<strong>OS EFEITOS CÔMICOS DOS PRÓLOGOS PLAUTINOS</strong>

  • José Amarante Santos Sobrinho Instituto de Letras/UFBA

Resumo

O prólogo é uma das partes de que se compunha a comédia, mas, como a comédia era mais livre em sua composição do que a tragédia, nem sempre estava sujeita às regras estruturais estabelecidas. Em Plauto, por exemplo, o prólogo não aparece em cinco de suas vinte e uma peças (Curculio, Epidicus, Mostellaria, Persa e Stichus). Em outras peças, o prólogo perde seu lugar habitual de exposição inicial e migra para outros setores estruturais da peça, como na Cistellaria, em que o prólogo, feito pelo Deus Auxílio, aparece na cena três para explicar o assunto da comédia, ou no Miles Gloriosus, em que o prólogo ocorre no segundo ato, feito pelo personagem Palestrião, um escravo que narra suas artimanhas para unir dois amantes.

Referências

BERGSON, Henri. O Riso. Ensaio sobre a significação da Comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas até a bomba atômica. Porto

Alegre: Globo, 1971, 2 ed., vol. 1.

CARDOSO, Isabella Tardin Cardoso. Estico de Plauto. Introdução, tradução e notas. Campinhas: Editora da UNI-

CAMP, 2006.

CARDOSO, Zélia de Almeida. A literatura latina. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

COSTA, Lilian Nunes da. Mesclas genéricas na tragicomédia Anfitrião de Plauto. Dissertação de Mestrado. Univer-

sidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP, 2010.

COSTA, Lilian Nunes da. Metapoesia no prólogo da tragicomédia Anfitrião de Plauto. Língua, Literatura e Ensino,

Maio/2008 – Vol. III. p. 118-126.

PASCOLATI, Sonia Aparecida Vido. Metateatro na dramaturgia de Jean Anouilh. In: SANTOS, Volnei Edson dos

(org.). Sopros do silêncio. Londrina, EDUEL, 2008. p. 223 – 248(?).

PLAUTE. Comédies. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Tome I. Paris: Les Belles Lettres, 2001.

PLAUTE. Comédies. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Tome IV. Paris: Les Belles Lettres, 2003.

PLAUTO E TERÊNCIO. A comédia latina: Anfitrião, Aululária, Os cativos, O gorgulho, Os adelfos, O eunuco. Prefá- cio, escolha, tradução e notas de Agostinho da Silva. Rio de Janeiro/Porto Alegre/São Paulo: Editora Globo, 1952.

PLAUTO. Anfitrião. Introd., trad. e notas de Carlos Alberto Louro Fonseca. Lisboa: Edições 70, 1996.

PLAUTO. Comédias I. Intr. Geral de Aires Pereira do Couto. Intr., trad. e notas de Carlos Alberto Louro Fonseca, Aires Pereira do Couto, Walter de Medeiros, Cláudia Teixeira e Helena Costa Toipa. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra/Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

PLAUTO. Obras Completas. Trasladadas de lengua latina al español por P. A. Martín Robles. Buenos Aires: Libre- ría “El Ateneo” Editorial, 1947.

PLAUTO. Os menecmos (Menaechmi). Tradução e adaptação de José Dejalma Dezotti. Araraquara: FCL/UNESP, 2002.

PLAUTO. Truculentus. Tradução, introdução e notas de Adriano Milho Cordeiro. Coimbra: Universidade de Coim-

bra/Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, 2010.

ROCHA, Carol Martins da. Perfume de mulher: riso feminino e poesia em Cásina. Dissertação de Mestrado. Uni-

versidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP, 2010.


Publicado
2013-11-20
Seção
Artigos