A montanha mágica – apontamentos sobre o pensamento nietzschiano no romance de Thomas Mann

  • Damião Farias Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD
Palavras-chave: A montanha mágica, Thomas Mann, Nietzsche, Freud

Resumo

O artigo apresenta uma análise interpretativa do romance A montanha mágica, de Thomas Mann, observando as perspectivas apresentadas por diversos estudiosos, seja como um romance de formação (Bildungsroman) ou sobre o tempo (Zeitroman). Nossa leitura irá explorar noções estratégicas no romance e estabelecer pontes entre elas e o pensamento do filósofo Friedrich Nietzsche de modo a imaginar o escrito de Mann como expressão de uma Weltanschauung – outra tradição cultural alemã. Utilizamos, como ponto de partida, o ensaio de Thomas Mann, de 1929, escrito a propósito de avaliar a contribuição de Freud para o “espírito moderno”. No ensaio, o autor conjectura aproximações entre A montanha mágica e algumas proposições freudianas, e tem por objetivo fazer frente aos ideais fascistas. Todavia, o seu pano de fundo é constituído pela filosofia nietzschiana, que, segundo o eminente romancista, fora elaborada na superação e, ao mesmo tempo, nas confluências das tradições, iluminista e romântica, próprias da cultura intelectual, filosófica e artística alemã.

Referências

CALDAS, Pedro Spinola Pereira. A Educação Estética de Hans Castorp: A montanha mágica como Bildungsroman. Cadernos de Estética Aplicada. Rio de Janeiro, n. 12, jul/dez de 2012.

CALDAS, Pedro Spinola Pereira. O murmurante evocador do passado: A montanha mágica e o romance de formação após a Primeira Guerra Mundial. Revista História, historiografia. Ouro Preto, n. 16, dez. 2014, p. 107-120.

CARPEAUX, Otto Maria. História concisa da literatura alemã. Barueri, SP: Faro Editorial, 2013.

CHACON, Vamireh. Thomas Mann e o Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, 1975.

DEWEY, John. Arte como experiência. Org. Jo Ann Boydston; editora de texto Harriet Furt Simon; introdução Abraham Kaplan; tradução Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DIAS, Rosa Maria. Nietzsche e a música. São Paulo: Discurso Editorial; Grupo de estudos Nietzsche - GEN; Ijuí – RS: Editora da UNIJUÍ, 2005.

FONTANELLA, Marco Antônio Rassolin. 2000. 122f. A montanha mágica como Bildungsroman. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária) Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP, 2000.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu: algumas concordâncias entre a vida psíquica dos homens primitivos e a dos neuróticos / Sigmund Freud; tradução de Paulo César de Souza. 1a ed. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2013.

FREUD, Sigmund. História de uma neurose infantil: (“O homem dos lobos”) além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920) / Sigmund Freud; tradução e notas Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREZZATTI JR, Wilson. A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche. Revista Tempo da Ciência, Toledo, v.11, n. 22, p. 115-135, 2004.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. In: Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. (org.) De Francisco de Assis Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro, Rocco, 1988.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Thomas Mann e o Brasil. In: BARBOSA, Francisco de Assis. (org). Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

ITAPARICA, André L. M. Saúde (Gesundheit). In: Dicionário Nietzsche. GEN – Grupo de Estudos Nietzsche: 2016, p. 369.

MANN, Thomas. A montanha mágica. Tradução de Hebert Caro. Revisão da Tradução e posfácio de Paulo Astor Soethe. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

MANN, Thomas. A morte em Veneza; Tonio Kröger. Tradução Herbert Caro e Mário Luiz Frungillo. São Paulo: Companhia das Letras, 2015a.

MANN, Thomas. Doutor Fausto. Tradução Herbert Caro e posfácio de Jorge de Almeida. São Paulo: Companhia das Letras, 2015b.

MANN, Thomas. O lugar de Freud na história do espírito moderno. In: MANN, Thomas. Pensadores modernos: Freud, Nietzsche, Wagner e Schopenhauer. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2015c.

MANN, Thomas. Os Buddenbrook: decadência de uma família. Tradução Herbert Caro e posfácio de Helmut Galle. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich. A disputa de Homero. In: NIETZSCHE, Friedrich. Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Tradução de Pedro Sussekind. Rio de Janeiro: Sete Letras, 1996.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza: Companhia de Bolso, 2018.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora. Tradução de Antonio Carlos Braga. São Paulo: Ed. Escala, 2007a.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo: como alguém se torna o que é. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano – um livro para espíritos livres. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2007b.

PAULINO, Sibele; SOETHE, Paulo Astor. Thomas Mann e a cena intelectual no Brasil: encontros e desencontros. Pandaemonium germanicum 14/2009.2, p. 28-53. Disponível em: <https://www.fflch.usp.br/dlm/alemao/pandaemoniumgermanicum>. Acesso: 30/06/2019.

RODRIGUES, Menaldo Augusto da Silva. 2008. 115 f. Representação do tempo no romance Der Zauberberg de Thomas Mann. Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura Alemã) Departamento de Letras Modernas da FFLCH/USP, 2008.

TAYLOR, Charles. As fontes do self: a construção da identidade moderna. Tradução Adail Ubirajara Sobral, Dinah de Abreu Azevedo. 4ª edição, São Paulo: Edições Loyola, 2013.

Publicado
2022-01-15
Seção
Artigos