O desejo em cena na vida escrita de Samuel Beckett

  • Caio Reis Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Palavras-chave: Literatura, Samuel Beckett, O inominável

Resumo

Este trabalho pretende pensar a escrita em Samuel Beckett e sua relação com a vida deste escritor. A palavra vida pode ser pensada como: cenários, percursos, experiência de escrita, narrativas influenciadas por acontecimentos históricos e culturais. Neste processo entre escrita e vida, a literatura e o sentido das coisas são aproximados do trabalho criativo de Beckett, através de conteúdos discutidos em passagens da entrevista dada a Charles Juliet, nas obras de Samuel Beckett e dos efeitos produzidos entre o escritor e as experiências de sua vida, momentos presentes em seu pensamento, suas falas, personagens e criação. Como recurso de interpretação, o sentido da linguagem e a psicanálise são ferramentas eleitas para analisar o tema e enriquecer a discussão. O período da Segunda Guerra Mundial como cerne do entendimento da condição humana atravessou Beckett em sua concepção de mundo. A forma de escrita presente em suas obras vai se modificando à medida que a história do mundo o afeta, até o momento em que surge O inominável, sem possibilidade de ser categorizado, é o lugar que Beckett funda na crítica, na escrita e na literatura a necessidade de analisar, refletir e pensar o lugar na literatura frente ao sintoma incessante da tradição. A escrita em O inominável, portanto, é tida como extremamente moderna. Para Samuel Beckett, era apenas uma forma de entrever o mundo para poder respirar.

Biografia do Autor

Caio Reis, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestre em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

ANDRADE, Fábio de Souza. Samuel Beckett: o silêncio possível. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

BARBOSA, João Alexandre. As ilusões da modernidade: notas sobre a historicidade na lírica moderna. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BECKETT, Samuel. Murphy. Tradução e apresentação: Fábio de Souza Andrade. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

BECKETT, Samuel. Molloy. Tradução e prefácio: Ana Helena Souza. São Paulo: Globo, 2007.

BECKETT, Samuel. Malone morre. Tradução e prefácio: Ana Helena Souza. São Paulo: Globo, 2014.

BECKETT, Samuel. O inominável. Tradução: Ana Helena Souza. São Paulo: Globo, 2009.

BRADBURY, M. O mundo moderno: dez grandes escritores. Tradução: Paulo Henrique Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

CALLIGARIS, Contardo. As cassandras e os esparadrapos. Folha de São Paulo, 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2019/01/as-cassandras-e-os-esparadrapos.shtml. Acesso em: 15 de dez. 2020.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.

GATTI, Luciano. Sou feito de palavras: A(s) voz(es) narrativa(s) em O inominável de Samuel Beckett. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 9, n. 17, p. 103-132, jul./dez. 2015.

HANSEN, João Adolfo. “Eu nos faltará sempre”. In: BECKETT, Samuel. O inominável. Tradução: Ana Helena Souza. Prefácio: João Adolfo Hansen. São Paulo: Globo, 2009, p. 7-25.

JULIET, Charles. Encuentros con Samuel Beckett. Tradução: Julia Escobar. Madri: Siruela, 2006.

KAUFMANN, Pierre. Dicionário enciclopédico de psicanálise: o legado de Freud e Lacan. Tradução: Vera Ribeiro e Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Tradução: Marie Christine Lasnik Penot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

QUIGNARD, Pascal. O nome na ponta da língua. Ruth Sivilano Brandão e Yolanda Vilela. Editora Chão da feira, 2018.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Publicado
2022-01-15
Seção
Artigos