<strong>O PERFIL DA LINGUAGEM CRÍTICA DE BENEDITO NUNES </strong>

  • Jucimara Tarricone Doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP

Resumo

Inicio esta breve reflexão com um enunciado de Benedito Nunes que, por si só, resume sua clareza como crítico-leitor:

 

Lingüística, Sociologia, História, Psicologia ou Psicanálise – qualquer desses campos metodológicos pode ser requeri- do para a compreensão da obra, e nenhum deles, por mais que necessário seja, é suficiente no cumprimento desse fim. A exigência filosófica de verdade impõe, dessa forma, como princípio do discurso do método, em caráter permanente, a cauta admissão das ciências humanas, em estado de simpósio: cada qual é capaz de iluminar a obra, e nenhuma, por si só, traz a completa chave de sua decifração. Filosoficamente, o objeto literário permanece inesgotável (1993, p. 198).

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: Notas de literatura I. Trad. Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades/Ed.34, 2003.

BARBOSA, João Alexandre. A leitura do intervalo: ensaios de crítica. São Paulo: Iluminuras, 1990.

. As ilusões da modernidade. São Paulo: Perspectiva, 1986.

NASCIMENTO, Evando. Literatura e filosofia: ensaio de reflexão. In: NASCIMENTO, Evando; OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de (Org.). Literatura e filosofia: diálogos. Juiz de Fora/São Paulo: UFJF/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

NUNES, Benedito. Meu caminho na crítica. Estudos Avançados, vol. 19, n. 55, setembro-dezembro de 2005, p. 289-305.

. A filosofia contemporânea. Edição revista e atualizada. Belém: Edufpa, 2004.

. Literatura e filosofia. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da literatura em suas fontes. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. Vol. 1, p. 199-219.

. Crítica literária no Brasil, ontem e hoje. In: MARTINS, Maria Helena (Org.). Rumos da crítica. São Paulo: Editora Senac/Itaú Cultural, 2000, p. 51-79.

. João Cabral: filosofia e poesia. Revista Colóquio Letras, n. 157/158, jul./dez. de 2000a.

. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

. Ocaso da literatura ou falência da crítica? Revista Língua e Literatura. São Paulo, USP – Departa- mento de Letras, n. 24, 1999a, p. 11-21.

. Crivo de papel. São Paulo: Ática, 1998.

. No tempo do niilismo e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1993.

. O pensamento estético no Brasil. In: CRIPPA, Adolfo (Coord.) As idéias filosóficas no Brasil – Parte

II. São Paulo: Convívio, 1978, p. 85-141.

. O dorso do tigre. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976.

. Poesia e filosofia na obra de Fernando Pessoa. Revista Colóquio Letras, n. 20, julho de 1974. PERRONE-MOISÉS, Leyla. Texto. Crítica. Escritura. São Paulo: Ática, 1978.

RICOEUR, Paul. Teoria da interpretação: o discurso e o excesso de significação. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2000.

. Interpretação e ideologias. Trad. Hilton Japiassu. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

. Du texte à l’action: essais d’herméneutique II. Paris: Seuil,1986.

. Temps et récit. Paris: Éditions du Seuil, 1983.

. Métaphore vive. Paris: Ed. du Seuil, 1975.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

Publicado
2011-10-06
Seção
Artigos