TEATRO-POLÍTICA-HISTÓRIA: ALGUMAS NOTAS A PARTIR DE BRECHT

Romero Venancio

Resumo


Comecemos com um pequeno princípio metodológico: leremos a peça Quebra-quilos, trabalho extraordinário do diretor Márcio Marciano e do grupo de teatro Alfenim, pelas lentes do teatro dialético brechtiano. Em nenhum momento forçaremos a barra para colocar numa camisa de força importada um arrojado “teatro paraibano”. Longe disso. É que pela formação do diretor na Companhia do Latão, e por uma série de cenas que nos levam a um certo “estranhamento”, fica fácil aproximarmos a peça Quebra-quilos de algumas categorias desenvolvidas pelo teatrólogo alemão B. Brecht. Marciano e o Alfenim produziram um texto vigoroso e inteligente, a altura de qualquer grande trabalho teatral no Brasil contemporâneo. Escolheram uma temática nada neutra politicamente da história do Nordeste e em particular da Paraíba: a Revolta do Quebra-Quilos, de 1874. As informações históricas vêm a “contra-gotas”, pois fica notório que o interesse da peça não é o de nos contar uma história tal qual foi (se é que isto é possível para a historiografia acadêmica!), mas fazer uma leitura “dramática” de momentos/acontecimentos significativos da pesquisa feita sobre o determinado acontecimento. Retomemos um pouco da história da revolta dos quebra- quilos para voltarmos à peça e percebermos que a escolha do grupo Alfenim foi mais do que feliz em um momento de “despolitização” do teatro brasileiro, onde seguir um “modelo televisivo” (da Rede Globo, em particular) passou a ser fórmula de sucesso para vários grupos teatrais da nossa Pindorama.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Manoel Correa de. O homem e a terra no Nordeste. São Paulo: Cortes, 2006.

BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CARVALHO, Sérgio de (Org.). Introdução ao teatro dialético: experimentos da Companhia do Latão. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles não usam black-tie. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

EINSENBERG, Peter L. Modernização sem mudança. São Paulo: Paz e Terra, 1980.

KONDER, Leandro. A poesia de Brecht e a história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

MONTEIRO, Hamilton de Mattos. Crise agária e luta de classes. São Paulo: Paz e Terra, 1980.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Bases indexadoras:

http://flacso.org.ar/latinrev

 

http://sumarios.org

 

http://www.cnen.gov.br

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.