Lettres, 1955. (Collection des universites de France)

HUTCHEON, L. Teoria e Política da Ironia. Tradução de Julio Jeha. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

HUTCHEON, L. Uma teoria da paródia. Lisboa: Edições 70, 1989.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LAUSBERG, H. Elementos de Retórica Literária. 4 ed. Tradução e prefácio de R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1967.

MELERO, A. La lengua de la utopia. In: LOPES EIRE, A.; GUERREIRA, A. R. (Eds.). Registros Lingüísticos en las lenguas clásicas. Salamanca: Ediciones Universidad Salamanca, Aquilafuente, 2004.

MELERO, A. La utopia cômica o los límites de la democracia. Cuadernos de literatura griega y latina III, Madrid – Santiago de Compostela, p. 07-25, 2001.

MORE, T. A utopia. São Paulo: Ediouro, 1900.

SANT’ANNA, A. R. Parodia, paráfrase & cia. 2. ed. São Paulo: Ática, 1985.

SANTOS, R. B. Aspectos da cultura clássica em Mário de Carvalho. Belo Horizonte: UFMG, 2009. (Tese de Doutorado)

SILVESTRE, O. M. Mário de Carvalho: revolução e contra-revolução ou um passo trás e dois à frente. Colóquio/ Letras, n.147/ 148, 1998.

XAVIER, L. G. O discurso da ironia. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2007.

WELLEK, R.; WARREN, A. Teoria da Literatura e metodologia dos estudos literários. Tradução de Luis Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WEST, M. L. The East face of Helicon: West Asiatic Elements in Greek Poetry and Myth. Oxford: Clarendon Press, 1997.

Publicado
2022-01-15
Seção
Artigos