<strong>Quaderna, a mestiçaria brasileira encarnada</strong>

  • Tereza Pereira do Carmo Universidade Federal da Bahia/UFBA

Resumo

RESUMO

Propomos neste trabalho analisar a fusão literária na Pedra do Reino e o príncipe do Sangue do vai-e-volta de Ariano Suassuna tendo como ponto de referência os recursos próprios da poética clássica utilizados pelo autor. Tratamos igualmente da ficção como meio seguro para se viver aventuras e construir um reino encantado e a composição da obra a partir da mistura que dá origem a Quaderna, o protagonista de Suassuna. Ao analisarmos as metamorfoses da personagem Quaderna, percebemos a influência de obras do passado e uma proposta criativa para a fundação de um reino. Como aedo, Quaderna apresenta o fim trágico de sua família e cria mitos e heróis na construção de seu Reino.

PALAVRAS-CHAVE: Suassuna. Quaderna. mestiçaria.

RESUMEN

Proponemos en este trabajo analizar la fusión literaria en la obra Pedra do Reino e o príncipe do Sangue do vai-e-volta de Ariano Suassuna, valiéndonos de los recursos propios de la poética clásica utilizados por el autor. Tratamos igualmente de la ficción como estrategia eficaz para presentar las vivencias de aventuras y construir un reino encantado y la composición de la obra a partir de la mezcla que da origen al Quaderna, el protagonista de Suassuna. Tras analizarnos las metamorfosis del personaje Quaderna, percibimos la influencia de las obras del pasado y una propuesta creativa para la fundación de un reino. Como aedo, Quaderna presenta el fin trágico de su familia y crea mitos y héroes en la construcción de su reino.

PALABRAS-CLAVE: Suassuna. Quaderna. mestiçaria.

Referências

CARVALHO, S. P. P. As muitas Faces de uma Pedra: o universo lexical da obra em prosa de Suassuna. Tese (Dou- torado em Filologia e Língua Portuguesa). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2011.

COLOMBANI, M. C. Homero. Ilíada: uma introducción crítica. Buenos Aires: Santiago Arcos Editor, 2005.

DETIENNE, M. A Invenção da Mitologia. Tradução André Telles. 2ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília, D.F.:

UnB, 1998.

HOMERO. Odisseia. Trad. Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

LEMOS, A. P. S. Ariano Suassuna, o palhaço-professor e sua Pedra do Reino. Dissertação (Mestrado em Literatura Comparada), Faculdade de Letras. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

NUNES, G. P. As ressonâncias da literatura popular do nordeste no Romance da Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários), Faculdade de Letras. Santa Maria: Universi- dade Federal de Santa Maria, 2010.

. A imaginação quadernesca como o palco do Romance d’A Pedra do Reino. In: Revista Crioula, nº 1. USP, maio, 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/crioula/article/. Acesso em 15 set. 2013.

PEREIRA, E. G. O rouco e castanho cantar de Ariano Suassuna: ‘o rei degolado nas caatingas do sertão ao sol da onça Caetana’, uma proposta de leitura dos valores carolíngios. Dissertação (mestrado em Estudos Românicos). Lisboa: Universidade de Lisboa, 2007.

SUASSUNA, A. Romance d’A Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1972.

UBERSFELD, A. Para ler o teatro. Tradução de José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Publicado
2015-11-11
Edição
Seção
Artigos